An­go­la rei­te­ra po­si­ção so­bre a Gui­né-Bissau

Jornal de Angola - - DESPORTO -

An­go­la vol­tou a con­de­nar qual­quer al­te­ra­ção à or­dem cons­ti­tu­ci­o­nal na Gui­né-Bissau.

Es­ta po­si­ção foi ma­ni­fes­ta­da, quar­ta-fei­ra, pe­lo em­bai­xa­dor de An­go­la jun­to da União Afri­ca­na, Fran­cis­co da Cruz, du­ran­te a 892ª ses­são do Con­se­lho de Paz e Se­gu­ran­ça, de­di­ca­da à si­tu­a­ção na Gui­né-Bissau.

Se­gun­do a An­gop, que ci­ta uma no­ta do Ser­vi­ço de Im­pren­sa da Re­pre­sen­ta­ção Per­ma­nen­te de An­go­la jun­to da União Afri­ca­na, Fran­cis­co da Cruz con­si­de­rou o Go­ver­no li­de­ra­do pe­lo Pri­mei­roMi­nis­tro, Aris­ti­des Go­mes, “o úni­co le­gí­ti­mo por es­tar res­pal­da­do pe­la von­ta­de po­pu­lar”.

O di­plo­ma­ta afir­mou que o Exe­cu­ti­vo an­go­la­no to­mou co­nhe­ci­men­to, “com gran­de es­tu­pe­fac­ção”, da de­mis­são, por de­cre­to do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Má­rio Vaz, do Go­ver­no cons­ti­tu­ci­o­nal­men­te saí­do das úl­ti­mas elei­ções le­gis­la­ti­vas, li­de­ra­do pe­lo Pri­mei­roMi­nis­tro Aris­ti­des Go­mes.

A ses­são con­tou com a par­ti­ci­pa­ção da mi­nis­tra da Jus­ti­ça da Gui­né-Bissau, Ruth Mon­tei­ro, do Go­ver­no que emer­giu das elei­ções de Mar­ço de 2019, com o qual An­go­la diz que “con­ti­nu­a­rá a tra­ba­lhar pa­ra o re­for­ço das his­tó­ri­cas re­la­ções bi­la­te­rais de ami­za­de e co­o­pe­ra­ção”.

Fran­cis­co da Cruz de­cla­rou que a cri­se po­lí­ti­ca na Gui­né-Bissau de­sa­fia o CPS qu­an­to ao ob­jec­ti­vo fun­da­men­tal de pro­mo­ver a Paz, Se­gu­ran­ça e Es­ta­bi­li­da­de em Áfri­ca pa­ra a pro­tec­ção e pre­ser­va­ção da vi­da, do bem-es­tar das po­pu­la­ções e da cri­a­ção de con­di­ções fa­vo­rá­veis ao de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel.

Nes­te con­tex­to, ape­lou ao Con­se­lho de Paz e Se­gu­ran­ça que continue a adop­tar uma po­si­ção fir­me e enér­gi­ca, no apoio inequí­vo­co ao Go­ver­no li­de­ra­do pe­lo Pri­mei­roMi­nis­tro, Aris­ti­des Go­mes, par­ti­cu­lar­men­te na pre­pa­ra­ção das elei­ções pre­si­den­ci­ais, mar­ca­das pa­ra o pró­xi­mo dia 24.

An­go­la re­co­men­da, por ou­tro la­do, que o Con­se­lho de Paz e Se­gu­ran­ça res­pon­sa­bi­li­ze to­dos e ca­da um dos ac­to­res po­lí­ti­cos, to­man­do me­di­das pu­ni­ti­vas apro­pri­a­das con­tra in­di­ví­du­os ou en­ti­da­des que po­nham em cau­sa o pro­ces­so elei­to­ral e a or­dem cons­ti­tu­ci­o­nal es­ta­be­le­ci­da e des­res­pei­tem as per­ti­nen­tes de­ci­sões da co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal.

O di­plo­ma­ta an­go­la­no re­fe­riu que os de­sen­vol­vi­men­tos re­gis­ta­dos nos úl­ti­mos me­ses, no pro­ces­so po­lí­ti­co-ins­ti­tu­ci­o­nal, em­bo­ra tí­mi­dos, ali­men­ta­vam um op­ti­mis­mo re­ser­va­do a ní­vel da co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal.

Nes­te qua­dro, acres­cen­tou, pe­la pri­mei­ra vez em qua­tro anos, o pro­gra­ma do Go­ver­no foi apro­va­do pe­lo Par­la­men­to - a 15 de Ou­tu­bro de 2019 - “uma re­a­li­za­ção que de­ve ser sau­da­da por cons­ti­tuir um pas­so im­por­tan­te no re­for­ço do Es­ta­do De­mo­crá­ti­co e de Di­rei­to”.

An­go­la re­co­nhe­ce que ain­da exis­tem de­sa­fi­os po­lí­ti­cos e de se­gu­ran­ça, re­la­ci­o­na­dos com o pro­ces­so elei­to­ral em cur­so, que de­vem me­re­cer aten­ção cui­da­da e o de­vi­do tra­ta­men­to por par­te do Con­se­lho de Paz e Se­gu­ran­ça da União Afri­ca­na.

DR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.