Ci­da­dãos re­cu­sam pa­ra­li­sar ac­ti­vi­da­de la­bo­ral ama­nhã

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - Gra­ci­e­te Mayer, Rodrigues Cam­ba­la Cé­sar Esteves

Com o po­der po­lí­ti­co aber­to ao exer­cí­cio ple­no da de­mo­cra­cia no país, ci­da­dãos ma­ni­fes­tam-se con­tra o ape­lo lan­ça­do, atra­vés das re­des so­ci­ais, pa­ra a pa­ra­li­sa­ção, ama­nhã, da ac­ti­vi­da­de la­bo­ral.

O ape­lo co­me­çou a ro­lar nas re­des so­ci­ais faz al­guns di­as. De for­ma iso­la­da, na apa­rên­cia, al­guns jo­vens fo­ram lan­çan­do posts com men­sa­gens a de­fen­der a re­a­li­za­ção de uma ma­ni­fes­ta­ção de pro­tes­to ama­nhã, sex­ta-fei­ra, 11.10. Ou­tras figuras fo­ram-se jun­tan­do ao co­ro, en­tre eles uns pou­cos mú­si­cos e até mes­mo um po­lí­ti­co. Mas tam­bém não tar­da­ram a sur­gir, nos mes­mos ca­nais, vo­zes con­tra a ini­ci­a­ti­va. De­las, trans­cre­ve­mos nes­ta ma­té­ria al­gu­mas pas­sa­gens. Es­gri­min­do os mais di­ver­sos ar­gu­men­tos, tra­ta­ram de mos­trar que as pes­so­as e o país têm mui­to mais a ga­nhar se ca­da ci­da­dão cum­prir com o seu de­ver la­bo­ral, hon­rar o com­pro­mis­so com o em­pre­ga­dor, do que fi­car sim­ples­men­te em ca­sa, não sair à rua na sex­ta-fei­ra, co­mo diz o ape­lo pa­ra a ma­ni­fes­ta­ção de pro­tes­to.

O ca­ri­ca­to nes­ta ac­ção é que al­guns dos mo­bi­li­za­do­res da ma­ni­fes­ta­ção não se en­con­tram no país. Es­tão lá fo­ra, a in­cen­ti­var que as pes­so­as, cá den­tro, se ma­ni­fes­tem.

So­bre o as­sun­to, a re­por­ta­gem do Jor­nal de An­go­la pôs­se em cam­po pa­ra ou­vir opi­niões em tor­no de du­as ques­tões bá­si­cas: 1 - Se faz sen­ti­do que, num mo­men­to em que as li­ber­da­des es­tão mais as­se­gu­ra­das no país, por um la­do, e, fa­ce às di­fi­cul­da­des que o país atra­ves­sa, sur­jam ini­ci­a­ti­vas a ape­lar à pa­ra­li­sa­ção dos ser­vi­ços e que po­dem pôr em ris­co a es­ta­bi­li­da­de so­ci­al? 2 - Qual de­ve ser o con­tri­bu­to dos ci­da­dãos pa­ra a re­so­lu­ção dos pro­ble­mas do país?

Ape­lo ao tra­ba­lho

O pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção dos Pro­fes­so­res An­go­la­nos (APA), Iná­cio Gon­ga, dis­se que o país es­tá nu­ma si­tu­a­ção di­fí­cil, mas a sua or­ga­ni­za­ção não ali­nha em com­por­ta­men­tos que não ga­ran­tam re­tro­ac­ti­vi­da­de.

“Os pro­fes­so­res de­vem tra­ba­lhar na sex­ta-fei­ra. Não de­vem pac­tu­ar com uma si­tu­a­ção que con­tra­ria os di­ta­mes da de­mo­cra­cia”, vin­cou.

Ao afir­mar que a de­mo­cra­cia não é li­ber­ti­na­gem, on­de “o ci­da­dão po­de fa­zer o que bem entender”, o professor afir­mou ain­da que a APA não subs­cre­ve tal ma­ni­fes­ta­ção e que o dia 11 de Ou­tu­bro de­ve ser nor­mal pa­ra a clas­se aca­dé­mi­ca.

“Te­mos com­pro­mis­sos com a na­ção, por­que as cri­an­ças são o fu­tu­ro do país e pre­ci­sam dos pro­fes­so­res na sa­la de au­las”, as­se­gu­rou.

O vice-pre­si­den­te do CNJ (Con­se­lho Na­ci­o­nal da Ju­ven­tu­de), Mas­san­ga­no Do­min­gos, ape­lou aos ci­da­dãos a não dei­xa­rem de ir tra­ba­lhar na sex­ta-fei­ra, 11, por ha­ver um com­pro­mis­so com o Es­ta­do.

Ao Jor­nal de An­go­la, Mas­san­ga­no Do­min­gos ad­mi­tiu que o CNJ é a fa­vor de ma­ni­fes­ta­ções que cum­pram os pres­su­pos­tos da Cons­ti­tui­ção, uma vez que ca­da ci­da­dão tem o di­rei­to de mos­trar o seu des­con­ten­ta­men­to, sem es­que­cer as res­pon­sa­bi­li­da­des pa­ra com a fa­mí­lia, a so­ci­e­da­de e o Es­ta­do.

Pa­ra o ac­ti­vis­ta, o país es­tá num pro­ces­so de re­for­mas pa­ra me­lho­rar e pro­por­ci­o­nar uma si­tu­a­ção sus­ten­tá­vel pa­ra os an­go­la­nos.

Ao lem­brar que o país ain­da es­tá a vi­ver as con­sequên­ci­as de um com­por­ta­men­to no­ci­vo e de cor­rup­ção, as­se­gu­rou que o ac­tu­al Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca es­tá aten­to aos pro­ble­mas que afec­tam a po­pu­la­ção.

Mas­san­ga­no Do­min­gos fri­sou que, pa­ra o bem-es­tar de to­dos, ca­da an­go­la­no de­ve as­su­mir as su­as res­pon­sa­bi­li­da­des. “Nós, CNJ, de­fen­de­mos que a ju­ven­tu­de de­ve tra­ba­lhar e não fi­car em ca­sa, pa­ra que não con­tri­bua pa­ra a de­te­ri­o­ra­ção do país”, dis­se.

Su­bli­nhou que, ape­sar do de­sem­pre­go e po­bre­za, o Go­ver­no tem es­ta­do pre­o­cu­pa­do na so­lu­ção dos mes­mos. “Fi­car em ca­sa, não re­sol­ve”, acen­tu­ou, pe­din­do mais diá­lo­go en­tre os mem­bros do Exe­cu­ti­vo e a so­ci­e­da­de ci­vil e que ha­ja mais opor­tu­ni­da­des de em­pre­go pa­ra a ju­ven­tu­de.

A di­rec­to­ra da Uni­da­de de Ad­vo­ca­cia da Ac­ção pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to Ru­ral e Am­bi­en­te (ADRA), Cé­ci­lia Qui­tom­be, dis­se que nes­te mo­men­to o país pre­ci­sa de fa­zer re­fle­xões em con­jun­to e não se po­de ape­nas ape­lar pa­ra que os ci­da­dãos dei­xem de ir tra­ba­lhar, quan­do na re­a­li­da­de a vi­da es­tá ca­da vez mais di­fí­cil e os ní­veis de pro­du­ti­vi­da­de es­tão bai­xos.

"É pre­ci­so re­pen­sar es­se ti­po de ma­ni­fes­ta­ções no con­tex­to em que es­ta­mos to­dos a ser cha­ma­dos pa­ra con­tri­buir com pro­pos­tas con­cre­tas de me­lho­ria das con­di­ções de vi­da da po­pu­la­ção", dis­se Ce­cí­lia Qui­tom­be, que des­ta­cou que o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, João Lourenço, tem si­do um es­ta­dis­ta que se mos­tra fle­xí­vel pa­ra di­a­lo­gar com to­das as for­mas vi­vas da so­ci­e­da­de e tam­bém tem cri­a­do es­pa­ços pa­ra que os ci­da­dãos, de for­ma li­vre, ex­pres­sem as su­as pre­o­cu­pa­ções.

De­ci­di­dos a tra­ba­lhar

Tra­ba­lha­do­res en­tre­vis­ta­dos pe­lo Jor­nal de An­go­la on­tem em Lu­an­da ga­ran­ti­ram a sua pre­sen­ça nas ins­ti­tui­ções pú­bli­cas e pri­va­das, ape­sar da con­vo­ca­ção de uma ma­ni­fes­ta­ção nas re­des so­ci­ais (Fa­ce­bo­ock, Whats App e Twitter) por um gru­po de jo­vens que ape­la pa­ra uma pa­ra­li­za­ção na­ci­o­nal.

Eli­a­na Al­mei­da, fun­ci­o­ná­ria de uma em­pre­sa pri­va­da, dis­se que sex­ta-fei­ra se­rá um dia nor­mal de tra­ba­lho e que na­da a vai im­pe­dir de po­der exer­cer a sua fun­ção de res­pon­sá­vel de cai­xa. Con­tou que tem co­nhe­ci­men­to da con­vo­ca­ção da ma­ni­fes­ta­ção, mas dis­cor­da des­sa for­ma de de­so­be­di­ên­cia ci­vil, que vi­sa so­men­te de­ses­ta­bi­li­zar o bom fun­ci­o­na­men­to das ins­ti­tui­ções pú­bli­cas e pri­va­das no país.

"Dis­cor­do to­tal­men­te com a for­ma co­mo se es­tá a or­ga­ni­zar a ma­ni­fes­ta­ção. Não pre­ci­sa­mos pa­rar as ins­ti­tui­ções, nes­te mo­men­to que o país atra­ves­sa di­fi­cul­da­des de vá­ria or­dem", dis­se.

Já Te­re­za Mi­guel, fun­ci­o­ná­ria pú­bli­ca, su­bli­nhou que não faz sen­ti­do es­se ape­lo, nu­ma al­tu­ra em que o país "pre­ci­sa ca­da vez mais de nós os jo­vens". Não ti­ve ne­nhu­ma ori­en­ta­ção su­pe­ri­or pa­ra não es­tar pre­sen­te ama­nhã - su­bli­nhou, as­si­na­lan­do que "a ma­ni­fes­ta­ção con­vo­ca­da nas re­des so­ci­ais não irá re­sol­ver o pro­ble­ma do país". "To­do o mun­do sa­be porquê que o país es­tá mal e quem são os res­pon­sá­veis. Te­mos tam­bém de ter bom sen­so", re­ma­tou.

Isabel An­tó­nio, zun­guei­ra e ven­de­do­ra de rou­pa na Bai­xa de Lu­an­da, con­tou que sou­be da con­vo­ca­ção da ma­ni­fes­ta­ção de pro­tes­to de sex­ta-fei­ra atra­vés de uma li­ga­ção do seu pai. Ape­sar de o mes­mo (pai) a proi­bir de sair de ca­sa ama­nhã, Isabel ga­ran­tiu que vai "zun­gar", por­que é des­te tra­ba­lho que de­pen­de o sus­ten­to do seu filho, Ar­tur. "Na sex­ta-fei­ra eu vi­rei ven­der rou­pas, por­que te­nho mui­tos cli­en­tes aqui na Bai­xa", afir­mou.

Mas­san­ga­no Do­min­gos, do Con­se­lho da Ju­ven­tu­de

Isabel An­tó­nio ga­ran­te que vai tra­ba­lhar ama­nhã

Iná­cio Gon­ga, da As­so­ci­a­ção dos Pro­fes­so­res

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.