Bom­bei­ros mor­re­ram ao ten­tar sal­var vi­das

Jornal de Angola - - SOCIEDADE - Manuela Go­mes Edi­val­do Cris­tó­vão

Dois efec­ti­vos do Ser­vi­ço de Pro­tec­ção Ci­vil e Bom­bei­ros da pro­vín­cia do Namibe mor­re­ram, on­tem, em con­sequên­cia de um aci­den­te de vi­a­ção qu­an­do a vi­a­tu­ra tan­que que os trans­por­ta­va, pa­ra acu­dir a uma ocor­rên­cia, co­li­diu com uma car­ri­nha, na ci­da­de de Mo­çâ­me­des.

A An­gop apu­rou no lo­cal que, o car­ro dos Bom­bei­ros, com se­te efec­ti­vos, se­guia em di­rec­ção ao bair­ro 5 de Abril, pa­ra aten­der a uma cha­ma­da pa­ra ex­tin­ção de um in­cên­dio, mas aca­bou por co­li­dir con­tra uma vi­a­tu­ra e, de se­gui­da, des­pis­tou in­do em­ba­ter con­tra o edi­fí­cio do Co­fre de Pre­vi­dên­cia da Po­lí­cia Na­ci­o­nal.

De­vi­do ao for­te im­pac­to do em­ba­te, as pa­re­des do edi­fí­cio do Co­fre de Pre­vi­dên­cia da Po­lí­cia Na­ci­o­nal de­sa­ba­ram por ci­ma da vi­a­tu­ra tan­que dos Bom­bei­ros, ten­do cau­sa­do a mor­te ime­di­a­ta a dois dos ocu­pan­tes que fi­ca­ram en­car­ce­ra­dos nas fer­ra­gens do car­ro.

As ví­ti­mas ain­da fo­ram so­cor­ri­das por po­pu­la­res e mais tar­de por co­le­gas da cor­po­ra­ção, mas não re­sis­ti­ram aos fe­ri­men­tos e fa­le­ce­ram ain­da an­tes do res­ga­te.

Tes­te­mu­nhas afir­ma­ram à An­gop que o mo­to­ris­ta da car­ri­nha não res­pei­tou as si­re­nes dos Bom­bei­ros, nem cum­priu com o Có­di­go de Es­tra­da, que dá pri­o­ri­da­de em ca­so de emer­gên­cia, fac­to que es­te­ve na ori­gem do aci­den­te de vi­a­ção.

Um mem­bro da equi­pa dos Bom­bei­ros, vi­si­vel­men­te emo­ci­o­na­do, la­men­tou o fac­to de as ví­ti­mas mor­re­rem qu­an­do cum­pri­am uma mis­são de sal­var vi­das.

Os ou­tros cin­co bom­bei­ros fe­ri­dos, as­sim co­mo os dois ocu­pan­tes da car­ri­nha, de­ram en­tra­da no Hos­pi­tal Ngo­la Kim­ban­da, on­de es­tão a re­ce­ber tra­ta­men­to mé­di­co.

A mé­di­ca do Hos­pi­tal Ngo­la Kim­ban­da, He­le­na An­de in­for­mou à An­gop, que os fe­ri­dos es­tão es­tá­veis, ape­nas um pa­ci­en­te do Cor­po de Bom­bei­ros en­con­tra-se na sa­la de ci­rur­gia.

An­go­la, co­mo par­te sig­na­tá­ria do Pro­to­co­lo de Mon­tre­al, de­fen­de um mai­or con­tro­lo da en­tra­da, uso e con­su­mo das subs­tân­ci­as des­trui­do­ras da ca­ma­da de ozo­no, a par­tir do re­for­ço no con­tro­lo das fron­tei­ras, das al­fân­de­gas, Po­lí­cia de Guar­da Fron­tei­ra, bem co­mo o uso de al­ter­na­ti­vas com bai­xo po­ten­ci­al de aque­ci­men­to.

As subs­tân­ci­as des­trui­do­ras da ca­ma­da de ozo­no são uti­li­za­das na re­fri­ge­ra­ção do­més­ti­ca, co­mer­ci­al, in­dus­tri­al e au­to­mo­ti­va, na pro­du­ção de es­pu­mas, na agri­cul­tu­ra e em la­bo­ra­tó­ri­os in­dus­tri­ais.

A po­si­ção de An­go­la foi apre­sen­ta­da on­tem, em Ro­ma, ca­pi­tal da Itá­lia, pe­lo se­cre­tá­rio de Es­ta­do do Am­bi­en­te, du­ran­te a 31ª reu­nião das par­tes do Pro­to­co­lo de Mon­tre­al, que reu­niu mais de 100 mi­nis­tros e se­cre­tá­ri­os de Es­ta­do do Am­bi­en­te.

Joaquim Ma­nu­el re­co­nhe­ceu que es­ta ac­ti­vi­da­de de con­tro­lo se com­ple­men­ta com ou­tras ini­ci­a­ti­vas do Go­ver­no an­go­la­no que adop­ta ac­ti­vi­da­des eco­nó­mi­cas, pa­ra ques­tões li­ga­das às al­te­ra­ções cli­má­ti­cas e à sus­ten­ta­bi­li­da­de no uso dos re­cur­sos na­tu­rais re­no­vá­veis.

A 31ª reu­nião das par­tes do Pro­to­co­lo de Mon­tre­al, que ho­je en­cer­ra, ana­li­sou o grau de im­ple­men­ta­ção do do­cu­men­to nos paí­ses sig­na­tá­ri­os e for­mas mais efi­ci­en­tes de con­tro­lo da mo­vi­men­ta­ção das subs­tân­ci­as des­trui­do­ras da ca­ma­da de ozo­no e al­ter­na­ti­vas.

Os paí­ses mem­bros do Pro­to­co­lo de Mon­tre­al pe­dem o for­ta­le­ci­men­to da co­o­pe­ra­ção e co­or­de­na­ção en­tre go­ver­nos, agên­ci­as es­pe­ci­a­li­za­das das Na­ções Uni­das, ini­ci­a­ti­vas pú­bli­cas, pri­va­das e ou­tras par­tes in­te­res­sa­das pa­ra a re­du­ção do uso de subs­tân­ci­as con­tro­la­das pe­lo pro­to­co­lo, con­tri­buin­do pa­ra o cor­te da per­da e des­per­dí­cio de ali­men­tos.

O an­seio vem ex­pres­so nu­ma de­cla­ra­ção adop­ta­da, em Ro­ma, ca­pi­tal da Itá­lia, pe­los Es­ta­dos mem­bros, du­ran­te a 31ª reu­nião das par­tes do Pro­to­co­lo de Mon­tre­al en­cer­ra­da on­tem.

A de­cla­ra­ção cha­ma a aten­ção so­bre as per­das de ali­men­tos pro­du­zi­dos glo­bal­men­te, pa­ra con­su­mo hu­ma­no “o que tem gra­ves im­pac­tos no ren­di­men­to dos agri­cul­to­res e re­cur­sos pre­ci­o­sos, co­mo ter­ra, água e ener­gia, e ge­ra ga­ses de efei­to es­tu­fa.”

As par­tes re­a­fir­ma­ram ain­da a co­o­pe­ra­ção en­tre os paí­ses na im­ple­men­ta­ção do Pro­to­co­lo de Mon­tre­al e re­co­nhe­cem que a emen­da de Ki­ga­li au­men­tou a cons­ci­en­ci­a­li­za­ção so­bre a ne­ces­si­da­de de de­sen­vol­ver-se so­lu­ções sus­ten­tá­veis e efi­ci­en­tes no sec­tor de re­fri­ge­ra­ção e ar-con­di­ci­o­na­do, pa­ra aten­der à de­man­da fu­tu­ra de re­fri­ge­ra­ção.

Ci­en­tes do pa­pel fun­da­men­tal da ca­deia de frio, na im­ple­men­ta­ção da Agen­da 2030 pa­ra o fim da fo­me, po­bre­za, se­gu­ran­ça ali­men­tar, me­lho­ria da nu­tri­ção, ac­ção cli­má­ti­ca, agri­cul­tu­ra sus­ten­tá­vel e pes­ca, en­fa­ti­zam a im­por­tân­cia de bus­car-se uma ac­ção na­ci­o­nal e co­o­pe­ra­ção in­ter­na­ci­o­nal, pa­ra pro­mo­ver o de­sen­vol­vi­men­to da ca­deia de frio, in­cluin­do o uso de re­fri­ge­ra­ção sus­ten­tá­vel e am­bi­en­tal­men­te ami­gá­vel.

Res­sal­ta­ram tam­bém os múl­ti­plos be­ne­fí­ci­os na pro­mo­ção do in­ter­câm­bio de in­for­ma­ções e con­tri­bui­ção da ca­deia de frio.

A mi­nis­tra de Es­ta­do pa­ra a Área So­ci­al re­co­men­dou on­tem, em Lu­an­da, aos pro­fis­si­o­nais da saú­de a sa­be­rem ou­vir, acon­se­lhar e res­pei­tar as opi­niões dos pa­ci­en­tes, pa­ra que es­tes te­nham um tra­ta­men­to dig­no.

Ao in­ter­vir na aber­tu­ra do 5º Con­gres­so de Ci­ên­ci­as da Saú­de da Mul­ti­per­fil, que de­cor­reu sob o le­ma “Qua­li­da­de e Ex­ce­lên­cia”, Ca­ro­li­na Cer­quei­ra dis­se que o vos­so co­nhe­ci­men­to, en­quan­to pro­fis­si­o­nais, só tem va­li­da­de qu­an­do apli­ca­dos com ri­gor, éti­ca, dis­ci­pli­na e de­di­ca­ção pa­ra o bem-es­tar do as­sis­ti­do.

A go­ver­nan­te ape­lou aos pro­fis­si­o­nais da saú­de a te­rem mai­or pre­o­cu­pa­ção na in­te­rac­ção com os pa­ci­en­tes, sen­do im­por­tan­te o co­nhe­ci­men­to das va­riá­veis li­ga­das ao es­ti­lo de vi­da, bem co­mo o lo­cal on­de vi­vem.

Acres­cen­tou que, com is­so, per­mi­te um cor­rec­to di­ag­nós­ti­co, pos­si­bi­li­tan­do ao mé­di­co iden­ti­fi­car um pou­co mais as re­ais pre­o­cu­pa­ções do pa­ci­en­te.

Ca­ro­li­na Cer­quei­ra ma­ni­fes­tou-se pre­o­cu­pa­da com ac­tu­al qua­dro epi­de­mi­o­ló­gi­co que o país vi­ve, com a pre­sen­ça de epi­de­mi­as, co­mo a po­li­o­mi­e­li­te e o sa­ram­po, bem co­mo o au­men­to da mal­nu­tri­ção in­fan­til.

Por es­ta ra­zão, su­bli­nhou que se de­ve unir es­for­ços no sen­ti­do de se cri­a­rem me­ca­nis­mos de vi­gi­lân­cia epi­de­mi­o­ló­gi­ca nu­tri­ci­o­nal, bem co­mo da ca­pa­ci­da­de de de­sen­ca­de­ar res­pos­tas atem­pa­das e mais efec­ti­vas.

A mi­nis­tra de Es­ta­do en­co­ra­jou o Mi­nis­té­rio da Saú­de a con­ti­nu­ar a in­cen­ti­var os parceiros a re­for­çar a va­ci­na­ção de ro­ti­na, de mo­do a atin­gir os ní­veis de co­ber­tu­ra que

AN­GOP

Mo­men­to em que era res­ga­ta­do um fe­ri­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.