Saú­de men­tal re­quer aten­ção re­do­bra­da das au­to­ri­da­des

An­go­la não es­tá iso­la­da do res­to do mun­do e em to­do o pla­ne­ta os pro­ble­mas da saú­de men­tal são con­si­de­ra­dos pre­o­cu­pan­tes, daí ha­ver mai­or con­tro­lo pa­ra os ca­sos

Jornal de Angola - - SOCIEDADE - Cé­sar An­dré

As cau­sas re­la­ci­o­na­das com a saú­de men­tal em An­go­la, com um ele­va­do ín­di­ce de ca­sos de mor­te por sui­cí­di­os, con­ti­nua a pre­o­cu­par as au­to­ri­da­des sa­ni­tá­ri­as.

Da­dos es­ta­tís­ti­cos do Ser­vi­ço de In­ves­ti­ga­ção Cri­mi­nal (SIC) e do De­par­ta­men­to de Me­di­ci­na Le­gal re­fe­rem que, de 2013 até o pri­mei­ro tri­mes­tre de 2018, fo­ram re­gis­ta­dos cer­ca de 2.500 mor­tes por sui­cí­dio a ní­vel do país.

A co­or­de­na­do­ra na­ci­o­nal do Pro­gra­ma de Saú­de Men­tal e Abu­sos de Subs­tân­ci­as, Mas­so­xi Vi­gá­rio, que avan­çou a in­for­ma­ção ao Jor­nal de An­go­la, dis­se que exis­te ain­da um nú­me­ro de mor­tes por sui­cí­dio que não che­gam ao co­nhe­ci­men­to das au­to­ri­da­des.

Mas­so­xi Vi­gá­rio, que fa­la­va a pro­pó­si­to do Dia Mun­di­al da Saú­de Men­tal, que se as­si­na­la ho­je sob o le­ma “Jun­tos pa­ra a pre­ven­ção do sui­cí­dio”, afir­mou que “te­mos a cons­ci­ên­cia de que es­ses nú­me­ros são os pos­sí­veis de acor­do com a li­mi­ta­ção de re­cur­sos pa­ra se ob­ter mais in­for­ma­ção a res­pei­to”.

A es­pe­ci­a­lis­ta re­co­nhe­ceu não ha­ver co­ber­tu­ra no país de mé­di­cos le­gis­tas, si­tu­a­ção que tor­na di­fí­cil de se ela­bo­rar uma es­ta­tís­ti­ca em ter­mos de mor­te por sui­cí­dio.

Com ba­se nis­so, la­men­tou de que não tem si­do da­do uma aten­ção aos ca­sos li­ga­dos à saú­de men­tal ou do­en­ças men­tais e, en­quan­to não se der so­lu­ção ao ca­so, ha­ve­rá sem­pre pro­ble­mas.

A res­pon­sá­vel ad­mi­tiu, por ou­tro la­do, que An­go­la não es­tá iso­la­da do res­to do mun­do e que em to­do pla­ne­ta, os pro­ble­mas da saú­de men­tal são con­si­de­ra­dos pre­o­cu­pan­tes. Ex­pli­cou que mui­tos paí­ses co­lo­cam es­sa pa­to­lo­gia no gru­po de saú­de pri­o­ri­tá­rio.

A es­pe­ci­a­lis­ta es­pe­ra que os pro­ble­mas de saú­de men­tal em An­go­la de­vem ser en­ca­ra­dos com res­pon­sa­bi­li­da­de e com uma par­ti­cu­lar aten­ção, re­cor­dan­do, que tem acom­pa­nha­do com re­gu­la­ri­da­de nos ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al, a trans­mis­são de ca­sos de vi­o­lên­cia do­més­ti­ca, ho­mi­cí­di­os e até mes­mo de sui­cí­di­os.

De acor­do ain­da com a psi­có­lo­ga clí­ni­ca, os trans­tor­nos men­tais mui­tos des­tes es­tão tam­bém as­so­ci­a­dos ao con­tex­to so­ci­o­e­co­nó­mi­co, abu­so do ál­co­ol, das dro­gas e pe­lo uso de subs­tân­ci­as tó­xi­cas.

Mas­so­xi Vi­gá­rio de­fen­deu, por is­so, a ne­ces­si­da­de de se tra­ba­lhar jun­to das au­to­ri­da­des de di­rei­to pa­ra que a saú­de men­tal em An­go­la se­ja pos­ta num ní­vel de pri­o­ri­da­de, à se­me­lhan­ça do que acon­te­ce com os ca­sos da ma­lá­ria, da tu­ber­cu­lo­se do HIV/Si­da e ou­tras pa­to­lo­gi­as. As es­ta­tís­ti­cas dos úl­ti­mos qua­tro anos in­di­cam um re­gis­to de 85.742 pes­so­as que pas­sa­ram pe­los ser­vi­ços de saú­de men­tal, dis­po­ní­veis em se­te pro­vín­ci­as.

Lu­an­da, Hu­am­bo, Ben­gue­la, Hui­la, Ca­bin­da , Malanje e Cu­ne­ne são as re­giões que cons­tam da re­de in­te­gra­da de ser­vi­ços de saú­de men­tal. Da­dos es­ta­tís­ti­cos so­bre a depressão e ten­ta­ti­va de sui­cí­dio que de­ram en­tra­da na Psi­qui­a­tria de Lu­an­da, du­ran­te os úl­ti­mos três anos, in­di­cam que em 2016 hou­ve o re­gis­to de 2.038 ca­sos, 2017, 2.145, 2018, 2.087 ca­sos.

Em re­la­ção à ten­ta­ti­va de sui­cí­dio, no trié­nio 2016 a 2018, a es­ta­tís­ti­ca apon­ta que em 2016 não hou­ve ne­nhum ca­so, mas em 2017 fo­ram re­gis­ta­dos 83 e em 2018, 165 ocor­rên­ci­as.

Con­se­lho da psi­có­lo­ga

A psi­có­lo­ga clí­ni­ca, Ká­tia Fran­cis­co, re­fe­riu que nas con­sul­tas diá­ri­as tem acon­se­lha­do as pes­so­as a man­te­rem uma me­lhor qua­li­da­de de vi­da, no sen­ti­do de evi­tar per­tur­ba­ções psi­co­ló­gi­cas.

“Por exem­plo, exis­tem aque­las pes­so­as que têm uma ex­pec­ta­ti­va ele­va­da em re­la­ção da­qui­lo que a sua re­a­li­da­de não ofe­re­ce e, ao não se con­ter, en­tram em frus­tra­ção. Nes­ses ca­sos, te­mos pro­cu­ra­do acon­se­lhar a acei­ta­rem a sua con­di­ção. Tam­bém trans­mi­ti­mos no sen­ti­do de ha­ver uma har­mo­nia in­ter­na da­qui­lo que são as su­as ex­pec­ta­ti­vas”, dis­se a es­pe­ci­a­lis­ta.

Ká­tia Fran­cis­co lem­brou que tem pro­cu­ra­do di­a­lo­gar com os pa­ci­en­tes so­bre ques­tões que têm a ver com o per­dão. “Nos di­as de ho­je, as pes­so­as têm di­fi­cul­da­des de per­do­ar, mas, no en­tan­to, per­do­ar tam­bém é uma grande terapia”.

“Nos ca­sos de pes­so­as com in­dí­cio de sui­cí­dio, os pa­ci­en­tes re­ce­bem um tra­ta­men­to de psi­co­lo­gia e tam­bém psi­quiá­tri­co.A ori­en­ta­ção par­te do mo­men­to em que o pa­ci­en­te de­ve cum­prir a te­ra­pêu­ti­ca, des­de o cum­pri­men­to do tra­ta­men­to far­ma­co­ló­gi­co, con­ti­nui­da­de das te­ra­pi­as e um me­lhor ajus­ta­men­to na fa­mí­lia. Tu­do is­so é fun­da­men­tal nes­se pro­ces­so pa­ra o ele­men­to com ten­dên­ci­as de sui­ci­dar­se”, sus­ten­tou.

Lu­an­da, Hu­am­bo, Ben­gue­la, Hui­la, Ca­bin­da, Malanje e Cu­ne­ne são as pro­vín­ci­as que cons­tam da re­de in­te­gra­da de ser­vi­ços de saú­de men­tal

EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Nas con­sul­tas, os pa­ci­en­tes são acon­se­lha­dos a man­ter uma me­lhor qua­li­da­de de vi­da pa­ra evi­tar per­tur­ba­ções psi­co­ló­gi­cas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.