A re­cu­pe­ra­ção eco­nó­mi­ca re­quer von­ta­de e tra­ba­lho

Jornal de Angola - - OPINIÃO - Lu­ci­a­no Ro­cha

Os tem­pos não são fá­ceis pa­ra a mai­o­ria dos an­go­la­nos, que de­vem cons­ci­en­ci­a­li­zar-se que po­dem che­gar ou­tros ain­da mais di­fí­ceis, co­mo a con­jun­tu­ra in­ter­na­ci­o­nal pre­diz. E nós, por cau­sas co­nhe­ci­das, es­ta­re­mos sem­pre em pi­or si­tu­a­ção de os en­fren­tar do que paí­ses mais an­ti­gos e com me­nos fe­ri­das por sa­rar

O es­ta­do em que nos dei­xa­ram es­te país, so­nha­do co­mo da fra­ter­ni­da­de, con­cór­dia, sem en­fa­tu­a­dos, nem de­si­gual­da­des obs­ce­nas, trans­for­ma­do, a da­da al­tu­ra, num ema­ra­nha­do de nós de im­pu­ni­da­de, cau­sa, vol­ta e meia, frus­tra­ção, nem sem­pre fá­cil de ul­tra­pas­sar.

As cri­ses eco­nó­mi­cas, qua­se sem­pre pro­vo­ca­das, co­mo se sa­be, pe­la gu­la dos que mais têm, mas acham sem­pre pou­co, cas­ti­ga in­va­ri­a­vel­men­te os que me­nos pos­su­em e os me­nos cul­pa­dos por elas sur­gi­rem. En­tre nós, a “fór­mu­la” re­pe­tiu-se, no de­ses­pe­ro dos ino­cen­tes e na opu­lên­cia ofen­si­va dos cul­pa­dos, al­guns dos quais com a prer­ro­ga­ti­va de te­rem po­di­do “pôr-se ao fres­co”, dei­xar pa­ra trás o es­ter­co que amon­to­a­ram, con­ti­nu­a­rem a exi­bir, além fron­tei­ras, a far­tu­ra do di­nhei­ro ra­pi­na­do ao erá­rio, pe­los mais va­ri­a­dos mé­to­dos, com as con­sequên­ci­as dra­má­ti­cas que se co­nhe­cem, em to­dos os sec­to­res da vi­da an­go­la­na, sem ex­cep­ções, e da­rem-se à des­ver­go­nha de que­re­rem apre­sen­tar-se, lá no lu­gar on­de es­tão, se­ja ele qual for, co­mo “in­có­lu­mes ar­can­jos” per­se­gui­dos por “ig­no­ran­tes de­mó­ni­os” que não souberam per­ce­ber que nem to­dos nas­cem com o mes­mo des­ti­no e so­men­te uma mi­no­ria de pre­des­ti­na­dos tem di­rei­tos. Tam­bém há os que não lo­gra­ram ir ao en­con­tro das for­tu­nas guar­da­das nos mais di­fe­ren­tes “baús pa­ra­di­sía­cos”, o que não os im­pe­de de, cá den­tro, con­ti­nu­a­rem a an­dar por aí à sol­ta, de na­riz em­pi­na­do, co­mo se to­dos lhes de­ves­sem di­nhei­ro e não fos­sem eles os de­ve­do­res, a le­var “vi­da de lor­des”... nos gas­tos, ra­ra­men­te nas ma­nei­ras que, co­mo o azei­te na água, vêm sem­pre à su­per­fí­cie. Nes­te ca­so, não são fa­ti­o­tas, pul­sei­ras, re­ló­gi­os de ou­ro, ru­bis e di­a­man­tes que as es­con­dem. Es­tes exem­plos da “ga­tu­na­gem de co­la­ri­nho branco”, além de te­rem ar­ras­ta­do a eco­no­mia na­ci­o­nal pa­ra o es­ta­do que se co­nhe­ce, de qua­se ban­car­ro­ta, sus­ci­ta o apa­re­ci­men­to se­gui­do­res, can­di­da­tos a ma­rim­bon­dos, ce­gos e sur­dos aos anún­ci­os de pro­ces­sos ju­di­ci­ais, con­de­na­ções em tri­bu­nal, ex­pec­ta­ti­va de pas­sa­rem a ver sol e lua aos qua­dra­dos.

To­dos es­tes cri­mes de le­sa-pá­tria - pas­sa­dos e pre­sen­tes - têm por ba­se o sen­ti­men­to de im­pu­ni­da­de, ali­cer­ça­do no ne­po­tis­mo, nas di­fe­ren­tes for­mas em que se apre­sen­ta, to­das a abrir ca­mi­nho à cor­rup­ção. O Che­fe de Es­ta­do bem acen­tua, re­pe­ti­da­men­te, a im­por­tân­cia e ur­gên­cia de com­ba­ter es­tes ma­les, mas, às ve­zes, pa­re­ce es­tar a fa­lar pa­ra ce­gos e sur­dos da pi­or es­pé­cie, que são os que não que­rem ver, nem ou­vir. Co­mo se An­go­la não lhes dis­ses­se na­da. Não fos­se as­sim, os com­por­ta­men­tos de al­guns de nós mu­da­vam e, cer­ta­men­te, ha­via, por exem­plo, me­nos ab­sen­tis­mo la­bo­ral, os lo­cais de tra­ba­lho dei­xa­vam de ser pon­tos de pas­sa­gem pa­ra uns qu­an­tos, pe­lo con­trá­rio, pas­sa­vam a ser de en­tre­ga, de to­dos pro­cu­ra­rem, a ca­da ins­tan­te, jus­ti­fi­car o que ganham e re­gres­sa­rem a ca­sa com o sen­ti­men­to de de­ver cum­pri­do, de sa­lá­rio jus­ti­fi­ca­do. Tam­bém de nin­guém acei­tar fun­ções pa­ra as quais não es­tá mi­ni­ma­men­te pre­pa­ra­do. Tal­vez, as­sim, não hou­ves­se tan­to plu­ri­em­pre­go e de­sem­pre­go. Nes­te par­ti­cu­lar, os sin­di­ca­tos, por mo­ti­vos ób­vi­os, têm uma pa­la­vra obri­ga­tó­ria a di­zer.

Os tem­pos não são fá­ceis pa­ra a mai­o­ria dos an­go­la­nos, que de­vem cons­ci­en­ci­a­li­zar-se que po­dem che­gar ou­tros ain­da mais di­fí­ceis, co­mo a con­jun­tu­ra in­ter­na­ci­o­nal pre­diz . E nós, por cau­sas co­nhe­ci­das, es­ta­re­mos sem­pre em pi­or si­tu­a­ção de os en­fren­tar do que paí­ses mais an­ti­gos e com me­nos fe­ri­das por sa­rar. Pe­lo que es­tes di­as, co­mo tam­bém aler­tou o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, em­bo­ra por ou­tras pa­la­vras, é de me­nos pa­leio e mais tra­ba­lho. E, com o de­vi­do res­pei­to, acres­cen­to: de me­nos anún­ci­os e mais ac­ções em prol do bem ge­ral. Tal­vez as­sim, dei­xe de ha­ver ra­zão pa­ra a exis­tên­cia do pro­vér­bio an­ti­go que aler­ta: “va­le mais cair em gra­ça do que ser en­gra­ça­do”. Lá vem, uma vez mais, o ne­po­tis­mo à to­na.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.