For­ças Ar­ma­das são a re­ser­va mo­ral do Es­ta­do

For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas re­a­fir­ma­ram on­tem a ne­ces­si­da­de de ac­tu­a­li­za­ção e de mo­der­ni­za­ção pa­ra os de­sa­fi­os fu­tu­ros

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - Al­fre­do Fer­rei­ra | Am­briz

O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca e Co­man­dan­te-em-Che­fe das For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas, João Lourenço, con­si­de­rou on­tem, em Lu­an­da, que a da­ta de fun­da­ção das For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas (FAA) se en­qua­dra nos “anais da nos­sa His­tó­ria re­cen­te co­mo ex­pres­são mais al­ta da de­ter­mi­na­ção do nos­so Po­vo na lu­ta pe­la Paz, Uni­da­de e Re­con­ci­li­a­ção na­ci­o­nal.”

Nu­ma men­sa­gem de fe­li­ci­ta­ções por oca­sião dos 28 anos de cri­a­ção das FAA, João Lourenço dis­se que “gra­ças ao he­roís­mo, fir­me­za e de­ter­mi­na­ção dos nos­sos bra­vos com­ba­ten­tes, mui­tos dos quais tom­ba­ram nas fren­tes de com­ba­te na de­fe­sa dos su­pe­ri­o­res in­te­res­ses da na­ção an­go­la­na, es­ta grande ba­ta­lha pe­la Paz e o Pro­gres­so So­ci­al foi ven­ci­da e, ho­je, as nos­sas For­ças Ar­ma­das cons­ti­tu­em, por mé­ri­to pró­prio, um or­gu­lho pa­ra to­do o nos­so Po­vo, de Ca­bin­da ao Cu­ne­ne.”

“Cri­a­das nos pri­mór­di­os da dé­ca­da de no­ven­ta, al­tu­ra em que o con­tex­to ge­o­po­lí­ti­co in­ter­na­ci­o­nal era mar­ca­do pe­los resquí­ci­os da «Guer­ra Fria» en­tre as gran­des po­tên­ci­as mun­di­ais e pe­lo emer­gir de no­vos ac­to­res, as For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas fo­ram ca­pa­zes de ul­tra­pas­sar mo­men­tos de cri­se e de pro­fun­da des­con­fi­an­ça en­tre as par­tes sig­na­tá­ri­as dos Acor­dos de Paz, re­or­ga­ni­zan­do a sua es­tru­tu­ra e sis­te­ma de for­ças com a ce­le­ri­da­de que se im­pu­nha, adap­tan­do-as às di­fí­ceis cir­cuns­tân­ci­as que o país en­tão vi­via”, lê-se na men­sa­gem di­ri­gi­da a to­dos os ofi­ci­ais ge­ne­rais e al­mi­ran­tes, aos ofi­ci­ais, sar­gen­tos, pra­ças e tra­ba­lha­do­res ci­vis. O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca e Co­man­dan­te-em-Che­fe das FAA con­si­de­ra que, “pe­la bri­lhan­te tra­jec­tó­ria per­cor­ri­da, os nos­sos mi­li­ta­res re­pre­sen­tam, nos tem­pos ac­tu­ais, a ex­pres­são mais su­bli­me da ver­da­dei­ra uni­da­de e re­con­ci­li­a­ção na-ci­o­nal on­de to­das as di­fe­ren­ças se es­ba­tem.”

João Lourenço re­fe­re, en­tre­tan­to, que as trans­for­ma­ções ocor­ri­das nos úl­ti­mos tem­pos no ce­ná­rio po­lí­ti­co re­gi­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal co­lo­cam no­vos de­sa­fi­os con­subs­tan­ci­a­dos fun­da­men­tal­men­te nas ope­ra­ções de ma­nu­ten­ção da paz e de apoio hu­ma­ni­tá­rio às po­pu­la­ções ca­ren­tes, sem des­pri­mor pe­la ga­ran­tia da de­fe­sa da in­te­gri­da­de do so­lo pá­trio con­tra po­ten­ci­ais ris­cos e ameaças.

“Por es­ta ra­zão, não obs­tan­te as li­mi­ta­ções com que o país se de­ba­te em con­sequên­cia de fac­to­res so­be­ja­men­te co­nhe­ci­dos, apro­vei­to es­ta oca­sião fes­ti­va pa­ra re­a­fir­mar o pro­pó­si­to do Go­ver­no an­go­la­no no qu­a­dro do Pro­gra­ma de Re­es­tru­tu­ra­ção das FAA em con­ti­nu­ar a ape­tre­chá-las com mei­os téc­ni­cos e equi­pa­men­tos mo­der­nos que lhes per­mi­tam man­ter a sua per­ma­nen­te pron­ti­dão ope­ra­ci­o­nal”, lê-se na no­ta.

Pa­ra­le­la­men­te a es­te es­for­ço, con­si­de­ra o Pre­si­den­te, a for­ma­ção de es­pe­ci­a­lis­tas a to­dos os ní­veis, o me­lho­ra­men­to das con­di­ções de vi­da e de tra­ba­lho dos qua­dros de co­man­do e che­fia e das tro­pas em ge­ral, vão igual­men­te con­ti­nu­ar no cen­tro das pri­o­ri­da­des dos ór­gãos com­pe­ten­tes.

João Lourenço apro­vei­tou a oca­sião pa­ra "ren­der uma pro­fun­da ho­me­na­gem de res­pei­to, ad­mi­ra­ção e apre­ço a to­dos os mi­li­ta­res que, ao ser­vi­ço das FAA, de­ram o me­lhor de si, con­sen­tin­do sa­cri­fí­ci­os, mui­tos dos quais da pró­pria vi­da, pe­la cau­sa dos va­lo­res mais no­bres do Po­vo An­go­la­no."

O Co­man­dan­te-em-Che­fe apro­vei­tou a oca­sião pa­ra rei­te­rar "as mi­nhas vi­vas fe­li­ci­ta­ções aos bra­vos mi­li­ta­res e tra­ba­lha­do­res ci­vis das For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas, au­gu­ran­do mui­ta saú­de e fir­me­za, com a ple­na cer­te­za de que sa­be­rão hon­rar a con­fi­an­ça de­po­si­ta­da, man­ten­do­se per­ma­nen­te­men­te à al­tu­ra da mis­são que lhes foi in­cum­bi­da pois, a Pá­tria, aos seus fi­lhos não im­plo­ra, or­de­na!"

Ce­ri­mó­nia na­ci­o­nal

O mi­nis­tro da De­fe­sa Na­ci­o­nal, Sal­vi­a­no de Je­sus Se­quei­ra “Ki­an­da”, ape­lou, on­tem, aos efec­ti­vos das For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas (FAA) no sen­ti­do de con­ti­nu­a­rem a cum­pri­rem a mis­são de guar­dar o ter­ri­tó­rio e de­fen­der a pá­tria de to­dos os an­go­la­nos.

Sal­vi­a­no de Je­sus Se­quei­ra “Ki­an­da”, que fa­la­va no mu­ni­cí­pio do Am­briz, pro­vín­cia do Ben­go, du­ran­te o ac­to alu­si­vo ao 28º ani­ver­sá­rio das For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas, de­fen­deu que os efec­ti­vos das FAA de­vem cum­prir o com­pro­mis­so que as­su­mi­ram de con­ti­nu­a­rem a ser a “re­ser­va mo­ral do Es­ta­do”.

“Nes­tas cir­cuns­tân­ci­as, os mi­li­ta­res de­vem jun­tar-se aos es­for­ços do Co­man­dan­te­em-Che­fe, João Lourenço, na lu­ta con­tra a cor­rup­ção, ne­po­tis­mo, ba­ju­la­ção, tri­ba­lis­mo, ra­cis­mo e ou­tros ma­les que vêm di­la­ce­ran­do a so­ci­e­da­de an­go­la­na”, dis­se.

O mi­nis­tro da De­fe­sa Na­ci­o­nal re­al­çou que os efec­ti­vos das FAA são o es­cu­do da Na­ção, os guar­diões da paz, da in­de­pen­dên­cia e da in­te­gri­da­de do país. Por es­te fac­to, de­fen­deu, de­vem es­tar sob aler­ta, de­vi­do ao con­tex­to com­ple­xo que é mar­ca­do pe­la in­cer­te­za.

M. MACHANGONG­O | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Sal­vi­a­no de Je­sus Se­quei­ra “Ki­an­da” pre­si­diu o ac­to na­ci­o­nal no mu­ni­cí­pio do Am­briz

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.