O ac­ti­vis­ta cí­vi­co, a lu­ta con­tra a cor­rup­ção e a Cons­ti­tui­ção de An­go­la

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

Mui­tos ho­mens e mu­lhe­res lu­ta­ram e lu­tam no mun­do pe­la jus­ti­ça e pe­la dig­ni­da­de da pes­soa hu­ma­na. Es­ses ho­mens e mu­lhe­res que ou­sa­ram e ou­sam opor-se às in­jus­ti­ças não te­mem os maus tra­tos de au­to­ri­da­des re­pres­si­vas e não ra­ras ve­zes pa­gam com a vi­da a sua op­ção pe­la de­fe­sa de mi­lhões de pes­so­as.

A co­ra­gem da­que­les que, mes­mo sa­ben­do que cor­rem ris­cos de di­ver­sa na­tu­re­za, de­nun­ci­am ac­ções pra­ti­ca­das por go­ver­nan­tes que en­ve­re­dam por ac­tos le­si­vos dos in­te­res­ses do Es­ta­do, pa­ra sa­tis­fa­zer in­te­res­ses par­ti­cu­la­res, é me­re­ce­do­ra do nos­so re­co­nhe­ci­men­to.

O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, João Lou­ren­ço, des­ta­cou na cerimónia de ho­me­na­gem a an­go­la­nos e es­tran­gei­ros que se des­ta­ca­ram em di­ver­sas áre­as, o pa­pel de­sem­pe­nha­do pe­lo ac­ti­vis­ta cí­vi­co Ra­fa­el Mar­ques, que, de for­ma per­sis­ten­te, de­nun­ci­a­va ac­tos de cor­rup­ção pra­ti­ca­dos por go­ver­nan­tes que não es­ta­vam in­te­res­sa­dos em com­ba­ter prá­ti­cas que pre­ju­di­ca­vam to­da uma Na­ção, pre­fe­rin­do ati­rar pa­ra as ca­dei­as pes­so­as que eram ver­da­dei­ra­men­te pa­tri­o­tas e que se opu­nham à in­jus­ti­ça e ao en­ri­que­ci­men­to ilí­ci­to.

Ra­fa­el Mar­ques, tam­bém jor­na­lis­ta, é da­que­las pes­so­as que em An­go­la foi ví­ti­ma de maus tra­tos, por exer­cer a li­ber­da­de de im­pren­sa, con­sa­gra­da na Cons­ti­tui­ção de An­go­la, mas des­res­pei­ta­da por quem de­ti­nha o po­der po­lí­ti­co. Ra­fa­el Mar­ques per­deu o me­do pa­ra en­fren­tar pes­so­as po­de­ro­sas que se di­zi­am de­mo­cra­tas, ten­do pre­fe­ri­do so­frer em pri­sões a de­sis­tir da sua cau­sa. Ra­fa­el Mar­ques es­ta­va con­vic­to de que a sua ac­ção co­mo ac­ti­vis­ta cí­vi­co e jor­na­lis­ta po­de­ria con­tri­buir pa­ra ter­mos um país me­lhor, em que se res­pei­tas­sem os di­rei­tos e li­ber­da­des fun­da­men­tais.

Vi­vía­mos num país com uma Cons­ti­tui­ção que pro­cla­ma­va o Es­ta­do de­mo­crá­ti­co de di­rei­to, mas em que exis­ti­am go­ver­nan­tes que eram ex­tre­ma­men­te in­to­le­ran­tes e que re­pri­mi­am fe­roz­men­te as pes­so­as que ti­nham opi­niões di­fe­ren­tes das su­as.

Fe­liz­men­te a mal­da­de não é eter­na, e pu­de­mos ou­vir on­tem, com mui­ta sa­tis­fa­ção, as pa­la­vras do Pre­si­den­te João Lou­ren­ço, qu­an­do se re­fe­ria aos fei­tos de Ra­fa­el Mar­ques, al­guém que, se­gun­do o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, “des­de mui­to ce­do te­ve a co­ra­gem de com­ba­ter a cor­rup­ção cres­cen­te que aca­bou por se en­rai­zar na nos­sa so­ci­e­da­de” e que “abra­çou a ban­dei­ra da lu­ta con­tra o sa­que de­sen­fre­a­do do erá­rio(...)”.

O Es­ta­do, ao ho­me­na­ge­ar Ra­fa­el Mar­ques, que ga­nhou prémios in­ter­na­ci­o­nais pe­la sua en­tre­ga à de­fe­sa dos di­rei­tos hu­ma­nos, pre­ten­deu fa­zer jus­ti­ça a um ho­mem que era in­can­sá­vel na pro­tec­ção dos mais fra­cos e na de­fe­sa do in­te­res­se pú­bli­co. Nós, jor­na­lis­tas an­go­la­nos, de­ve­mo-nos sen­tir or­gu­lho­sos de ter um co­le­ga da di­men­são de Ra­fa­el Mar­ques e de­ve­mos na nos­sa prá­ti­ca diá­ria, por via da im­pren­sa, lu­tar per­ma­nen­te­men­te pa­ra que os di­rei­tos e li­ber­da­des fun­da­men­tais não se­jam ame­a­ça­das por quem quer que se­ja. A li­ber­da­de de im­pren­sa é con­si­de­ra­da o ga­ran­te de ou­tras li­ber­da­des fun­da­men­tais .

Im­por­ta re­cor­dar o que diz o ar­ti­go 40º, nú­me­ro 1, da nos­sa Cons­ti­tui­ção: “To­dos têm o di­rei­to de ex­pri­mir, di­vul­gar e com­par­ti­lhar li­vre­men­te os seus pen­sa­men­tos, as su­as idei­as e opi­niões, pe­la pa­la­vra, ima­gem ou qual­quer ou­tro meio, bem co­mo o di­rei­to e a li­ber­da­de de in­for­mar, de se in­for­mar e de ser in­for­ma­do, sem im­pe­di­men­tos nem dis­cri­mi­na­ções”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.