CAR­TAS DOS LEI­TO­RES

Jornal de Angola - - OPINIÃO - mui­tas ale­gri­as aos an­go­la­nos. GERVÁSIO AN­TÓ­NIO Mar­çal

Se­lec­ção de sub -17

Acom­pa­nhei to­dos os jo­gos que a nos­sa se­lec­ção de sub-17 efec­tu­ou no mun­di­al de fu­te­bol des­sa ca­te­go­ria e gos­tei imen­so de ver as exi­bi­ções dos nos­sos pa­lan­qui­nhas. Os jo­vens jo­ga­do­res que es­ti­ve­ram no mun­di­al do Bra­sil po­dem vir a tor­nar-se, se fo­rem bem acom­pa­nha­dos, em gran­des fu­te­bo­lis­tas ao ní­vel de Áfri­ca, e acre­di­to que um dia hão-de aju­dar a se­lec­ção sé­ni­or a pra­ti­car fu­te­bol de al­tís­si­mo ní­vel. Era bom que Pe­dro Gon­çal­ves, o trei­na­dor dos sub-17, con­ti­nu­as­se a tra­ba­lhar com es­ses jo­ga­do­res que no Bra­sil sus­ci­ta­ram a ad­mi­ra­ção de téc­ni­cos e de jor­na­lis­tas des­por­ti­vos. Os que in­te­gra­ram a se­lec­ção de sub-17 são ain­da mui­to jo­vens e te­nho es­pe­ran­ça de que ve­nham a me­lho­rar ain­da mais, pa­ra bem do fu­te­bol an­go­la­no. Es­pe­ro tam­bém que al­guns dos jo­ga­do­res da se­lec­ção de sub-17 ve­nham a jo­gar em gran­des equi­pas de fu­te­bol, pa­ra ad­qui­ri­rem mais com­pe­tên­ci­as. Qu­e­ro que um dia An­go­la te­nha uma for­te se­lec­ção sé­ni­or. Que se pres­te mui­ta aten­ção aos ac­tu­ais jo­ga­do­res de sub-17. Eles de­vem me­re­cer to­do o nos­so ca­ri­nho. Os jo­gos que efec­tu­a­ram no mun­di­al deu pa­ra per­ce­ber que eles po­dem ir mui­to lon­ge. Jo­ga­do­res co­mo Zi­to Lu­vum­bo, Zi­ni e Ca­pi­ta po­dem vir um dia a dar

Re­cei­tas dos mer­ca­dos

Em mui­tos mer­ca­dos de Lu­an­da co­bram-se ta­xas às pes­so­as que ne­les co­mer­ci­a­li­zam di­ver­sos pro­du­tos. Não sei se a co­bran­ça des­sas ta­xas são per­mi­ti­das por lei, mas, de qual­quer mo­do, era bom sa­ber do des­ti­no que é da­do ao di­nhei­ro que é ar­re­ca­da­do. Se a co­bran­ça das ta­xas são le­gais, sou da opi­nião de que o pro­du­to da co­bran­ça de­via ser­vir pa­ra me­lho­rar as con­di­ções dos ven­de­do­res dos mer­ca­dos. Te­nho co­nhe­ci­men­to de que mui­tos mer­ca­dos, em que se co­bram ta­xas, não têm se­quer ca­sas de ba­nho e sa­be-se que os ven­de­do­res ne­les per­ma­ne­cem mui­tas ho­ras e que por eles pas­sam di­a­ri­a­men­te mui­tas cen­te­nas de com­pra­do­res. A co­bran­ça de ta­xas nos mer­ca­dos de­via im­pli­car uma con­tra­par­ti­da a ser as­se­gu­ra­da por quem as co­bra. Quem co­bra ta­xa nos mer­ca­dos de­via as­se­gu­rar em con­tra­par­ti­da me­lho­res con­di­ções nos mer­ca­dos. Já ago­ra, era bom que, em no­me da trans­pa­rên­cia, se sou­bes­se qu­an­to di­nhei­ro se ar­re­ca­da anu­al­men­te nos mer­ca­dos de Lu­an­da. A co­bran­ça de ta­xas em mer­ca­dos si­tu­a­dos em mu­ni­cí­pi­os é uma prá­ti­ca an­ti­ga, e os con­tri­buin­tes que as pa­gam têm o di­rei­to de sa­ber o que é fei­to do di­nhei­ro que dão a pes­so­as que as co­bram em no­me das ad­mi­nis­tra­ções mu­ni­ci­pais. MADALENA VASCO Cas­se­quel

Per­dão de ju­ros

Sou­be que o Ban­co de Pou­pan­ça e Cré­di­to (BPC) vai per­do­ar os ju­ros das dí­vi­das dos de­ve­do­res, ten­do de­ci­di­do ne­go­ci­ar com es­tes, ten­do em con­ta as di­fi­cul­da­des que mui­tos de­les têm de os pa­gar. Pen­so que, pe­ran­te uma car­tei­ra de cré­di­to mal pa­ra­do que atin­ge ele­va­dos mon­tan­tes, o BPC pre­ten­de ao me­nos re­cu­pe­rar o ca­pi­tal. Cos­tu­ma­se di­zer que “mais va­le um pás­sa­ro na mão do que dois a vo­ar.” A de­ci­são do BPC po­de le­var os de­ve­do­res a pa­gar mais ra­pi­da­men­te o que de­vem já sem ju­ros. Que os er­ros co­me­ti­dos no pas­sa­do não se re­pi­tam ao ní­vel da con­ces­são de cré­di­tos, mui­tos de­les con­ce­di­dos sem ga­ran­ti­as. O BPC é um ban­co pú­bli­co e é pre­ci­so ge­rir bem o di­nhei­ro dos con­tri­buin­tes. JE­SUS PANZO Bair­ro Ope­rá­rio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.