Ney­mar de­fen­de di­rei­to a pri­vi­lé­gi­os pa­ra os cra­ques

Jornal de Angola - - DESPORTO -

Ney­mar acre­di­ta que os me­lho­res jo­ga­do­res de qual­quer equi­pa têm de ter di­rei­to a pri­vi­lé­gi­os. Em con­cen­tra­ção com a se­lec­ção bra­si­lei­ra, em Sin­ga­pu­ra, on­de irá dis­pu­tar um par­ti­cu­lar com o Se­ne­gal, o avan­ça­do do Paris Saint-Ger­main abor­dou o fac­to de o con­si­de­ra­rem um “pro­te­gi­do” de Ti­te, se­lec­ci­o­na­dor do Brasil.

“Es­tou na se­lec­ção vai fa­zer dez anos. Des­de a pri­mei­ra vez que aqui che­guei, sem­pre ti­ve mui­ta res­pon­sa­bi­li­da­de e sem­pre fui um dos prin­ci­pais no­mes, um dos que car­re­ga­vam pra­ti­ca­men­te tu­do às cos­tas. Eu não me es­con­do dis­so. En-quan­to aos crí­ti­cos, ao que o Ti­te dei­xa de fa­zer por mim ou faz, acho que ele faz por to­dos os jo­ga­do­res”, afir­mou o in­ter­na­ci­o­nal ca­na­ri­nho.

Ney­mar apro­vei­tou ain­da pa­ra lem­brar o mo­men­to em que che­gou ao Bar­ce­lo­na, on­de o prin­ci­pal pro­ta­go­nis­ta da equi­pa era Li­o­nel Mes­si.

“Já pas­sei por lu­ga­res que ti­nham jo­ga­do­res com mais no­me do que eu, mais his­tó­ria do que eu, e eu ti­nha que respeitar o que os trei­na­do­res fa­zi­am com ele. No Bar­ce­lo­na, tra­ba­lhei com o Mes­si e ele tem tra­ta­men­to di­fe­ren­te. Por que ele é bo­ni­to? Não. Por­que ele de­ci­de. Ele con­quis­tou aqui­lo. Não es­tou a fa­lar só de mim, es­tou a fa­lar de to­dos os atle­tas que têm tra­ta­men­to di­fe­ren­te. Não es­tou a ser me­nos hu­mil­de, es­tou sim­ples­men­te a ex­pli­car”, fri­sou.

Pa­ra de­pois di­zer: “quan­do um atle­ta de al­to ní­vel atin­ge um ní­vel ele­va­do, con­si­de­ra­do um dos me­lho­res do mun­do, por que não tra­tá-lo de for­ma di­fe­ren­te? Não po­de exis­tir in­ve­ja do res­to da equi­pa”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.