MALANJE

Lu­quin­ge sem ser­vi­ços so­ci­ais bá­si­cos

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - Fran­cis­co Cu­rihin­ga­na

O sec­tor do Lu­quin­ge, na co­mu­na do Cu­a­le, mu­ni­cí­pio de Ca­lan­du­la, fi­cou pra­ti­ca­men­te des­po­vo­a­do de­vi­do a di­fi­cul­da­des na cir­cu­la­ção de pes­so­as e bens. O es­ta­do das vi­as de aces­so é pés­si­mo. Des­de a dé­ca­da de 80 que Lu­quin­ge não vê cons­truí­da ne­nhu­ma es­co­la e não re­ce­be pro­fes­so­res. Em bus­ca de me­lho­res con­di­ções, a po­pu­la­ção es­ta­be­le­ceu-se em lo­ca­li­da­des on­de exis­tem ser­vi­ços de saú­de e edu­ca­ção

As pou­cas pes­so­as que per­sis­tem em vi­ver no Lu­quin­ge es­tão iso­la­das de qua­se tu­do. Es­ti­ma-se que des­de a dé­ca­da de 1980 a po­pu­la­ção do Lu­quin­ge dei­xou de ter con­tac­to com a re­a­li­da­de vi­vi­da nou­tras zo­nas que com­põem o mu­ni­cí­pio de Ca­lan­du­la.

O es­ta­do das vi­as de aces­so en­tre a se­de mu­ni­ci­pal e Lu­quin­ge é pés­si­mo. Os úni­cos mei­os uti­li­za­dos pa­ra lo­co­mo­ção são as mo­to­ri­za­das ou bi­ci­cle­tas, mas em pés­si­mas con­di­ções.

A fal­ta de vi­as de aces­so im­pe­de a ins­ta­la­ção de ser­vi­ços li­ga­dos à saú­de e à edu­ca­ção.

O di­rec­tor mu­ni­ci­pal in­te­ri­no da Edu­ca­ção de Ca­lan­du­la, Cé­sar João Cu­di­ban­de­ca, re­ve­la que não é cons­truí­da uma es­co­la no Lu­quin­ge des­de 1980. “Não há es­co­las”, dis­se la­có­ni­co, acres­cen­tan­do que aque­la lo­ca­li­da­de não re­ce­be ne­nhum professor, igual­men­te des­de a dé­ca­da de 1980.

Há dois anos, o ad­mi­nis­tra­dor mu­ni­ci­pal de Ca­lan­du­la, Pedro Se­bas­tião Dem­bue, te­ve de usar mo­to­ri­za­das pa­ra se des­lo­car ao sec­tor do Lu­quin­ge. À nos­sa re­por­ta­gem, re­cor­da que a vi­a­gem foi “um mar­tí­rio”, de­vi­do às su­ces­si­vas que­das du­ran­te o per­cur­so de 45 qui­ló­me­tros.

Fa­ce es­ta si­tu­a­ção, a ad­mi­nis­tra­ção mu­ni­ci­pal co­lo­cou a cons­tru­ção e a re­a­bi­li­ta­ção da via de 45 qui­ló­me­tros en­tre a co­mu­na do Cu­a­le e o sec­tor do Lu­quin­ge no to­po das pri­o­ri­da­des, pa­ra per­mi­tir a ins­ta­la­ção de ser­vi­ços so­ci­ais bá­si­cos na re­gião.

Pedro Se­bas­tião Dem­bue as­se­gu­ra que, nes­te mo­men­to, es­tão a de­cor­rer as obras de re­a­bi­li­ta­ção da es­tra­da que li­ga a se­de mu­ni­ci­pal à co­mu­na do Kin­ge, uma re­gião com for­te po­ten­ci­al de pro­du­ção do ca­fé.

“Os tra­ba­lhos de ter­ra­pla­na­gem dos 32 qui­ló­me­tros de­cor­rem a bom rit­mo. Co­mo re­sul­ta­do, al­guns ca­fei­cul­to­res já co­me­ça­ram a es­co­ar a sua pro­du­ção”, dis­se Pedro Se­bas­tião Dem­bue, que con­si­de­ra “um bálsamo” a re­a­bi­li­ta­ção das vi­as de cir­cu­la­ção.

Fal­ta de con­di­ções afu­gen­ta tu­ris­tas

Ca­lan­du­la, an­ti­ga vi­la Du­que de Bra­gan­ça, no­me atri­buí­do em ho­me­na­gem ao so­be­ra­no por­tu­guês D. Pedro V, co­me­mo­rou, a 2 de Se­tem­bro, o 90º ani­ver­sá­rio da sua fun­da­ção. O mu­ni­cí­pio é uma re­fe­rên­cia em lo­cais tu­rís­ti­cos, que há mui­to dei­xa­ram de re­ce­ber vi­si­tan­tes de­vi­do ao avan­ça­do es­ta­do de de­gra­da­ção das vi­as de aces­so.

“Nos úl­ti­mos anos, hou­ve uma re­du­ção no nú­me­ro de tu­ris­tas que vi­si­tam as Que­das do Mus­se­le­je, Mban­go a Nzen­za, no Ca­te­co Can­go­la, a Me­sa da Rai­nha Njin­ga Mban­de, no Cu­a­le, as Que­das do Ma­ka­tu a Lu­an­do, a 13 qui­ló­me­tros das Que­das de Ca­lan­du­la”, ex­pli­cou o ad­mi­nis­tra­dor mu­ni­ci­pal.

Ape­sar dis­so, Ca­lan­du­la re­ce­be em mé­dia 500 tu­ris­tas, en­tre na­ci­o­nais e es­tran­gei­ros, nos fi­nais-de-se­ma­na pro­lon­ga­dos. A Ad­mi­nis­tra­ção Mu­ni­ci­pal es­tá pre­o­cu­pa­da tam­bém com a cri­a­ção de con­di­ções pa­ra a aco­mo­da­ção dos tu­ris­tas. “Fe­liz­men­te, já há em­pre­sá­ri­os in­te­res­sa­dos em in­ves­tir no nos­so mu­ni­cí­pio, com a cons­tru­ção de in­fra-es­tru­tu­ras pa­ra atrair mais tu­ris­tas”, ga­ran­tiu.

Re­de sa­ni­tá­ria

A as­sis­tên­cia mé­di­ca e me­di­ca­men­to­sa es­tá ga­ran­ti­da na se­de do mu­ni­cí­pio de Ca­lan­du­la. Há me­di­ca­men­tos su­fi­ci­en­tes pa­ra os pa­ci­en­tes que acor­rem di­a­ri­a­men­te ao Hos­pi­tal Mu­ni­ci­pal. A re­por­ta­gem do Jor­nal de An­go­la tes­te­mu­nhou a en­tre­ga de me­di­ca­men­tos for­ne­ci­dos pe­la Agência dos Es­ta­dos Uni­dos pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to (Usaid), des­ti­na­dos ao com­ba­te da ma­lá­ria.

O mu­ni­cí­pio con­ta ain­da com 24 uni­da­des sa­ni­tá­ri­as, dos quais seis cen­tros de saú­de. Das 24 uni­da­des, oi­to dei­xa­ram de fun­ci­o­nar de­vi­do à fal­ta de pes­so­al. A di­rec­to­ra ad­mi­nis­tra­ti­va, Do­min­gas Ma­nu­el, ex­pli­ca que dois a três en­fer­mei­ros ga­ran­tem a as­sis­tên­cia mé­di­ca e me­di­ca­men­to­sa às po­pu­la­ções. A co­mu­na do Co­ta con­ta com um mé­di­co na­ci­o­nal, dos cin­co que o mu­ni­cí­pio dis­põe.

O Hos­pi­tal Mu­ni­ci­pal de Ca­lan­du­la con­ta com vá­ri­os ser­vi­ços, de­sig­na­da­men­te con­sul­tas ex­ter­nas, me­di­ci­na, pe­di­a­tria e con­sul­tas pré­na­tal, en­tre ou­tros. Di­a­ri­a­men­te, são aten­di­das 30 mu­lhe­res grá­vi­das.

Em épo­ca de Ca­cim­bo, são aten­di­das en­tre 60 e 80 cri­an­ças na área de pe­di­a­tria e 50 nas con­sul­tas de me­di­ci­na. Em épo­ca de chu­va, po­dem ser aten­di­dos mais de 500 pa­ci­en­tes, adul­tos e cri­an­ças.

As do­en­ças mais fre­quen­tes na re­gião são a ma­lá­ria, pa­ra­si­to­ses in­tes­ti­nais, ane­mi­as e aci­den­tes de vi­a­ção. Os aci­den­tes de vi­a­ção ocor­rem prin­ci­pal­men­te aos fi­nais-de- se­ma­na, de­vi­do ao ex­ces­so de ve­lo­ci­da­de e o con­su­mo exa­ge­ra­do de be­bi­das al­coó­li­cas.

O Hos­pi­tal Mu­ni­ci­pal de Ca­lan­du­la aten­de igual­men­te do­en­tes pro­ve­ni­en­tes dos mu­ni­cí­pi­os de Ca­cu­so e Mas­san­go e da co­mu­na do Luin­ga, pro­vín­cia do Cu­an­za-Nor­te.

A Ad­mi­nis­tra­ção Mu­ni­ci­pal es­tá pre­o­cu­pa­da com os atra­sos das obras de cons­tru­ção do Blo­co Ope­ra­tó­rio. “Com a con­clu­são des­sas obras, va­mos dei­xar de en­vi­ar do­en­tes pa­ra o Hos­pi­tal de Malanje”, dis­se Do­min­gas Ma­nu­el.

Mi­lha­res de cri­an­ças Fo­ra do sis­te­ma de en­si­no

Ao to­do, 10.436 cri­an­ças es­tão fo­ra do sis­te­ma de en­si­no por in­su­fi­ci­ên­cia de es­co­las no mu­ni­cí­pio de Ca­lan­du­la. Es­te ano, es­tão ins­cri­tos no sis­te­ma nor­mal de en­si­no um to­tal de 18.453 alu­nos, dis­tri­buí­dos por 24 es­co­las de di­ver­sos ní­veis, sen­do 21 pú­bli­cas e seis com­par­ti­ci­pa­das.

O mu­ni­cí­pio de Ca­lan­du­la pos­sui 453 fun­ci­o­ná­ri­os no sec­tor da Edu­ca­ção, en­tre pro­fes­so­res e tra­ba­lha­do­res ad­mi­nis­tra­ti­vos. Cé­sar João Cu­di­ban­de­ca diz se­rem ne­ces­sá­ri­os mais 250 pro­fes­so­res pa­ra sa­tis­fa­zer as ne­ces­si­da­des do mu­ni­cí­pio. O mu­ni­cí­pio de Ca­lan­du­la, com mais de 90 mil ha­bi­tan­tes, é o se­gun­do mais po­pu­lo­so da pro­vín­cia de Malanje. Tem uma ex­ten­são de 7.032 qui­ló­me­tros qua­dra­dos, 474 al­dei­as e 574 au­to­ri­da­des tra­di­ci­o­nais. Con­ta com cin­co co­mu­nas, no­me­a­da­men­te a se­de, Co­ta, Kin­ge, Ca­te­co Can­go­la e Cu­a­le. Além do ca­fé, pro­duz igual­men­te jin­gu­ba, man­di­o­ca, ba­ta­ta-do­ce e re­na, inha­me e ger­ge­lim, en­tre ou­tros.

É li­mi­ta­do a Nor­te pe­los mu­ni­cí­pi­os de Mas­san­go e Al­to Kau­a­le (Uí­ge), a Es­te pe­los mu­ni­cí­pi­os de Ma­rim­ba, Ca­om­bo, Kiwa­ba Nzo­ge e Malanje, a Sul pe­lo mu­ni­cí­pio de Ca­cu­so e a Oes­te pe­los mu­ni­cí­pi­os de Sam­ba Ca­ju e Am­ba­ca (Cu­an­za-Nor­te).

EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Pedro Se­bas­tião Dem­bue

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.