“Pes­so­as ex­pos­tas” di­vi­de de­pu­ta­dos

Par­la­men­ta­res ma­ni­fes­ta­ram, on­tem, pre­o­cu­pa­ções no pon­to re­la­ti­vo às pes­so­as po­li­ti­ca­men­te ex­pos­tas

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - Ade­li­na Iná­cio

A Pro­pos­ta de Lei de Pre­ven­ção e Com­ba­te ao Bran­que­a­men­to de Ca­pi­tais e Fi­nan­ci­a­men­to ao Ter­ro­ris­mo di­vi­diu, on­tem, o Exe­cu­ti­vo e os de­pu­ta­dos à As­sem­bleia Na­ci­o­nal, prin­ci­pal­men­te, na ques­tão re­la­ti­va às pes­so­as po­li­ti­ca­men­te ex­pos­tas. “Pre­ci­sa­mos re­flec­tir e sa­ber quem são os fa­mi­li­a­res de pes­so­as po­li­ti­ca­men­te ex­pos­tas, que de­vem tam­bém ser afec­ta­das por es­ta lei”, su­ge­riu o de­pu­ta­do Da­vid Men­des, da ban­ca­da par­la­men­tar da UNITA.

A Pro­pos­ta de Lei de Pre­ven­ção e Com­ba­te ao Bran­que­a­men­to de Ca­pi­tais e Fi­nan­ci­a­men­to ao Ter­ro­ris­mo e da Pro­li­fe­ra­ção de Ar­mas de Des­trui­ção em Mas­sa di­vi­diu, on­tem, o Exe­cu­ti­vo e os de­pu­ta­dos à As­sem­bleia Na­ci­o­nal, prin­ci­pal­men­te na ques­tão re­la­ti­va às pes­so­as po­li­ti­ca­men­te ex­pos­tas.

O di­plo­ma, que vai à vo­ta­ção fi­nal glo­bal na pró­xi­ma ple­ná­ria do Par­la­men­to, pre­vis­ta ain­da pa­ra es­te mês, foi dis­cu­ti­do, on­tem, na es­pe­ci­a­li­da­de. A Pro­pos­ta de Lei re­fe­re que pes­so­as po­li­ti­ca­men­te ex­pos­tas in­clui, tam­bém, além dos po­lí­ti­cos, de­pu­ta­dos, au­to­ri­da­des re­li­gi­o­sas e os fa­mi­li­a­res des­tes.

Os­val­do dos San­tos, di­rec­tor do De­par­ta­men­to de Con­du­ta Fi­nan­cei­ra do Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la (BNA), ex­pli­cou aos par­la­men­ta­res que as pes­so­as po­li­ti­ca­men­te ex­pos­tas não são, ne­ces­sa­ri­a­men­te, as li­ga­das aos cri­mes ou a prá­ti­cas ilí­ci­tas.

O res­pon­sá­vel do Ban­co Cen­tral de­cla­rou ain­da que aque­les que de­sem­pe­nham car­gos de ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca são sus­cep­tí­veis de prá­ti­ca dos cri­mes pre­vis­tos na Pro­pos­ta de Lei.

Os­val­do dos San­tos dis­se que o que se pre­ten­de com o di­plo­ma é fa­zer-se a ac­tu­a­li­za­ção da Lei em fun­ção das no­vas re­co­men­da­ções. “Não se con­si­de­ra­vam as pes­so­as po­li­ti­ca­men­te ex­pos­tas na­ci­o­nais, mas ago­ra, nas re­co­men­da­ções, pe­de-se que se in­clu­am os na­ci­o­nais, bem co­mo de fa­mi­li­a­res e pes­so­as pró­xi­mas”, es­cla­re­ceu.

O se­cre­tá­rio de Es­ta­do da Jus­ti­ça, Or­lan­do Fer­nan­des, es­cla­re­ceu que não exis­te um fi­gu­ri­no ex­clu­si­vo que se de­ve apli­car aos paí­ses. Or­lan­do Fer­nan­des dis­se que qu­an­do se fa­la de sis­te­ma fi­nan­cei­ro is­so de­ve ser per­ce­bi­do nu­ma ló­gi­ca mais in­ter­na­ci­o­nal do que es­tri­ta­men­te na­ci­o­nal.

Com o di­plo­ma, fri­sou o se­cre­tá­rio de Es­ta­do, o Exe­cu­ti­vo pre­ten­de im­ple­men­tar um sis­te­ma de re­pres­são e pre­ven­ção do bran­que­a­men­to de ca­pi­tais e fi­nan­ci­a­men­to ao ter­ro­ris­mo e da pro­li­fe­ra­ção de ar­mas de des­trui­ção em mas­sa e de­mais cri­mi­na­li­da­de co­ne­xa.

In­cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de?

O de­pu­ta­do João Pin­to, do MPLA, con­si­de­ra in­cons­ti­tu­ci­o­nal a nor­ma que en­glo­ba as fa­mí­li­as e sa­li­en­ta que a ló­gi­ca da nor­ma põe em cau­sa a co­e­são das fa­mí­li­as. João Pin­to cla­ri­fi­cou que o que se pre­ten­de é que ao apro­var um di­plo­ma se­jam sal­va­guar­da­dos os di­rei­tos e se crie um am­bi­en­te de har­mo­nia nas fa­mí­li­as.

O de­pu­ta­do dis­se que exis­tem ma­té­ri­as na pro­pos­ta que es­tão bem co­lo­ca­das, mas que se de­ve dar uma re­dac­ção fi­nal que se con­for­me à Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca. João Pin­to de­fen­de que não se po­de gui­ar por uma lei que pro­cu­ra com­ba­ter o bran­que­a­men­to de ca­pi­tais mas que vi­o­la a Cons­ti­tui­ção. O de­pu­ta­do Nvun­da Sa­lo­com­bo, tam­bém do MPLA, fa­lou so­bre a ques­tão das pes­so­as po­li­ti­ca­men­te ex­pos­tas, ten­do sa­li­en­ta­do que, nou­tras le­gis­la­ções, o con­cei­to de pes­soa po­li­ti­ca­men­te ex­pos­ta tem um pra­zo. “Não é jus­to uma pes­soa que te­nha uma fun­ção du­ran­te de­ter­mi­na­do tem­po fi­que eter­na­men­te co­mo uma pes­soa po­li­ti­ca­men­te ex­pos­ta”, con­si­de­rou.

Da­vid Men­des, da UNITA, é de opi­nião que as au­to­ri­da­des re­li­gi­o­sas não po­dem ser pes­so­as po­li­ti­ca­men­te ex­pos­tas co­mo de­fen­de a Pro­pos­ta de Lei apre­sen­ta­da pe­lo Exe­cu­ti­vo. “Te­mos que ana­li­sar de acor­do com a nos­sa re­a­li­da­de ob­jec­ti­va e os nos­sos con­cei­tos”, de­fen­deu o de­pu­ta­do, pa­ra lo­go a se­guir ques­ti­o­nar: “En­tão, qual­quer pas­tor que tem uma igre­ja é uma pes­soa po­li­ti­ca­men­te ex­pos­ta?”

O de­pu­ta­do do mai­or par­ti­do da opo­si­ção afir­mou que não se po­de apro­var uma lei só pe­lo fac­to de ou­tros paí­ses con­si­de­ra­rem as au­to­ri­da­des re­li­gi­o­sas pes­so­as po­li­ti­ca­men­te ex­pos­tas. “Pre­ci­sa­mos re­flec­tir e sa­ber quem são os fa­mi­li­a­res de pes­so­as po­li­ti­ca­men­te ex­pos­tas que de­vem tam­bém ser afec­ta­das por es­ta lei”, su­ge­riu.

O de­pu­ta­do Lin­do Ber­nar­do Ti­to, da CA­SA-CE, dis­se que na pro­pos­ta cons­tam ques­tões que são con­trá­ri­as à Cons­ti­tui­ção do país. De­fen­deu que se fa­çam al­te­ra­ções pro­fun­das à Pro­pos­ta de Lei apre­sen­ta­da pe­lo Exe­cu­ti­vo.

Qu­an­to à ques­tão das pes­so­as po­li­ti­ca­men­te ex­pos­tas, Lin­do Ti­to dis­se que nem to­das de­vem ser as­sim con­si­de­ra­das. “Nes­ta Pro­pos­ta es­tão agre­ga­dos po­lí­ti­cos e não po­lí­ti­cos, de­ci­so­res e não de­ci­so­res, co­mo pes­so­as po­li­ti­ca­men­te ex­pos­tas”, no­tou o de­pu­ta­do da ter­cei­ra mai­or for­ça po­lí­ti­ca.

“Pre­ci­sa­mos re­flec­tir e sa­ber quem são os fa­mi­li­a­res de pes­so­as po­li­ti­ca­men­te ex­pos­tas que de­vem tam­bém ser afec­ta­das por es­ta lei”, su­ge­riu o de­pu­ta­do Da­vid Men­des

JOÃO GO­MES | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Pro­pos­ta de Lei de ini­ci­a­ti­va do Exe­cu­ti­vo foi dis­cu­ti­da pe­los de­pu­ta­dos à As­sem­bleia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.