Jornal de Angola

Cri­a­da Agência de Cer­ti­fi­ca­ção de Car­ga e Lo­gís­ti­ca

- Fon­se­ca Ben­gui

O no­vo re­gi­me ju­rí­di­co da Re­de Na­ci­o­nal de Pla­ta­for­mas Lo­gís­ti­cas vai ace­le­rar o pro­ces­so de con­ces­são de al­gu­mas pla­ta­for­mas lo­gís­ti­cas já iden­ti­fi­ca­das e per­mi­tir que os privados se ha­bi­li­tem à ac­ti­vi­da­de de ges­tão de pla­ta­for­mas lo­gís­ti­cas, in­for­mou, on­tem, o mi­nis­tro dos Trans­por­tes, Ricardo de Abreu.

Se­gun­do o mi­nis­tro, o re­gi­me ju­rí­di­co an­te­ri­or da­va um en­fo­que mui­to gran­de ao fi­nan­ci­a­men­to pú­bli­co. “Es­ta­mos a pro­por o con­trá­rio, dan­do en­fo­que ao sec­tor pri­va­do, cri­an­do os me­ca­nis­mos des­bu­ro­cra­ti­za­dos pa­ra as­se­gu­rar a en­tra­da do sec­tor pri­va­do na ges­tão de pla­ta­for­mas lo­gís­ti­cas ou es­pa­ços que fa­çam es­sa in­te­gra­ção de car­gas e pro­du­tos”, dis­se o mi­nis­tro, em de­cla­ra­ções à im­pren­sa, no fi­nal da reu­nião da Co­mis­são Eco­nó­mi­ca do Con­se­lho de Mi­nis­tros.

A Co­mis­são Eco­nó­mi­ca ex­tin­guiu, on­tem, o Con­se­lho Na­ci­o­nal de Car­re­ga­do­res (CNC), cri­an­do, no seu lu­gar, a Agência Re­gu­la­do­ra de Cer­ti­fi­ca­ção de Car­ga e Lo­gís­ti­ca de An­go­la (ARCCLA).

Se­gun­do Ricardo de Abreu, a ARCCLA sur­ge co­mo agência de re­gu­la­ção e de su­per­vi­são, quer do pro­ces­so de car­re­ga­men­tos pa­ra An­go­la, por via ma­rí­ti­ma, ter­res­tre e aé­rea, quer pa­ra uma me­lhor re­gu­la­ção e fis­ca­li­za­ção da ac­ti­vi­da­de lo­gís­ti­ca.

O ob­jec­ti­vo, acres­cen­tou, é ade­quar a Re­de Na­ci­o­nal de Pla­ta­for­mas Lo­gís­ti­cas aos de­sa­fi­os ac­tu­ais da nos­sa economia, no do­mí­nio do es­co­a­men­to da pro­du­ção na­ci­o­nal, de­vi­do às di­fi­cul­da­des que os pro­du­to­res en­fren­tam.

Ricardo de Abreu dis­se que fal­ta vi­si­bi­li­da­de so­bre os pro­ces­sos lo­gís­ti­cos que acon­te­cem no país, da trans­por­ta­ção de mer­ca­do­ri­as no ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal e de fo­ra pa­ra o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal.

O mi­nis­tro ex­pli­cou que o no­vo ór­gão vai ser res­pon­sá­vel pe­la re­gu­la­men­ta­ção da ca­deia lo­gís­ti­ca na­ci­o­nal com me­nos bu­ro­cra­cia e mais aces­so às tec­no­lo­gi­as de in­for­ma­ção.

Ricardo de Abreu es­cla­re­ceu, ain­da, que a ex­tin­ção do CNC não tem a ver com os des­vi­os que acon­te­ce­ram na ins­ti­tui­ção, que le­va­ram à con­de­na­ção de ex-ges­to­res da ins­ti­tui­ção e do ex-ti­tu­lar dos Trans­por­tes Au­gus­to To­más.

Se­gun­do Ricardo de Abreu, o qua­dro es­ta­tu­tá­rio do CNC não con­se­guia res­pon­der aos de­sa­fi­os do car­re­ga­men­to e da lo­gís­ti­ca. “Pre­ci­sá­va­mos de um ór­gão que fi­cas­se res­pon­sá­vel por to­do o pro­ces­so de lo­gís­ti­ca na­ci­o­nal. Te­mos fei­to mui­tas re­fe­rên­ci­as à vol­ta da im­por­tân­cia es­tra­té­gi­ca de An­go­la do pon­to de vis­ta ge­o­grá­fi­co, no su­por­te aos paí­ses da re­gião que não têm aces­so ao mar”, su­bli­nhou, acres­cen­tan­do que “An­go­la po­de ser um par­cei­ro lo­gís­ti­co mui­to im­por­tan­te pa­ra es­ses paí­ses”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola