Em­ba­lo pa­ra o Qa­tar

Jornal de Angola - - DESPORTO -

O que fi­cou qua­se de­se­nha­do, de­pois da ma­gra vi­tó­ria(1-0) de Ba­kau, aca­bou por se con­cre­ti­zar, pa­ra a ale­gria ou alí­vio do nos­so fu­te­bol. Os Pa­lan­cas Ne­gras lo­gra­ram pas­sar pe­la con­gé­ne­re da Gâm­bia e es­tão qua­li­fi­ca­dos pa­ra a fa­se de gru­pos de apu­ra­men­to à pró­xi­ma edi­ção do Cam­pe­o­na­to do Mun­do, no Qa­tar, em 2022.

É, re­al­men­te, mo­ti­vo de re­go­zi­jo, mas que nos con­vi­da à re­fle­xão so­bre o que ur­ge fa­zer, de mo­do a ar­ru­mar uma se­lec­ção ca­paz e à al­tu­ra do que po­de­rão ser as obri­ga­ções do tor­neio, em que o nos­so país há-de fa­zer pa­re­lha, cer­ta­men­te, com as prin­ci­pais re­fe­rên­ci­as do fu­te­bol afri­ca­no. Pas­sar pe­la Gâm­bia não cons­ti­tui um gran­de fei­to. É só o pri­mei­ro pas­so, da­qui­lo que po­de vir a ser uma ver­da­dei­ra “odis­seia”.

Pa­ra que pos­sa­mos con­ti­nu­ar a so­nhar ha­ve­rá que se re­ver um con­jun­to de fac­to­res que têm vin­do, nos úl­ti­mos tem­pos, a pe­na­li­zar, e de que ma­nei­ra, o nos­so fu­te­bol, so­bre­tu­do a ní­vel de se­lec­ções, em que os re­sul­ta­dos, re­gra co­mum, aca­bam por ser ruins, cri­an­do um po­mo de dis­cór­dia en­tre os ho­mens do fu­te­bol e, aci­ma de tu­do, um am­bi­en­te de mau es­tar.

Des­de já, é im­pe­ri­o­so que as ac­ções da Se­lec­ção Na­ci­o­nal se­jam acom­pa­nha­das e en­ca­ra­das com mai­or sen­ti­do de res­pon­sa­bi­li­da­de, com mai­or es­pí­ri­to pa­trió­ti­co, da par­te da­que­les que, nas ves­tes de di­ri­gen­tes, se acham com­pro­me­ti­dos com o fu­te­bol na­ci­o­nal. Pois, ve­zes há em que vin­ca a per­cep­ção de os Pa­lan­cas se­rem um pro­jec­to de meia dú­zia de pes­so­as.

Des­de lo­go, a Fe­de­ra­ção An­go­la­na de Fu­te­bol pre­ci­sa acer­tar a equi­pa téc­ni­ca. Ain­da es­ca­pa à com­pre­en­são a con­di­ção in­te­ri­na de Pe­dro Gon­çal­ves, con­su­ma­da que fi­cou a res­ci­são com o sér­vio Srd­jan Va­sil­je­vic. É cla­ro que, não es­tan­do a com­pe­tên­cia do téc­ni­co em cau­sa, exis­tem al­guns de­ta­lhes de fo­ro con­tra­tu­al por acer­tar en­tre as par­tes. Mas é pre­ci­so ul­tra­pas­sá-los, se é que exis­tem.

O im­por­tan­te se­rá pas­sar pe­los pro­ble­mas vi­vi­dos, cu­jas con­sequên­ci­as fo­ram de to­do pre­ju­di­ci­ais no pla­no com­pe­ti­ti­vo. Ur­ge ago­ra le­van­tar a ca­ra e en­ca­rar os pró­xi­mos de­sa­fi­os num ou­tro cli­ma, nu­ma ou­tra pers­pec­ti­va. Pois, pas­san­do um ma­ta-bor­rão pe­lo exer­cí­cio an­te­ri­or e abrir um ou­tro ca­pí­tu­lo, mes­mo que os re­sul­ta­dos não ve­nham a ser aqui­lo que se pre­ten­de, não ha­ve­rá lu­gar pa­ra es­pe­cu­la­ções do gé­ne­ro, a cul­pa re­sul­tou dis­to ou da­qui­lo, se­não da pró­pria pres­ta­ção em cam­po.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.