Jornal de Angola

Ca­lou-se a voz do “Es­ta pre­ta me ma­ta”

- Má­rio Cohen

O mú­si­co e com­po­si­tor Te­ta Lá­gri­mas fa­le­ceu, on­tem, em Lu­an­da, de mor­te sú­bi­ta, na sua re­si­dên­cia “Quin­ta Te­ta”, no Pa­tri­o­ta, mu­ni­cí­pio de Be­las, con­fir­mou ao Jor­nal de An­go­la a so­bri­nha Fi­ne­za Te­ta.

A so­bri­nha, que é ar­tis­ta plás­ti­ca, deu a co­nhe­cer que o mú­si­co não es­ta­va do­en­te, não se quei­xou de na­da, acres­cen­tan­do que o au­tor de “Ami­za­de Co­lo­ri­da” dor­miu e já não acor­dou.

De acordo com Fi­ne­za Te­ta, a cau­sa da mor­te de Te­ta Lá­gri­mas es­tá pa­ra se apu­rar. “Nes­te mo­men­to, es­ta­mos à es­pe­ra do re­sul­ta­do da au­tóp­sia pa­ra sa­ber­mos a ver­da­dei­ra cau­sa da sua mor­te”, dis­se .

A ar­tis­ta plás­ti­ca re­ve­lou que Te­ta Lá­gri­mas es­ta­va a tra­ba­lhar na pro­du­ção do seu no­vo CD.

Nu­ma men­sa­gem de con­do­lên­ci­as, en­vi­a­da on­tem à Re­dac­ção do Jor­nal de An­go­la, o mi­nis­tro da Cultura, Tu­ris­mo e Am­bi­en­te, Jo­mo For­tu­na­to, la­men­ta a mor­te de Te­ta Lá­gri­mas e des­ta­ca a ori­gi­na­li­da­de da obra do ma­lo­gra­do, que mar­ca um dos mo­men­tos mais im­por­tan­tes da his­tó­ria da mú­si­ca po­pu­lar an­go­la­na.

O mi­nis­tro re­al­ça que “foi com pro­fun­da dor e cons­ter­na­ção” que to­mou co­nhe­ci­men­to do pas­sa­men­to fí­si­co do can­tor e com­po­si­tor Abel Lá­gri­mas da Conceição San­tos Te­ta “Te­ta Lá­gri­mas”, ocor­ri­do, on­tem, em Lu­an­da.

“Oriun­do de uma fa­mí­lia de ar­tis­tas, com des­ta­que pa­ra o seu fa­le­ci­do ir­mão, Te­ta Lan­do, Te­ta Lá­gri­mas no­ta­bi­li­zou-se com as can­ções “Es­sa pre­ta me ma­ta”, “Amor em crise”, “Lu­an­da já fos­te lin­da”, e “Ami­za­de co­lo­ri­da”, um con­jun­to de te­mas de su­ces­so que fi­ze­ram épo­ca e que mar­cou im­por­tan­tes mo­men­tos da me­mó­ria co­lec­ti­va mu­si­cal dos an­go­la­nos”, lê-se na men­sa­gem.

Pa­ra o pre­si­den­te da co­mis­são di­rec­ti­va da União Na­ci­o­nal dos Ar­tis­tas e Com­po­si­to­res (UNAC-SA), Ze­ca Mo­re­no, a mor­te de Te­la Lá­gri­mas é uma per­da ines­pe­ra­da pa­ra a clas­se ar­tís­ti­ca.

Em no­me da UNAC-SA e dos seus as­so­ci­a­do, Ze­ca Mo­re­no en­de­re­çou à fa­mí­lia en­lu­ta­da os sen­ti­men­tos de pe­sar.

O pre­si­den­te da co­mis­são di­rec­ti­va da UNAC-SA dis­se que a mor­te pre­ma­tu­ra do au­tor de “Ami­za­de Co­lo­ri­da” fra­gi­li­za a clas­se ar­tís­ti­ca e a UNAC-SA, pois “há me­ses, nem tí­nha­mos co­me­ça­do uma jor­na­da la­bo­ral, fo­mos surpreendi­dos com as tris­tes no­tí­ci­as so­bre a mor­te de Wal­de­mar Bas­tos e de Car­los Bu­rity, mú­si­cos que mui­to con­tri­buí­ram pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to da cultura na­ci­o­nal”.

O di­rec­tor na­ci­o­nal da Cultura, Eu­cli­des da Lom­ba, em de­cla­ra­ções à RNA, la­men­tou a mor­te do mú­si­co e com­po­si­tor Te­ta Lá­gri­mas, ten­do su­bli­nha­do que o ano de 2020 tem si­do mui­to du­ro pa­ra a cultura na­ci­o­nal, com a mor­te de vá­ri­os ar­tis­tas em­ble­má­ti­cos.

“Acabamos de to­mar co­nhe­ci­men­to, por con­fir­ma­ção fa­mi­li­ar, de que per­de­mos o Te­ta Lá­gri­mas. O ano de 2020 es­tá a ser bas­tan­te violento, na­qui­lo que tem a ver com a per­da de gran­des no­mes e fi­gu­ras da vi­da cul­tu­ral e ar­tís­ti­ca. Pre­ci­sa­men­te pes­so­as a quem são re­co­nhe­ci­das con­tri­bui­ções éti­cas e pro­fis­si­o­nais com cri­a­ções que fa­zem par­te da me­mó­ria co­lec­ti­va de to­dos nós”, re­al­çou.

Con­si­de­ra­do um dos mai­o­res íco­nes da mú­si­ca po­pu­lar an­go­la­na, Te­ta Lá­gri­mas, de 64 anos, nas­ceu na pro­vín­cia do Zai­re. Fi­lho de Ro­ber­to Te­ta, cres­ceu nos bair­ros Ope­rá­rio e Po­pu­lar, em Lu­an­da, on­de co­me­çou a can­tar aos 14 anos, in­cen­ti­va­do pe­la fa­mí­lia.

É ori­gi­ná­rio de uma fa­mí­lia de ar­tis­tas. O seu avô to­ca­va e can­ta­va fa­dos e a sua mãe era gui­tar­ris­ta e to­ca­va tam­bém acor­deão, e o seu fa­le­ci­do ir­mão Te­ta Lan­do era um dos gran­des íco­nes da mu­sic hall na­ci­o­nal. Os so­bri­nhos Gu­to (ex-Black Com­pany), Ma­nu­e­la Te­ta e Bi­bi­a­na Te­ta (co­ris­ta) tam­bém apos­ta­ram na car­rei­ra mu­si­cal.

Em 1974, Te­ta Lá­gri­mas foi à Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go (RDC), on­de tra­ba­lhou com a Or­ques­tra Ba­bon­go Star e Gran­de Or­ques­tra Vi­ve Cen­ter.

No ano de 1985, emi­grou pa­ra Por­tu­gal, dan­do con­ti­nui­da­de à car­rei­ra mu­si­cal. Na ter­ra de Ca­mões, de­pois de mui­to tra­ba­lho, lan­ça o primeiro CD“Ami­za­de Co­lo­ri­da”, se­guin­do-se as obras “Lu­an­da já Fos­te Lin­da”, “Es­ta pre­ta me Ma­ta” e “Di­le­ma”.

Se­te anos de­pois, em 1992, re­gres­sa a Lu­an­da, a con­vi­te do MPLA, pa­ra par­ti­ci­par nos vá­ri­os es­pec­tá­cu­los de cam­pa­nha pa­ra as eleições do par­ti­do dos ca­ma­ra­das.

Tem no seu re­per­tó­rio vá­ri­as obras dis­co­grá­fi­cas, com des­ta­que pa­ra “Mãe de to­dos nós”, “Coi­sas da Vi­da”, “Di­le­ma”, “Re­nas­cen­te Es­pe­ran­ça”, “Ge­nui­na­men­te”, “Le­tra Cho­ra­da”, “Lá­gri­mas do Co­ra­ção” e o DVD “Le­tra Cho­ra­da”.

 ?? CONTREIRAS PIPA | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO ??
CONTREIRAS PIPA | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO
 ?? EDU­AR­DO PE­DRO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO ?? Mor­te do au­tor de “Ami­za­de Co­lo­ri­da” dei­xa a cultura na­ci­o­nal mais em­po­bre­ci­da
EDU­AR­DO PE­DRO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO Mor­te do au­tor de “Ami­za­de Co­lo­ri­da” dei­xa a cultura na­ci­o­nal mais em­po­bre­ci­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola