Jornal de Angola

Mi­nis­té­rio pre­o­cu­pa­do com afi­xa­ção de “out­do­ors” na via pú­bli­ca

Se­gun­do o di­rec­tor na­ci­o­nal pa­ra a Pu­bli­ci­da­de, do Mi­nis­té­rio das Te­le­co­mu­ni­ca­ções, Tec­no­lo­gi­as de In­for­ma­ção e Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al, re­gis­ta-se, ac­tu­al­men­te, a usur­pa­ção de com­pe­tên­ci­as por par­te de al­gu­mas ad­mi­nis­tra­ções e uma vas­ta lis­ta de ir­re­gu­la­ri­dad

- Isa­que Lourenço

Qual a fi­na­li­da­de da con­sul­ta pú­bli­ca ao Re­gu­la­men­to so­bre a Pu­bli­ci­da­de Ex­te­ri­or?

A con­sul­ta pú­bli­ca é um pro­ces­so que faz par­te do pro­ce­di­men­to de ela­bo­ra­ção de di­plo­mas le­gais que tem co­mo fi­na­li­da­de per­mi­tir a par­ti­ci­pa­ção de to­dos os in­ter­ve­ni­en­tes do sec­tor pu­bli­ci­tá­rio em An­go­la, na aná­li­se, dis­cus­são e re­co­lha de con­tri­bui­ções, que vi­sam o me­lho­ra­men­to do projecto le­gal. As­sim, a con­sul­ta pú­bli­ca, ora sub­me­ti­da, tem co­mo fi­na­li­da­de re­co­lher as con­tri­bui­ções dos ac­to­res do mer­ca­do de pu­bli­ci­da­de, tor­nan­do des­te mo­do o pro­ces­so mais in­clu­si­vo.

O que é afi­nal a pu­bli­ci­da­de e porquê a de­sig­na­ção pu­bli­ci­da­de ex­te­ri­or?

Pu­bli­ci­da­de é to­da co­mu­ni­ca­ção pro­du­zi­da ou di­fun­di­da no âm­bi­to de uma ac­ti­vi­da­de co­mer­ci­al, ou ou­tra, com o ob­jec­ti­vo de pro­mo­ver ou ape­lar ao con­su­mo de bens e ser­vi­ços, ou ain­da a di­fu­são de qual­quer men­sa­gem que vi­se pro­mo­ver idei­as, prin­cí­pi­os, ini­ci­a­ti­vas ou ins­tru­ções que não se­jam pro­pa­gan­da po­lí­ti­ca. Já a pu­bli­ci­da­de ex­te­ri­or ou de out­do­or é to­da pu­bli­ci­da­de vei­cu­la­da no es­pa­ço aé­reo ou na su­per­fí­cie ex­ter­na, di­to de ou­tro mo­do, é to­da a pu­bli­ci­da­de que é re­a­li­za­da na rua. A de­fi­ni­ção é de ori­gem in­gle­sa do con­cei­to out­do­ors que sig­ni­fi­ca, “fo­ra de por­tas”.

Até ao mo­men­to o que foi pos­sí­vel re­co­lher já co­mo con­tri­bu­to?

Te­mos es­ta­do a re­ce­ber al­gu­mas con­tri­bui­ções, ape­sar de mo­do re­du­zi­do. En­tre­tan­to, au­gu­ra­mos re­ce­ber mais con­tri­bui­ções nos pró­xi­mos di­as com a pror­ro­ga­ção do pra­zo da con­sul­ta pú­bli­ca.

Quem mais es­tá a con­tri­buir: em­pre­sas, aca­de­mi­as, en­ti­da­des pú­bli­cas ou pri­va­das?

Te­re­mos es­sa in­for­ma­ção com mai­or pre­ci­são quan­do ter­mi­nar o pro­ces­so de re­co­lha. Pa­ra já, po­de­mos di­zer que até ago­ra, as em­pre­sas que ac­tu­am no mer­ca­do da pu­bli­ci­da­de são as que mais con­tri­bui­ções têm en­vi­a­do.

Nos 39 ar­ti­gos, en­ten­de es­ta­rem re­su­mi­das as mai­o­res pre­o­cu­pa­ções com a ac­ti­vi­da­de publicitár­ia no país e os de­sa­fi­os do fu­tu­ro?

Co­mo de­ve com­pre­en­der, não exis­tem do­cu­men­tos le­gais perfeitos. Por is­so, es­ta­mos a sub­me­tê-lo à con­sul­ta pú­bli­ca, pa­ra aque­les as­pec­tos não su­fi­ci­en­te­men­te exaus­ti­vos e que pos­sam pro­du­zir con­tri­bui­ções da so­ci­e­da­de pa­ra a de­vi­da me­lho­ria.

Em ter­mos con­cre­tos, o pre­sen­te di­plo­ma pre­ten­de al­te­rar ou in­tro­du­zir o quê de no­vo?

O que se pre­ten­de com o pre­sen­te di­plo­ma é a de­fi­ni­ção de um qua­dro nor­ma­ti­vo que cla­ri­fi­que as com­pe­tên­ci­as dos ór­gãos da ad­mi­nis­tra­ção lo­cal do Es­ta­do, no âm­bi­to do pro­ces­so de or­de­na­men­to e re­gu­la­men­ta­ção da ac­ti­vi­da­de de pu­bli­ci­da­de, bem co­mo, or­de­nar, re­gu­lar e tor­nar mais sa­lu­tar o am­bi­en­te vi­su­al das uni­da­des ur­ba­nas e de­mais aglo­me­ra­dos po­pu­la­ci­o­nais.

Di­to de ou­tra for­ma, o que ain­da é te­ma de pre­o­cu­pa­ção no que a pu­bli­ci­da­de diz res­pei­to?

Na ver­da­de, coloca-nos uma ques­tão mui­to per­ti­nen­te. De fac­to, pre­o­cu­pa-nos a de­sor­ga­ni­za­ção na fi­xa­ção dos out­do­ors e ou­tros ti­pos de pu­bli­ci­da­de ex­te­ri­or na via pú­bli­ca, e a usur­pa­ção de com­pe­tên­ci­as por par­te de al­gu­mas ad­mi­nis­tra­ções. Por exem­plo, a de­sor­ga­ni­za­ção que se ve­ri­fi­ca na Ave­ni­da Fi­del de Cas­tro, em Lu­an­da, on­de in­ter­vêm cer­ca de cin­co mu­ni­cí­pi­os e o pró­prio Go­ver­no da Pro­vín­cia, pre­o­cu­pa-nos. Uma si­tu­a­ção que fi­ca­rá re­sol­vi­da com es­te di­plo­ma.

De­pois dis­so, ve­re­mos al­gu­ma or­dem na di­fu­são de pu­bli­ci­da­de se­ja nos mei­os de co­mu­ni­ca­ção e tam­bém nos out­do­ors, ban­ners e ou­tros su­por­tes ho­je mui­to usa­dos?

O Mi­nis­té­rio das Te­le­co­mu­ni­ca­ções, Tec­no­lo­gi­as de In­for­ma­ção e Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al tem es­ta­do mui­to em­pe­nha­do nes­te projecto e es­pe­ra que as me­lho­ri­as se­jam vi­sí­veis a curto e mé­dio pra­zo, mas, ob­vi­a­men­te, o su­ces­so des­te projecto de­pen­de do en­ga­ja­men­to de to­dos os ac­to­res do sec­tor pu­bli­ci­tá­rio em An­go­la, bem co­mo dos pró­pri­os con­su­mi­do­res.

Quan­do é que uma pu­bli­ci­da­de

vi­o­la di­rei­tos privados e quais as con­sequên­ci­as?

An­tes de mais, de­ve­mos di­zer que a vei­cu­la­ção da pu­bli­ci­da­de as­sen­ta num con­tra­to, que é uma re­la­ção con­tra­tu­al. Des­te mo­do, os di­rei­tos e de­ve­res de­vem ser mo­de­la­dos en­tre as par­tes cu­ja violação tem con­sequên­ci­as ju­rí­di­cas que po­dem ir des­de a res­ci­são com di­rei­to a jus­ta in­dem­ni­za­ção. Ou­tra ques­tão, é uma in­di­vi­du­a­li­da­de to­mar con­tac­to com a sua ima­gem no spot pu­bli­ci­tá­rio sem o ter con­sen­ti­do. Aí sim exis­ti­rão con­sequên­ci­as ju­rí­di­cas ine­ren­tes aos di­rei­tos de per­so­na­li­da­de cu­jo le­sa­do po­de ac­ci­o­nar as ins­ti­tui­ções do Es­ta­do pa­ra o efei­to.

O fac­to de de­ter­mi­na­dos or­ga­nis­mos so­bre­vi­ve­rem da pu­bli­ci­da­de que vei­cu­lam, is­so não pe­ri­ga a ma­nu­ten­ção dos equi­lí­bri­os so­ci­ais?

Pen­so que não. O sec­tor pu­bli­ci­tá­rio faz par­te de um nú­cleo de ac­ti­vi­da­des que in­te­gram a economia cri­a­ti­va, um con­jun­to de ne­gó­ci­os ba­se­a­dos no ca­pi­tal in­te­lec­tu­al e cul­tu­ral e na cri­a­ti­vi­da­de. E es­te sec­tor que ge­ra va­lor

“Coloca uma ques­tão mui­to per­ti­nen­te. De fac­to, pre­o­cu­pa-nos a de­sor­ga­ni­za­ção na fi­xa­ção dos out­do­ors e ou­tros ti­pos de pu­bli­ci­da­de ex­te­ri­or na via pú­bli­ca, e a usur­pa­ção de com­pe­tên­ci­as por par­te de al­gu­mas ad­mi­nis­tra­ções. Por exem­plo, a de­sor­ga­ni­za­ção que se ve­ri­fi­ca na Ave­ni­da Fi­del de Cas­tro, em Lu­an­da, on­de in­ter­vêm cer­ca de cin­co mu­ni­cí­pio, in­cluin­do o pró­prio Go­ver­no da Pro­vín­cia, pre­o­cu­pa-nos. Uma si­tu­a­ção que só fi­ca­rá re­sol­vi­da com es­te di­plo­ma”

eco­nó­mi­co, es­ti­mu­la a ge­ra­ção de ren­di­men­tos, cria empregos e pro­duz re­cei­tas pa­ra o Es­ta­do, e po­de con­tri­buir ac­ti­va­men­te pa­ra a di­ver­si­fi­ca­ção da economia.

Quan­to mo­vi­men­ta a in­dús­tria ou ne­gó­cio da pu­bli­ci­da­de no país?

Se­gun­do da­dos da Mark­tes­te, por exem­plo, em 2019 o in­ves­ti­men­to pu­bli­ci­tá­rio em An­go­la foi de qua­se 22 mil mi­lhões de kwan­zas, sem con­tar com o seg­men­to da pu­bli­ci­da­de ex­te­ri­or, que te­ve um in­ves­ti­men­to pu­bli­ci­tá­rio de cer­ca de 12 mil mi­lhões de kwan­zas. Es­te ano, pre­vê-se um de­crés­ci­mo, de­vi­do ao im­pac­to da pan­de­mia da Covid-19. Co­mo vê, se con­ti­nu­ar­mos no ca­mi­nho que es­ta­mos a se­guir, com po­lí­ti­cas pú­bli­cas ami­gas do in­ves­ti­men­to pri­va­do e com uma re­gu­la­men­ta­ção que não atra­pa­lhe as em­pre­sas, cer­ta­men­te que os nú­me­ros se­rão mai­o­res.

Em que o sec­tor con­tri­bui pa­ra o Es­ta­do?

Co­mo qual­quer ou­tro mer­ca­do, o sec­tor da pu­bli­ci­da­de ge­ra va­lor à economia na­ci­o­nal, cria empregos e pro­duz re­cei­tas pa­ra o Es­ta­do atra­vés do pa­ga­men­to de im­pos­tos e ou­tras con­tri­bui­ções.

O apa­ren­te de­sin­te­res­se so­ci­al com a éti­ca da pu­bli­ci­da­de, de­ve-se à acul­tu­ra­ção de va­lo­res ou a es­cas­sez de re­fe­rên­ci­as?

Ho­je o mundo é uma al­deia glo­bal e a so­ci­e­da­de an­go­la­na so­fre mu­dan­ças re­sul­tan­tes da sua apro­xi­ma­ção com ou­tras cul­tu­ras. Não acho que a acul­tu­ra­ção es­te­ja na ba­se da au­sên­cia da éti­ca em de­ter­mi­na­dos anúncios pu­bli­ci­tá­ri­os. O ope­ra­dor pu­bli­ci­tá­rio pre­ci­sa ter a cons­ci­ên­cia, que a éti­ca en­quan­to li­mi­ta­ção in­di­vi­du­al pa­ra o bem co­lec­ti­vo de­ve es­tar pre­sen­te nas su­as ac­ções, pa­ra que a re­la­ção que exis­te en­tre es­te e o con­su­mi­dor ocor­ra de ma­nei­ra har­mo­ni­o­sa. Im­por­ta re­al­çar que, do pon­to de vis­ta le­gal, a pu­bli­ci­da­de que vei­cu­la in­for­ma­ções fal­sas e in­duz o con­su­mi­dor ao er­ro no mo­men­to da es­co­lha de pro­du­tos ou bens é pu­ni­da com ba­se na lei ge­ral da pu­bli­ci­da­de.

Há co­mo tra­var a pu­bli­ci­da­de de rua, fei­ta até com car­ta­zes em pa­re­des e nu­ma lin­gua­gem an­ti-so­ci­al?

Sim. E um dos ob­jec­ti­vos des­te re­gu­la­men­to é exac­ta­men­te tra­var a pu­bli­ci­da­de co­lo­ca­da in­de­vi­da­men­te na via pú­bli­ca, es­ta­be­le­cen­do as con­di­ções e os cri­té­ri­os a que fi­cam su­jei­tas a afi­xa­ção das men­sa­gens pu­bli­ci­tá­ri­as vi­sí­veis e au­dí­veis no es­pa­ço pú­bli­co. Es­ta­mos a tra­ba­lhar com o Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio e os go­ver­nos pro­vin­ci­ais, e pen­so que nos pró­xi­mos di­as ire­mos mu­dar es­te qua­dro.

O que vem das confissões re­li­gi­o­sas ho­je em dia é pu­bli­ci­da­de ou pro­pa­gan­da?

É pro­pa­gan­da. Ape­sar de que a pu­bli­ci­da­de e a pro­pa­gan­da são fer­ra­men­tas pro­mo­ci­o­nais, pos­su­em pro­pó­si­tos di­fe­ren­tes. A pu­bli­ci­da­de é a co­mu­ni­ca­ção uti­li­za­da pa­ra anun­ci­ar um pro­du­to ou ser­vi­ço. Já a pro­pa­gan­da é uti­li­za­da pa­ra di­vul­gar idei­as, pen­sa­men­tos e causas. Am­bos são se­me­lhan­tes, na me­di­da em que em­pre­gam os mes­mos for­ma­tos mul­ti­mé­dia pa­ra es­pa­lha­rem men­sa­gem.

Há al­guns anos fa­la­va-se mui­to de um mer­ca­do de pu­bli­ci­da­de do­mi­na­do por em­pre­sas es­tran­gei­ras, com prá­ti­ca de pre­ços es­pe­cu­la­ti­vos e até da exis­tên­cia de um cer­to oli­go­pó­lio. Tam­bém é as­sim que vê as coi­sas?

Não. Ho­je o ce­ná­rio é to­tal­men­te di­fe­ren­te. O mer­ca­do pu­bli­ci­tá­rio, des­de as agên­ci­as, pro­du­to­ras e con­ces­si­o­ná­ri­as, é do­mi­na­do por em­pre­sas an­go­la­nas. Al­gu­mas em­pre­sas têm fun­ci­o­ná­ri­os ex­pa­tri­a­dos, por fal­ta de pes­so­al na­ci­o­nal qua­li­fi­ca­do, uma si­tu­a­ção que o mi­nis­té­rio quer in­ver­ter nos pró­xi­mos tem­pos, atra­vés da apos­ta na for­ma­ção de qua­dros e na re­for­mu­la­ção do Cen­tro de For­ma­ção de Jor­na­lis­tas (CEFOJOR), que pas­sa­rá a ter a com­po­nen­te de for­ma­ção pa­ra o sec­tor de pu­bli­ci­da­de e mar­ke­ting.

Em ter­mos de "compliance", co­mo pre­ve­nir bran­que­a­men­to ou la­va­gem de ca­pi­tal por via da di­fu­são de pu­bli­ci­da­de?

mas, por via da pres­ta­ção de ser­vi­ço de pu­bli­ci­da­de, ou de qual­quer ou­tro ser­vi­ço. Exis­te sem­pre um ris­co de ocor­re­rem situações co­mo bran­que­a­men­to de ca­pi­tais, mas as ins­ti­tui­ções en­car­re­gues de fis­ca­li­zar o sis­te­ma fi­nan­cei­ro têm es­ta­do a im­ple­men­tar um con­jun­to de nor­mas e pro­ce­di­men­tos pa­ra pre­ve­nir e iden­ti­fi­car situações de bran­que­a­men­to de ca­pi­tais, pois tal cons­ti­tui ho­je um pro­ble­ma gra­ve à es­ca­la mun­di­al.

De­pois do fim da con­sul­ta pú­bli­ca, quais os passos pre­vis­tos no cro­no­gra­ma de ac­ção?

De­pois da con­sul­ta pú­bli­ca, ago­ra pror­ro­ga­da, o pas­so se­guin­te se­rá a con­for­ma­ção do tex­to le­gal do re­gu­la­men­to com aque­las con­tri­bui­ções que agre­gam va­lor ao di­plo­ma, pa­ra pos­te­ri­or sub­mis­são e apro­va­ção do Ti­tu­lar do Po­der Exe­cu­ti­vo.

“O ope­ra­dor pu­bli­ci­tá­rio pre­ci­sa de ter cons­ci­ên­cia, de que a éti­ca en­quan­to li­mi­ta­ção in­di­vi­du­al pa­ra o bem co­lec­ti­vo de­ve es­tar pre­sen­te nas su­as ac­ções, pa­ra que a re­la­ção que exis­te en­tre es­te e o con­su­mi­dor ocor­ra de ma­nei­ra har­mo­ni­o­sa”

 ??  ??
 ?? EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO ??
EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO
 ?? EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO ??
EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola