En­tre a re­a­li­da­de e a fan­ta­sia

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

“As reclamaçõe­s são nor­mais, pois, na ver­da­de, nem tu­do foi fei­to”. A fra­se, que ci­ta­mos de me­mó­ria, é do Pre­si­den­te João Lourenço, quan­do da­va re­cen­te­men­te, du­ran­te a sua es­ta­dia em No­va Ior­que pa­ra par­ti­ci­par na As­sem­bleia-Ge­ral da ONU, um pe­que­no de­poi­men­to à im­pren­sa an­go­la­na so­bre os dois anos da sua go­ver­na­ção. O Pre­si­den­te acres­cen­tou, a pro­pó­si­to, que aqui­lo que não foi fei­to em 44 anos de in­de­pen­dên­cia, não po­de­ria ter si­do fei­to em es­cas­sos dois anos.

O po­si­ci­o­na­men­to do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca e che­fe do Go­ver­no po­de e de­ve ser li­do de du­as ma­nei­ras.

A pri­mei­ra no­ta é que man­tém o com­pro­mis­so, ex­pres­so no seu dis­cur­so de em­pos­sa­men­to, há dois anos, de respeitar as opi­niões con­trá­ri­as, as crí­ti­cas e as reclamaçõe­s. Ou se­ja, ele não de­mons­tra ne­nhum es­tres­se, por cau­sa das vo­zes di­ver­gen­tes que se fa­zem ou­vir. É uma ati­tu­de a se­guir por to­dos os po­lí­ti­cos, no po­der ou na opo­si­ção.

A se­gun­da no­ta é que João Lourenço não te­ve receio de con­tra­ri­ar o dis­cur­so de­ma­gó­gi­co e po­pu­lis­ta, que exi­ge a re­so­lu­ção dos in­gen­tes pro­ble­mas na­ci­o­nais da noi­te pa­ra o dia, qua­se com um me­ro es­ta­lar de de­dos. De­mons­trou, as­sim, a sua ver­da­dei­ra es­ta­tu­ra de es­ta­dis­ta. De fac­to, um lí­der é aque­le que sa­be ou­vir as mas­sas, mas não vai a re­bo­que de­las e mui­to me­nos da­que­les que fa­lam em no­me de­las, sem te­rem man­da­to pa­ra fa­zê-lo.

Nos tem­pos que cor­rem, em to­do o mun­do, de cres­cen­te e ge­ne­ra­li­za­da de­ma­go­gia e po­pu­lis­mo, quan­tas ve­zes mis­tu­ra­dos com os sen­ti­men­tos mais bai­xos dos se­res hu­ma­nos – o res­sen­ti­men­to, a vin­gan­ça, o ódio e tan­tos ou­tros -, es­sa co­ra­gem de di­zer aos ci­da­dãos que os pro­ble­mas não se po­dem re­sol­ver em dois anos de­ve ser de­vi­da­men­te exal­ta­da.

É, sem dú­vi­da, um exem­plo a se­guir por al­guns po­lí­ti­cos no po­der que en­tram em pâ­ni­co por qual­quer no­tí­cia ne­ga­ti­va, qual­quer ata­que nas re­des so­ci­ais ou qual­quer re­cla­ma­ção dos ci­da­dãos, per­den­do, as­sim, o fo­co, pa­ra re­sol­ve­rem pau­la­ti­na­men­te os pro­ble­mas que lhes com­pe­te re­sol­ver.

O país vi­ve mo­men­tos di­fí­ceis, sim. Mas é pre­ci­so co­ra­gem pa­ra con­tra­ri­ar a nar­ra­ti­va in­ter­li­ga­da que al­guns pre­ten­dem im­por a to­da a so­ci­e­da­de. Es­sa nar­ra­ti­va é que, su­pos­ta­men­te, não hou­ve quais­quer mu­dan­ças nes­tes dois anos de go­ver­na­ção do Pre­si­den­te João Lourenço e que, mais do que is­so, a ac­tu­al si­tu­a­ção é ale­ga­da­men­te pi­or do que a an­te­ri­or. Is­so – di­ga­mo-lo com to­da a fron­ta­li­da­de - não é ver­da­de.

Qual­quer an­go­la­no ho­nes­to e de boa-fé re­co­nhe­ce as me­lho­ri­as que tem ha­vi­do em di­ver­sas áre­as, do as­se­gu­ra­men­to prá­ti­co dos di­rei­tos, li­ber­da­des e ga­ran­ti­as dos ci­da­dãos às me­lho­ri­as ma­cro-eco­nó­mi­cas, aos sinais de di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia e das ex­por­ta­ções, ao au­men­to do for­ne­ci­men­to de luz e a água, às me­lho­ri­as na saú­de e tan­tos ou­tros.

Os pro­ble­mas que per­sis­tem ain­da são imen­sos e al­ta­men­te com­ple­xos. Mas afir­mar que fo­ram cri­a­dos pe­la ac­tu­al go­ver­na­ção só po­de ter um no­me: de­so­nes­ti­da­de.

Só pa­ra dar dois exem­plos, a ac­tu­al re­ces­são eco­nó­mi­ca - com to­das as su­as con­sequên­ci­as, co­mo o de­sem­pre­go - não sur­giu no fi­nal de 2017, mas já vem des­de 2014, e, quan­to a cer­tas ati­tu­des e prá­ti­cas so­ci­ais, de tão en­rai­za­das, não po­de­ri­am ser trans­for­ma­das em dois anos. Mu­dar a ca­be­ça das pes­so­as – to­das elas - e as su­as prá­ti­cas le­va tem­po.

To­das as pre­vi­sões apon­tam pa­ra o fim da re­ces­são e o iní­cio da re­to­ma eco­nó­mi­ca, em­bo­ra tí­mi­da, pa­ra o pró­xi­mo ano. Se­rá pre­ci­so o tra­ba­lho de to­dos, a co­me­çar pe­lo Go­ver­no, mas tam­bém por to­dos os ci­da­dãos, pa­ra ace­le­rar es­se pro­ces­so com com­pe­tên­cia, es­for­ço, sa­cri­fí­cio, diá­lo­go, ino­va­ção e, so­bre­tu­do, sen­ti­do pa­trió­ti­co e de ur­gên­cia. Co­mo di­zia J.F. Ken­nedy, an­tes de per­gun­tar­mos o que é que o país fez por nós, per­gun­te­mo-nos o que é que nós fi­ze­mos pe­lo país.

“Tra­ba­lho” é, pois, a pa­la­vra-cha­ve. Fi­car em ca­sa não aju­da­rá a re­sol­ver os pro­ble­mas de nin­guém, nem dos in­di­ví­du­os nem do país. Is­so é fan­ta­sia. Os pro­ble­mas exis­tem, sim. As crí­ti­cas e reclamaçõe­s são le­gí­ti­mas e ne­ces­sá­ri­as, é ver­da­de. Mas ten­tar cri­ar de­ses­ta­bi­li­za­ção so­ci­al a pretexto de ma­ni­fes­ta­ções pu­e­ris, con­vo­ca­das a par­tir do “exí­lio dou­ra­do” e cor­rom­pen­do “ma­rim­bon­di­nhos” lo­cais, é uma brin­ca­dei­ra de mau gos­to con­de­na­da ao fra­cas­so.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.