A com­ple­xi­da­de dos de­sa­fi­os pa­ra re­po­si­ci­o­nar o kwan­za

Jornal de Angola - - OPINIÃO - Fi­lo­me­no Ma­na­ças

O mer­ca­do in­for­mal de di­vi­sas, que tam­bém é uma re­a­li­da­de nou­tras pa­ra­gens, mas com in­fluên­cia re­si­du­al, não po­de exis­tir e ter uma di­fe­ren­ça tão abis­mal em re­la­ção ao ofi­ci­al, ao pon­to de con­di­ci­o­nar a po­lí­ti­ca de pre­ços es­ta­be­le­ci­da pe­lo Es­ta­do

A po­lí­ti­ca mo­ne­tá­ria na­ci­o­nal pas­sa ac­tu­al­men­te por um mo­men­to cha­ve, em que os pas­sos que es­tão a ser da­dos vão con­di­ci­o­nar a evo­lu­ção da eco­no­mia nos pró­xi­mos tem­pos.

A de­ci­são to­ma­da em Ou­tu­bro pe­lo go­ver­no do BNA de im­ple­men­tar o sis­te­ma de ta­xa de câm­bio de flu­tu­a­ção li­vre pa­ra a moeda na­ci­o­nal, e que con­du­ziu o kwan­za a uma per­da con­si­de­rá­vel de va­lor no mer­ca­do, em­bo­ra uma me­di­da do­lo­ro­sa e que le­vou vá­ri­os agen­tes eco­nó­mi­cos a re­a­gi­rem ne­ga­ti­va­men­te, foi a so­lu­ção en­con­tra­da pa­ra fa­zer fa­ce a um con­jun­to de de­sa­fi­os que se co­lo­cam co­mo que mo­men­ta­ne­a­men­te.

En­tre es­ses de­sa­fi­os es­tão as pres­sões so­bre as re­ser­vas lí­qui­das in­ter­na­ci­o­nais do país, o mer­ca­do in­for­mal de di­vi­sas que vol­tou a ga­nhar o es­pa­ço que vi­nha per­den­do des­de Ja­nei­ro de 2018 e, con­co­mi­tan­te­men­te, o ris­co de o ban­co cen­tral ver a sua au­to­ri­da­de se­ri­a­men­te afec­ta­da.

Dei­xar que a banca co­mer­ci­al se gui­as­se pe­la lei da pro­cu­ra e da ofer­ta de moeda foi co­mo que, usan­do uma lin­gua­gem fu­te­bo­lís­ti­ca, dar o “meio cam­po” ao ad­ver­sá­rio, num jo­go em que não se po­de es­pe­rar por fru­tos ime­di­a­tos, mas em que to­das as va­riá­veis de­vem ser de­vi­da­men­te acom­pa­nha­das, pa­ra, em ci­clos tri­mes­trais, se ti­rar as de­vi­das ila­ções em re­la­ção aos re­sul­ta­dos ob­ti­dos.

Di­zer que o mo­men­to não foi apro­pri­a­do pa­ra se li­be­ra­li­zar a ta­xa de câm­bio é com­pre­en­sí­vel, ten­do em con­ta o efei­to que a me­di­da ge­rou. Po­rém, a afir­ma­ção não é re­a­lis­ta, se se ti­ver em con­ta o ris­co ime­di­a­to que a sua não con­cre­ti­za­ção acar­re­ta­va.

Co­lo­can­do de la­do a pro­du­ção e ex­por­ta­ção de pe­tró­leo, An­go­la tem uma eco­no­mia pre­do­mi­nan­te­men­te as­sen­te na ac­ti­vi­da­de co­mer­ci­al, sen­do, por­tan­to, es­sen­ci­al­men­te es­pe­cu­la­ti­va e me­nos pro­du­ti­va. A moeda na­ci­o­nal, en­quan­to mer­ca­do­ria, não es­ca­pa a es­se fe­nó­me­no. A par dos cir­cui­tos ofi­ci­ais, há um mer­ca­do in­for­mal que, co­mo já se viu, tem po­ten­ci­al pa­ra de­ses­ta­bi­li­zar a ta­xa de câm­bio pra­ti­ca­da pe­lo sis­te­ma fi­nan­cei­ro. Ou se­ja, não é exa­ge­ra­do di­zer que há co­mo que um “sis­te­ma fi­nan­cei­ro pa­ra­le­lo”, cu­jas co­ne­xões com a banca co­mer­ci­al têm vin­do a ser de­nun­ci­a­das faz al­gum tem­po. Ra­zão por que se tem es­ta­do tam­bém a exi­gir uma vi­gi­lân­cia mais aper­ta­da so­bre os ban­cos co­mer­ci­ais, pois há quem ques­ti­o­ne, e fá-lo com pro­pri­e­da­de, o flu­xo de mas­sa mo­ne­tá­ria en­tre es­tes e os cir­cui­tos pa­ra­le­los que ali­men­tam o mer­ca­do in­for­mal.

Olhan­do pa­ra to­do es­te con­tex­to e ten­do em li­nha de con­ta a pers­pec­ti­va da en­tra­da em ce­na, a par­tir de 2020, de uma no­va sé­rie de kwan­zas, po­de-se in­fe­rir da ne­ces­si­da­de que há em se co­me­çar a tra­ba­lhar ago­ra, pa­ra ga­ran­tir que a po­lí­ti­ca mo­ne­tá­ria si­ga pa­râ­me­tros per­fei­ta­men­te con­tro­lá­veis e ajus­tá­veis, ca­pa­zes de in­du­zir a um ou­tro com­por­ta­men­to da eco­no­mia na­ci­o­nal, com pri­ma­zia pa­ra o fo­men­to da ac­ti­vi­da­de pro­du­ti­va, in­dis­pen­sá­vel à re­du­ção das pres­sões so­bre as di­vi­sas.

A com­ple­xi­da­de das ta­re­fas que pe­sam so­bre os om­bros do ban­co cen­tral é de tal or­dem, que não se re­su­mem à fi­xa­ção de uma ta­xa de ju­ros atrac­ti­va pa­ra a banca co­mer­ci­al apli­car, ao es­ta­be­le­ci­men­to de re­gras em re­la­ção à ta­xa de câm­bio e ao con­tro­lo da mas­sa mo­ne­tá­ria. São as­pec­tos es­sen­ci­ais da sua in­ter­ven­ção, mas que não de­vem des­cu­rar a ne­ces­si­da­de de im­pul­si­o­nar a eco­no­mia na­ci­o­nal e tam­bém a de ter­mos uma moeda for­te. E ter uma moeda for­te não sig­ni­fi­ca ne­ces­sa­ri­a­men­te ter uma moeda com a mes­ma pa­ri­da­de que o dó­lar ou o eu­ro. Se­rá o con­jun­to da pro­du­ção na­ci­o­nal, que te­mos que de­sen­vol­ver em quan­ti­da­de e qua­li­da­de, que vai fa­zer a moeda ser for­te. Por­tan­to, não é de es­pe­rar da no­va po­lí­ti­ca cam­bi­al re­sul­ta­dos ime­di­a­tos. Os ajus­ta­men­tos vão sen­do pro­du­zi­dos, es­tão a ser pro­du­zi­dos pa­ra que os re­sul­ta­dos sur­jam.

No pla­no da po­lí­ti­ca de su­per­vi­são ban­cá­ria, da po­lí­ti­ca fis­cal, da po­lí­ti­ca de pre­ços e dos con­tro­los que se im­põem, es­pe­ra­se que o Es­ta­do use da sua ca­pa­ci­da­de de se mu­ni­ci­ar dos ins­tru­men­tos mo­der­nos e do seu po­der de au­to­ri­da­de pa­ra que re­al­men­te as coi­sas en­trem nos ei­xos. É pre­ci­so que os di­ver­sos ac­to­res sin­tam que o Es­ta­do es­tá es­tru­tu­ra­do, ac­tu­an­te e que o tra­ba­lha­dor sin­ta que os seus in­te­res­ses es­tão a ser pro­te­gi­dos.

O mer­ca­do in­for­mal de di­vi­sas, que tam­bém é uma re­a­li­da­de nou­tras pa­ra­gens, mas com in­fluên­cia re­si­du­al, não po­de exis­tir e ter uma di­fe­ren­ça tão abis­mal em re­la­ção ao ofi­ci­al, ao pon­to de con­di­ci­o­nar a po­lí­ti­ca de pre­ços es­ta­be­le­ci­da pe­lo Es­ta­do.

Es­se é um re­qui­si­to pa­ra se ter uma po­lí­ti­ca cam­bi­al es­tá­vel e ca­paz de as­se­gu­rar, tam­bém, a es­ta­bi­li­da­de de to­da a ac­ti­vi­da­de eco­nó­mi­ca. Nin­guém quer tra­ba­lhar pa­ra ama­nhã per­der tu­do o que ga­nhou on­tem.

DR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.