Pro­tec­ção dos Di­rei­tos Hu­ma­nos en­tre os de­sa­fi­os do Exe­cu­ti­vo

Jornal de Angola - - POLÍTICA -

A pro­mo­ção e pro­tec­ção dos Di­rei­tos Hu­ma­nos cons­ti­tui um de­sa­fio per­ma­nen­te pa­ra o Go­ver­no an­go­la­no, que vem re­gis­tan­do me­lho­ri­as sig­ni­fi­ca­ti­vas, so­bre­tu­do, com o iní­cio do no­vo ci­clo po­lí­ti­co, inau­gu­ra­do pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, João Lou­ren­ço, em 2017, afir­mou, on­tem, em Ge­ne­bra, Suí­ça, o mi­nis­tro das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res.

Se­gun­do Ma­nu­el Au­gus­to, que fa­la­va du­ran­te a apre­sen­ta­ção do Re­la­tó­rio de Ava­li­a­ção Pe­rió­di­ca Uni­ver­sal (UPR) de An­go­la, reu­nião do Con­se­lho de Di­rei­tos Hu­ma­nos das Na­ções Uni­das, es­ta no­va era po­lí­ti­ca do país dá ga­ran­ti­as de que os Di­rei­tos Hu­ma­nos no país as­su­mi­ram ou­tra di­men­são e aten­ção.

De acor­do com a An­gop, o mi­nis­tro afir­mou que An­go­la, com o ad­ven­to da paz e do de­sen­vol­vi­men­to, tem re­gis­ta­do me­lho­ri­as sig­ni­fi­ca­ti­vas nes­ta área. Com efei­to, pros­se­guiu, no­ta-se um no­vo im­pul­so na área, des­ta­can­do­se os vá­ri­os en­con­tros com re­pre­sen­tan­tes das or­ga­ni­za­ções mais re­pre­sen­ta­ti­vas da so­ci­e­da­de ci­vil.

O re­la­tó­rio que An­go­la apre­sen­tou vem res­pon­der às 226 re­co­men­da­ções do se­gun­do ci­clo, ocor­ri­do de 2015 a 2019. Se­gun­do o mi­nis­tro, o mes­mo re­flec­te o re­sul­ta­do das po­lí­ti­cas pú­bli­cas de­fi­ni­das no Pla­no Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to 2013-2017 e do Pla­no de De­sen­vol­vi­men­to Na­ci­o­nal 2018-2022, as­sim co­mo con­tém in­for­ma­ções do de­sem­pe­nho do Exe­cu­ti­vo nos mais va­ri­a­dos do­mí­ni­os.

In­di­ca­do­res do pro­gres­so

En­tre os in­di­ca­do­res mais re­pre­sen­ta­ti­vos dos pro­gres­sos al­can­ça­dos na área dos di­rei­tos hu­ma­nos, Ma­nu­el Au­gus­to des­ta­cou o Ín­di­ce de De­sen­vol­vi­men­to Hu­ma­no, que pas­sou de 0,532 em 2015 pa­ra 0,581, em 2018, re­flec­tin­do um in­cre­men­to con­si­de­rá­vel.

Por is­so, ac­tu­al­men­te, An­go­la é con­si­de­ra­da pe­las Na­ções Uni­das co­mo um país de Ín­di­ce de De­sen­vol­vi­men­to Mé­dio. Ao ní­vel da Áfri­ca Sub­sa­a­ri­a­na, es­te in­cre­men­to re­pre­sen­ta um dos mais ele­va­dos. Ma­nu­el Au­gus­to su­bli­nhou tam­bém o fac­to da es­pe­ran­ça de vi­da à nas­cen­ça ter pas­sa­do de cer­ca de 44 anos, em 2000, pa­ra 60 anos, em 2014, e 61 anos em 2018.

O che­fe da di­plo­ma­cia an­go­la­na ex­pli­cou que o qua­dro le­gal de pro­mo­ção e pro­tec­ção dos di­rei­tos hu­ma­nos tam­bém co­nhe­ceu uma evo­lu­ção con­si­de­rá­vel des­de o al­can­ce da paz em An­go­la, com des­ta­que pa­ra a re­cen­te apro­va­ção do no­vo Có­di­go Pe­nal an­go­la­no, com me­di­das ino­va­do­ras. Ma­nu­el Au­gus­to re­fe­riu-se, tam­bém, ao Pla­no Es­tra­té­gi­co de Pre­ven­ção e Com­ba­te à Cor­rup­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.