Ma­cron diz que OTAN es­tá em “mor­te ce­re­bral”

Pre­si­den­te fran­cês cri­ti­ca fal­ta de co­or­de­na­ção es­tra­té­gi­ca en­tre Es­ta­dos Uni­dos e parceiros nu­ma al­tu­ra em que a Tur­quia, ou­tro ali­a­do, de­mons­tra “com­por­ta­men­to pre­o­cu­pan­te”

Jornal de Angola - - MUNDO -

O Pre­si­den­te de Fran­ça, Em­ma­nu­el Ma­cron, aler­tou, on­tem, que a or­ga­ni­za­ção de de­fe­sa que jun­ta a Eu­ro­pa e os Es­ta­dos Uni­dos, OTAN, es­tá em “mor­te ce­re­bral” de­vi­do ao afas­ta­men­to dos EUA e com­por­ta­men­to da Tur­quia.

Nu­ma en­tre­vis­ta pu­bli­ca­da pe­la re­vis­ta The Eco­no­mist, Em­ma­nu­el Ma­cron de­fen­deu ser fun­da­men­tal “cla­ri­fi­car os ob­jec­ti­vos es­tra­té­gi­cos da NATO”, re­fe­rin­do a ne­ces­si­da­de de “mus­cu­lar a de­fe­sa da Eu­ro­pa”.

Os lí­de­res da Or­ga­ni­za­ção do Tra­ta­do do Atlân­ti­co Nor­te (OTAN), cri­a­da, em 1949, pa­ra pro­mo­ver a de­fe­sa mú­tua con­tra um ata­que por qual­quer en­ti­da­de ex­ter­na à or­ga­ni­za­ção, vão reu­nir-se, em Lon­dres, no iní­cio de De­zem­bro.

“Não há qual­quer co­or­de­na­ção das de­ci­sões es­tra­té­gi­cas en­tre os Es­ta­dos Uni­dos e os parceiros da OTAN e es­ta­mos a tes­te­mu­nhar uma agres­são fei­ta por ou­tro par­cei­ro, a Tur­quia, nu­ma área em que os nos­sos in­te­res­ses es­tão em jo­go”, su­bli­nhou o Pre­si­den­te fran­cês.

“O que acon­te­ceu é um enor­me pro­ble­ma pa­ra a OTAN”. A Tur­quia lan­çou, a 9 de Ou­tu­bro, uma ofen­si­va con­tra a mi­lí­cia cur­do-sí­ria Uni­da­des de Pro­tec­ção Po­pu­lar (YPG), que con­si­de­ra ter­ro­ris­ta, mas que foi apoi­a­da pe­los paí­ses oci­den­tais na lu­ta con­tra o gru­po 'jiha­dis­ta' Es­ta­do Is­lâ­mi­co.

A ofen­si­va acon­te­ceu pou­cos di­as de­pois de os Es­ta­dos Uni­dos se te­rem re­ti­ra­do da re­gião, ten­do a Rús­sia, prin­ci­pal ali­a­do de Da­mas­co, aca­ba­do por se po­si­ci­o­nar co­mo ár­bi­tro en­tre a Tur­quia e a Sí­ria.

O con­fli­to foi dis­cu­ti­do nu­ma reu­nião dos mi­nis­tros da De­fe­sa dos Ali­a­dos, em 25 de Ou­tu­bro, sen­do que a Tur­quia fi­cou iso­la­da e os Es­ta­dos Uni­dos fo­ram par­ti­cu­lar­men­te crí­ti­cos.

Na en­tre­vis­ta pu­bli­ca­da on­tem, o Che­fe de Es­ta­do fran­cês ques­ti­o­na o fu­tu­ro do ar­ti­go 5º do Tra­ta­do do Atlân­ti­co Nor­te, que pre­vê a so­li­da­ri­e­da­de mi­li­tar en­tre os mem­bros da OTAN se um de­les for ata­ca­do.

“Co­mo fun­ci­o­na­rá o ar­ti­go 5º no fu­tu­ro? Se o re­gi­me de Bashar al-As­sad de­ci­dir re­ta­li­ar con­tra a Tur­quia, (os Es­ta­dos da OTAN) en­vol­vem-se? Is­to é uma ques­tão re­al”, dis­se Em­ma­nu­el Ma­cron.

“Es­ta­mos em­pe­nha­dos em com­ba­ter o Da­esh (acró­ni­mo ára­be do gru­po ex­tre­mis­ta do Es­ta­do Is­lâ­mi­co). O pa­ra­do­xo é que a de­ci­são dos EUA e a ofen­si­va tur­ca têm, em am­bos os ca­sos, um mes­mo re­sul­ta­do: o sa­cri­fí­cio dos nos­sos parceiros no ter­re­no, que se ba­te­ram con­tra o Da­esh, as For­ças De­mo­crá­ti­cas da Sí­ria (FDS)”, aler­tou.

As FDS, do­mi­na­das por com­ba­ten­tes cur­dos, fo­ram apoi­a­das por uma co­li­ga­ção in­ter­na­ci­o­nal li­de­ra­da pe­los Es­ta­dos Uni­dos no com­ba­te ao Es­ta­do Is­lâ­mi­co, an­tes da re­cen­te re­ti­ra­da dos nor­te-ame­ri­ca­nos da Sí­ria.

Is­to, pa­ra o Pre­si­den­te fran­cês, tor­na ain­da “mais es­sen­ci­al uma Eu­ro­pa da de­fe­sa - uma Eu­ro­pa que de­ve do­tar-se de au­to­no­mia es­tra­té­gi­ca e mi­li­tar - e, por ou­tro la­do, mos­tra a ne­ces­si­da­de de re­a­brir um diá­lo­go es­tra­té­gi­co, sem in­ge­nui­da­de, com a Rús­sia”, dis­se.

“O Pre­si­den­te [nor­te-ame­ri­ca­no, Do­nald] Trump, por quem te­nho res­pei­to, co­lo­ca a ques­tão de a OTAN ser um pro­jec­to co­mer­ci­al. Se­gun­do diz, é um pro­jec­to em que os Es­ta­dos Uni­dos fun­ci­o­nam co­mo um guar­da-chu­va ge­o­po­lí­ti­co, mas em que exi­gem, em con­tra­par­ti­da, uma ex­clu­si­vi­da­de co­mer­ci­al, é uma ra­zão pa­ra com­prar [ar­ti­gos] nor­te-ame­ri­ca­nos. A Fran­ça não as­si­nou [o tra­ta­do] pa­ra is­so”, aler­tou.

O Pre­si­den­te fran­cês ad­mi­tiu ain­da es­tar alar­ma­do com a “ex­tra­or­di­ná­ria fra­gi­li­da­de da Eu­ro­pa”, afir­man­do que es­ta “de­sa­pa­re­ce­rá” se não “se con­si­de­rar co­mo uma po­tên­cia no mun­do”.

“Não qu­e­ro dra­ma­ti­zar, pro­cu­ro ser lú­ci­do”, su­bli­nhou, apon­tan­do três gran­des ris­cos pa­ra a Eu­ro­pa: “es­que­cer-se de que é uma co­mu­ni­da­de”, o “de­sa­li­nha­men­to” da po­lí­ti­ca nor­te-ame­ri­ca­na em re­la­ção ao pro­jec­to eu­ro­peu e o sur­gi­men­to da Chi­na co­mo po­tên­cia “que, cla­ra­men­te, mar­gi­na­li­za a Eu­ro­pa”.

“Du­ran­te 70 anos, ad­mi­nis­trá­mos um pe­que­no mi­la­gre ge­o­po­lí­ti­co, his­tó­ri­co e ci­vi­li­za­ci­o­nal: uma equa­ção po­lí­ti­ca sem he­ge­mo­nia que per­mi­tiu a paz. (...) Mas ho­je há uma sé­rie de fe­nó­me­nos que nos co­lo­cam à bei­ra do pre­ci­pí­cio”, su­bli­nhou Ma­cron, que tam­bém con­si­de­ra que a União Eu­ro­peia se es­tá a es­vair com o 'Bre­xit'”.

O Pre­si­den­te fran­cês acre­di­ta que “a Eu­ro­pa se es­que­ceu que é uma co­mu­ni­da­de e vê-se, ca­da vez mais, co­mo um mer­ca­do em ex­pan­são”, o que, pa­ra Ma­cron, cor­res­pon­de a um “pro­fun­do fra­cas­so” por­que es­sa vi­são “es­tá a re­du­zir o al­can­ce po­lí­ti­co do pro­jec­to des­de os anos 90”.

DR

Em­ma­nu­el Ma­cron alar­ma­do com a “fra­gi­li­da­de da Eu­ro­pa”, sem a aju­da dos EUA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.