600 mi­lhões de dó­la­res pa­ra ter­mi­nal de com­bus­tí­veis

Va­lor da em­prei­ta­da é re­du­zi­do em mais de me­ta­de com no­vo pro­jec­to, pas­san­do pa­ra 600 mi­lhões de dó­la­res

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - Le­o­nel Kas­sa­na

A So­nan­gol e os Emi­ra­dos Ára­bes Uni­dos as­si­na­ram, on­tem, em Lu­an­da, um acor­do pa­ra re­to­mar a cons­tru­ção da ba­se lo­gís­ti­ca de ar­ma­ze­na­men­to de pro­du­tos pe­tro­lí­fe­ros da Bar­ra do Dande, na pro­vín­cia do Ben­go, in­ter­rom­pi­da em 2016, pre­ven­do-se um in­ves­ti­men­to­de600­mi­lhões de dó­la­res na pri­mei­ra fa­se do pro­jec­to.

Um acor­do pa­ra a con­clu­são das obras do Ter­mi­nal Oceâ­ni­co da Bar­ra do Dande, Ben­go, foi as­si­na­do on­tem, em Lu­an­da, en­tre a So­nan­gol e o skeik Ah­med Dal­mo­ok Al Mak­toum, dos Emi­ra­dos Ára­bes Uni­dos, com o que se es­pe­ra um ar­ma­ze­na­men­to de cer­ca de 641.500 me­tros cú­bi­cos de de­ri­va­dos de pe­tró­leo.

Se­gun­do o acor­do, as­si­na­do en­tre o pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da So­nan­gol, Se­bas­tião Gas­par Mar­tins, e o re­pre­sen­tan­te dos Emi­ra­dos, as obras iniciam no pri­mei­ro se­mes­tre do pró­xi­mo ano, de­ven­do fi­car con­cluí­das em 2022, com um cus­to de cer­ca 600 mi­lhões de dó­la­res.

O va­lor é in­fe­ri­or aos cer­ca de 1,5 mil mi­lhões do an­te­ri­or pro­jec­to, ini­ci­a­do pe­la So­nan­gol em 2014, mas pa­ra­li­sa­do dois anos de­pois, de­vi­do à cri­se eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra.

Se­gun­do o di­rec­tor do pro­jec­to, Mau­ro Gra­ça, o ter­mi­nal es­tá exe­cu­ta­do em cer­ca de 20 por cen­to. A pri­mei­ra fa­se do ter­mi­nal te­rá 29 tan­ques pa­ra di­ver­sos de­ri­va­dos, que já es­tão se­mi-ins­ta­la­dos.

O ob­jec­ti­vo do acor­do é a cri­a­ção de uma “joint-ven­tu­re” en­tre a So­nan­gol e no­vos parceiros, a qual se­rá pro­pri­e­tá­ria do ter­mi­nal. “Se­rá es­sa em­pre­sa que vai in­ves­tir o va­lor re­ma­nes­cen­te, pa­ra con­cluir o pro­jec­to e de­pois dar con­ti­nui­da­de à ope­ra­ção e ges­tão”, es­cla­re­ceu, no­tan­do que o ter­re­no on­de es­tá im­plan­ta­do o pro­jec­to es­tá sob o “con­tro­lo to­tal” da pe­tro­lí­fe­ra na­ci­o­nal.

Mau­ro Gra­ça ex­pli­cou que os da­dos dis­po­ní­veis são ain­da pre­li­mi­na­res, pois o ob­jec­ti­vo é re­ver o pro­jec­to, ajus­tá-lo ao con­tex­to ac­tu­al e tor­ná-lo sus­ten­tá­vel, pa­ra que pos­sa ge­rar re­cei­tas pa­ra o Es­ta­do e os ac­ci­o­nis­tas.

A par­ce­ria é con­si­de­ra­da de “gran­de re­le­vân­cia es­tra­té­gi­ca” pa­ra o país, no qua­dro da sus­ten­ta­bi­li­da­de ener­gé­ti­ca na­ci­o­nal e cor­res­pon­de ao es­for­ço do Go­ver­no de pro­cu­ra de no­vos in­ves­ti­do­res in­ter­na­ci­o­nais.

Com a con­clu­são do ter­mi­nal oceâ­ni­co, pre­vêem se ga­nhos, co­mo a eli­mi­na­ção da des­car­ga de com­bus­tí­veis em bar­cos em al­to mar, con­fe­re mai­or se­gu­ran­ça e uma dis­tri­bui­ção mais efi­ci­en­te pa­ra o in­te­ri­or do país, con­si­de­rou Mau­ro Gra­ça.

O di­rec­tor do pro­jec­to re­fe­riu que o fu­tu­ro ter­mi­nal vai dar, igual­men­te, res­pos­ta à le­gis­la­ção vi­gen­te so­bre a re­ser­va es­tra­té­gi­ca pa­ra a se­gu­ran­ça na­ci­o­nal e po­ten­ci­ar o país co­mo um ac­tor im­por­tan­te na re­gião e não só, no ne­gó­cio do ar­ma­ze­na­men­to e ex­por­ta­ção de com­bus­tí­veis.

Com a cons­tru­ção das três re­fi­na­ri­as em An­go­la, vai au­men­tar a ca­pa­ci­da­de de de­ri­va­dos do país, que “po­dem ser ar­ma­ze­na­dos e ex­por­ta­dos a par­tir do ter­mi­nal pa­ra a re­gião e ou­tras par­tes do mun­do”.

A se­gun­da fa­se do pro­jec­to de­pen­de­rá dos re­sul­ta­dos dos es­tu­dos do mer­ca­do lo­cal e re­gi­o­nal, mas Mau­ro Gra­ça es­cla­re­ceu que se pre­vê a sua ex­pan­são pa­ra até 1,7 mi­lhões de me­tros cú­bi­cos de de­ri­va­dos de pe­tró­leo.

PAU­LO MULAZA | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da So­nan­gol (à di­rei­ta) e o sheik Ah­med Al Mak­toum

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.