De­nun­ci­a­das prá­ti­cas an­ti-con­cor­ren­ci­ais

Re­pre­sen­tan­tes da Au­to­ri­da­de Re­gu­la­do­ra con­si­de­ram re­le­van­te a con­cen­tra­ção de uma es­ma­ga­do­ra quo­ta de mer­ca­do num dos dois ope­ra­do­res

Jornal de Angola - - ECONOMIA - Ana Paulo

O mer­ca­do an­go­la­no das te­le­co­mu­ni­ca­ções es­tá afec­ta­do por prá­ti­cas an­ti­con­cor­ren­ci­ais (par­ci­al­men­te de­fi­ni­das pe­lo abu­so do po­der eco­nó­mi­co), com a con­cen­tra­ção de uma es­ma­ga­do­ra quo­ta de mer­ca­do em ape­nas uma com­pa­nhia, aler­ta­ram, em Lu­an­da, es­pe­ci­a­lis­tas da Au­to­ri­da­de Re­gu­la­do­ra da Con­cor­rên­cia (ARC).

Ao in­ter­vir num se­mi­ná­rio so­bre o “Re­gi­me Ju­rí­di­co da Con­cor­rên­cia” pro­mo­vi­do ter­ça-fei­ra pe­lo Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças, o che­fe de De­par­ta­men­to de In­ves­ti­ga­ção e Con­du­ta da ARC, Edu­ar­do Tcham­ba, con­si­de­rou ha­ver a per­cep­ção que as du­as ope­ra­do­ras ac­ti­vas, a Uni­tel e a Mo­vi­cel, re­par­tem o mer­ca­do em for­ma desigual, o que de­ge­ne­ra nu­ma es­pé­cie de mo­no­pó­lio.

“Na úl­ti­ma no­ta de mer­ca­do de que ti­ve informaçõe­s, uma das ope­ra­do­ras li­de­ra 80 por cen­to da pra­ça e a ou­tra ape­nas 20 por cen­to. Lo­go, é uma quo­ta mui­to desigual, sen­do vi­sí­vel que ape­nas uma de­las do­mi­na o mer­ca­do”, afir­mou Edu­ar­do Tcham­ba.

A con­cor­rên­cia é de­ter­mi­na­da pe­lo pre­ço, quan­ti­da­de e qua­li­da­de do pro­du­to, de on­de resulta a im­por­tân­cia da im­po­si­ção de um con­tro­lo dos pre­ços que não de­pen­da das ope­ra­do­ras, de­fen­deu Edu­ar­do Tcham­ba.

Nes­sa mes­ma acep­ção, o che­fe de De­par­ta­men­to Ju­rí­di­co e do Con­ten­ci­o­so da ARC, Adal­ber­to Cau­aia, de­nun­ci­ou a pre­do­mi­nân­cia de prá­ti­cas an­ti­con­cor­ren­ci­ais no mer­ca­do do for­ne­ci­men­to de pro­du­tos ali­men­ta­res, com in­ci­dên­cia pa­ra a fa­ri­nha de trigo e o fa­bri­co de pão.

Es­sa evo­lu­ção dá-se com a to­ma­da do sec­tor da pas­te­la­ria e pa­ni­fi­ca­ção por pro­du­to­res ou for­ne­ce­do­res de fa­ri­nha de trigo, os quais se per­mi­tem a ope­rar so­bre o pre­ço da ma­té­ria-pri­ma.

Adal­ber­to Cau­aia de­cla­rou que a lei exi­ge pro­ce­di­men­tos con­tra es­sas con­du­tas, em ac­ções ba­se­a­das na per­cep­ção con­cre­ta da evo­lu­ção de ca­da sec­tor .

O res­pon­sá­vel no­tou que, em­bo­ra não hou­ve, até ao mo­men­to, ne­nhum pro­ces­so san­ci­o­na­tó­rio aber­to con­tra prá­ti­cas an­ti-con­cor­ren­ci­ais no sec­tor das te­le­co­mu­ni­ca­ções, há os de ou­tra na­tu­re­za, al­guns dos quais já com de­ci­são fi­nal.

O che­fe do De­par­ta­men­to Ju­rí­di­co e Con­ten­ci­o­so re­ve­lou que a ARC tem em cur­so um pro­ces­so de con­tro­lo de con­cen­tra­ções no sec­tor das te­le­co­mu­ni­ca­ções, bem co­mo ou­tros pro­ces­sos de inqué­ri­to e de es­tu­do pa­ra re­co­men­da­ções.

Além dos pro­ces­sos em cur­so, a ARC tem re­a­li­za­do em si­mul­tâ­neo di­ver­sas ac­ti­vi­da­des, co­mo a ca­pa­ci­ta­ção dos téc­ni­cos, con­tro­lo de no­ti­fi­ca­ções e emis­são de ins­tru­ti­vos in­ter­nos pa­ra tor­nar os pro­ce­di­men­tos e as ac­tu­a­ções mais cla­ras e trans­pa­ren­tes. Re­gras san­ci­o­na­tó­ri­os As mul­tas apli­ca­das aos ope­ra­do­res eco­nó­mi­cos que pra­ti­cam ac­tos an­ti­con­cor­ren­ci­ais va­ri­am de 1,00 a 10 por cen­to do vo­lu­me de ne­gó­ci­os re­la­ti­vo ao exer­cí­cio eco­nó­mi­co an­te­ri­or.

Se­gun­do o es­pe­ci­a­lis­ta Edu­ar­do Tcham­ba, ou­tros ac­tos san­ci­o­na­tó­ri­os são a publicação da san­ção no jor­nal de mai­or cir­cu­la­ção a ex­pen­sas do in­frac­tor e a ex­clu­são da par­ti­ci­pa­ção em pro­ce­di­men­tos de con­tra­ta­ção pú­bli­ca por pe­río­dos de até três anos.

Além dis­so, es­tão pre­vis­tas san­ções pe­cu­niá­ri­as com­pul­só­ri­as por ca­da dia de atra­so, a con­tar da da­ta afi­xa­da na de­li­be­ra­ção, num mon­tan­te que não ex­ce­de os 10 por cen­to da mé­dia diá­ria do vo­lu­me de ne­gó­ci­os do úl­ti­mo ano.

As me­di­das san­ci­o­na­tó­ri­as in­ci­dem, ain­da, so­bre o in­cum­pri­men­to das de­li­be­ra­ções da ARC e a pres­ta­ção de fal­sas informaçõe­s

Na ter­ça-fei­ra, quan­do es­tes fac­tos fo­ram re­ve­la­dos, a ARC anun­ci­ou o cur­so de uma aná­li­se ao pro­jec­to de cons­ti­tui­ção de uma par­ce­ria en­tre a So­ci­e­da­de Na­ci­o­nal de Com­bus­tí­veis de An­go­la (So­nan­gol) e a em­pre­sa pe­tro­lí­fe­ra fran­ce­sa, To­tal An­go­la.

As du­as com­pa­nhi­as pre­ten­dem es­ta­be­le­cer uma ope­ra­ção con­jun­ta no sec­tor lo­gís­ti­co de dis­tri­bui­ção e co­mer­ci­a­li­za­ção dos de­ri­va­dos de pe­tró­leo, dis­se o che­fe de De­par­ta­men­to de Con­tro­lo de Con­cen­tra­ção da ARC, Ino­cên­cio Mu­a­xin­gue.

DR

Mo­men­to em que res­pon­sá­veis da ARC anun­ci­a­vam fac­tos re­le­van­tes do mer­ca­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.