Pa­ga in­dem­ni­za­ção mi­li­o­ná­ria à Sho­pri­te

Ad­mi­nis­tra­dor-de­le­ga­do da com­pa­nhia de se­gu­ros anun­cia li­qui­da­ção re­la­ti­va ao in­cên­dio que em 2014 des­truiu o es­ta­be­le­ci­men­to da re­de de su­per­mer­ca­dos si­tu­a­do no Palanca, em Lu­an­da

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA -

Cem mi­lhões de dó­la­res é o va­lor da in­dem­ni­za­ção que a Saham Se­gu­ros An­go­la pa­ga à Sho­pri­te pe­lo in­cên­dio que, em 2014, des­truiu o es­ta­be­le­ci­men­to da re­de de su­per­mer­ca­dos no Palanca, em Lu­an­da, com os de­sem­bol­sos já em cur­so, re­ve­lou a se­gu­ra­do­ra.

O va­lor da in­dem­ni­za­ção que a Saham An­go­la Se­gu­ros pa­ga à Sho­pri­te pe­lo in­cên­dio que, em 2014, des­truiu o es­ta­be­le­ci­men­to da re­de de su­per­mer­ca­dos no Palanca, em Lu­an­da, é de 100 mi­lhões de dó­la­res, com os de­sem­bol­sos já em cur­so.

A re­ve­la­ção foi fei­ta ao Jor­nal de An­go­la pe­lo ad­mi­nis­tra­dor­de­le­ga­do da se­gu­ra­do­ra, Phil­lip­pe Al­li­a­li, num con­tac­to em que adi­an­tou que a apó­li­ce da Sho­pri­te be­ne­fi­cia de um res­se­gu­ro que dá à com­pa­nhia o con­for­to fi­nan­cei­ro ne­ces­sá­rio pa­ra pa­gar a in­dem­ni­za­ção.

Res­se­gu­ro (que os ope­ra­do­res an­go­la­nos pro­cu­ram no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal pe­la au­sên­cia des­ses ser­vi­ços no país) é uma tran­sac­ção em que um se­gu­ra­dor trans­fe­re a ou­tra par­te ou a to­ta­li­da­de de um ris­co assumido, ce­den­do uma frac­ção da res­pon­sa­bi­li­da­de e do pré­mio re­ce­bi­do.

Phil­lip­pe Al­li­a­li avan­çou que a Saham Se­gu­ros tem em cur­so de­sem­bol­sos pa­ra co­bri­rem a in­dem­ni­za­ção, se­guin­do um ca­len­dá­rio acor­da­do en­tre as par­tes en­vol­vi­das, con­tan­do­se ban­cos, além da se­gu­ra­do­ra e a re­de de su­per­mer­ca­dos.

O ad­mi­nis­tra­dor-de­le­ga­do da Saham não re­ve­lou, in­da­ga­do pe­la nos­sa re­por­ta­gem, as con­clu­sões da pe­rí­cia que, por nor­ma, as se­gu­ra­do­ras man­dam fa­zer ou re­a­li­zam com re­cur­sos pró­pri­os pa­ra de­ci­di­rem a le­gi­ti­mi­da­de e o va­lor das in­dem­ni­za­ções.

A co­ber­tu­ra des­te jor­nal re­al­ça­va na al­tu­ra do in­cên­dio, em Ju­lho de 2014, cha­mas de gran­des pro­por­ções das quais não re­sul­ta­ram ví­ti­mas hu­ma­nas, mas que la­vra­ram ao lon­go de mais de 12 ho­ras até se­rem ex­tin­tas, afec­tan­do ar­ma­zéns e o supermerca­do, on­de tam­bém es­ta­vam ins­ta­la­das agên­ci­as do Stan­dard Bank e do Ban­co An­go­la­no de In­ves­ti­men­tos (BAI).

Pa­ra ex­tin­guir o in­cên­dio, fo­ram ne­ces­sá­ri­os 14 veí­cu­los e 100 ope­ra­ci­o­nais do Ser­vi­ço Na­ci­o­nal de Pro­tec­ção Ci­vil e Bom­bei­ros que, ao aban­do­na­rem o lo­cal, não ti­nham um lau­do so­bre as cau­sas da de­fla­gra­ção do fo­go.

Quan­do ocor­reu o in­cên­dio, a Saham An­go­la Se­gu­ros era detida des­de 2013 por ca­pi­tais mar­ro­qui­nos do Saham Group, no iní­cio de um pro­ces­so de mi­gra­ção da ti­tu­la­ri­da­de da com­pa­nhia de di­rei­to an­go­la­no que co­me­çou por se im­plan­tar com ca­pi­tais sul-afri­ca­nos do San­lam Group, em 2005.

O con­tro­lo da Saham An­go­la por ca­pi­tais mar­ro­qui­nos man­te­ve-se en­tre 2013 e Ou­tu­bro de 2018, quan­do, nu­ma ope­ra­ção glo­bal ci­fra­da em mi­lhões de dó­la­res, o San­lam Group ad­qui­riu os ca­pi­tais do gru­po mar­ro­qui­no.

No­va de­sig­na­ção

Phil­li­pe Al­li­a­li anun­ci­ou que, a par­tir de Ja­nei­ro de 2020, a ope­ra­ção an­go­la­na do gru­po sul-afri­ca­no, a Saham Se­gu­ros An­go­la, pas­sa a de­sig­nar-se San­lam An­go­la Se­gu­ros, pa­ra o que já exis­te uma au­to­ri­za­ção ins­ti­tu­ci­o­nal pu­bli­ca­da em Diá­rio da Re­pú­bli­ca.

A fon­te con­si­de­ra que a mu­dan­ça de mãos do con­tro­lo da Saham Se­gu­ros An­go­la não re­pre­sen­ta me­ras tran­sac­ções, cons­ti­tuin­do, an­tes, a agre­ga­ção de po­ten­ci­al de co­nhe­ci­men­to, co­ne­xões e ca­pi­tais en­vol­ven­do, além de An­go­la, a vo­ca­ção pa­na­fri­ca­na do Saham e do San­lam Group.

“Não são ape­nas tran­sac­ções: is­so im­pli­ca co­ne­xões, con­tac­tos e va­lor”, de­cla­rou Phil­li­pe Al­li­a­li pa­ra de­fi­nir as ope­ra­ções que le­va­ram a três al­te­ra­ções da es­tru­tu­ra ac­ci­o­nis­ta da se­gu­ra­do­ra de di­rei­to an­go­la­no, no­tan­do que a com­pa­nhia se tor­nou ca­paz de ofe­re­cer so­lu­ções pa­ra cli­en­tes an­go­la­nos que quei­ram ope­rar nou­tras ju­ris­di­ções. O ad­mi­nis­tra­dor­de­le­ga­do re­cla­ma pa­ra a com­pa­nhia uma quo­ta de mer­ca­do de 22 por cen­to, a se­gun­da de­pois da ENSA, mas a pri­mei­ra en­tre os ope­ra­do­res de ca­pi­tais pri­va­dos do mer­ca­do an­go­la­no dos se­gu­ros.

Em 2018, adi­an­tou a fon­te, acom­pa­nhi­a­a­tin­giu­um­vo­lu­me de pré­mi­os de 21,5 mil mi­lhões de kwan­zas, for­te­men­te in­flu­en­ci­a­do pe­lo de­sem­pe­nho nos ra­mos saú­de, au­to­mó­vel e in­cên­di­os, pre­ven­do, pa­ra 2019, um cres­ci­men­to de cer­ca de 13 por cen­to, pa­ra 24,3 mil mi­lhões de kwan­zas.

DR

Ad­mi­nis­tra­dor-de­le­ga­do anun­cia mu­dan­ça do no­me da em­pre­sa pa­ra San­lam An­go­la Se­gu­ros

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.