Jornal de Angola

Go­ver­no ex­tin­gue Con­se­lho Na­ci­o­nal de Car­re­ga­do­res

Foi cri­a­da, no seu lu­gar, a Agência Re­gu­la­do­ra de Cer­ti­fi­ca­ção de Car­ga e Lo­gís­ti­ca, que vai fis­ca­li­zar e su­per­vi­si­o­nar as ope­ra­ções de trá­fe­go de mer­ca­do­ri­as por via ma­rí­ti­ma, ter­res­tre e aé­rea

- Fon­se­ca Ben­gui

O Exe­cu­ti­vo ex­tin­guiu, on­tem, o Con­se­lho Na­ci­o­nal de Car­re­ga­do­res (CNC), cri­an­do, no seu lu­gar, a Agência Re­gu­la­do­ra de Cer­ti­fi­ca­ção de Car­ga e Lo­gís­ti­ca de An­go­la (ARCCLA).

A decisão foi to­ma­da pe­la Co­mis­são Eco­nó­mi­ca do Con­se­lho de Mi­nis­tros, que es­te­ve reu­ni­da, on­tem, na sua 11ª ses­são or­di­ná­ria, sob ori­en­ta­ção do Pre­si­den­te João Lourenço.

O co­mu­ni­ca­do da reu­nião es­cla­re­ce que a Agência Re­gu­la­do­ra de Cer­ti­fi­ca­ção de Car­ga e Lo­gís­ti­ca de An­go­la é uma pes­soa co­lec­ti­va de di­rei­to pú­bli­co que vai re­gu­lar, fis­ca­li­zar e su­per­vi­si­o­nar as ac­ti­vi­da­des lo­gís­ti­cas e ma­té­ri­as co­ne­xas, bem co­mo as ope­ra­ções de trá­fe­go de mer­ca­do­ri­as por via ma­rí­ti­ma, ter­res­tre e aé­rea.

O pes­so­al e pa­tri­mó­nio do Con­se­lho Na­ci­o­nal de Car­re­ga­do­res fo­ram trans­fe­ri­dos pa­ra a Agência Re­gu­la­do­ra de Cer­ti­fi­ca­ção de Car­ga e Lo­gís­ti­ca de An­go­la.

Pla­ta­for­mas lo­gís­ti­cas

A reu­nião de on­tem apro­vou, tam­bém, uma pro­pos­ta de al­te­ra­ções ao Re­gi­me Ju­rí­di­co da Re­de Na­ci­o­nal de Pla­ta­for­mas Lo­gís­ti­cas (RNPL), com vis­ta a adequá-lo aos ob­jec­ti­vos de de­sen­vol­vi­men­to ma­cro­e­co­nó­mi­co de­fi­ni­dos no Pla­no de De­sen­vol­vi­men­to Na­ci­o­nal 2018-2022.

As al­te­ra­ções vi­sam, ain­da, cri­ar um qua­dro ju­rí­di­co-le­gal mais fa­vo­rá­vel à me­lho­ria das con­di­ções lo­gís­ti­cas do país, ten­do em con­ta a ac­tu­al con­jun­tu­ra eco­nó­mi­ca e so­ci­al. O co­mu­ni­ca­do es­cla­re­ce que as al­te­ra­ções pro­pos­tas têm a ver, gros­so mo­do, com o de­ta­lha­men­to, re­de­fi­ni­ção e ajus­ta­men­to de al­guns as­pec­tos re­la­ci­o­na­dos com os con­cei­tos as­so­ci­a­dos às Pla­ta­for­mas Lo­gís­ti­cas e à res­pec­ti­va in­ter­li­ga­ção.

En­tre es­ses in­clu­em a com­po­si­ção, es­tra­té­gia e li­mi­te do in­ves­ti­men­to pú­bli­co, o mo­de­lo de con­ces­são pre­fe­ren­ci­al e os cri­té­ri­os de pri­o­ri­za­ção de lo­ca­li­za­ções, as­sim co­mo des­bu­ro­cra­ti­za­ção e sim­pli­fi­ca­ção do pro­ce­di­men­to de con­ces­são, re­sul­tan­do na re­du­ção dos cus­tos e ónus re­la­ci­o­na­dos com a ob­ten­ção de to­da a do­cu­men­ta­ção do con­cur­so, com vis­ta a tor­ná-lo mais ali­ci­an­te pa­ra os in­ves­ti­do­res.

Re­gu­la­men­to das Zo­nas Fran­cas

A Co­mis­são Eco­nó­mi­ca apro­vou, tam­bém, o Re­gu­la­men­to da Lei das Zo­nas Fran­cas. O di­plo­ma es­ta­be­le­ce os pro­ce­di­men­tos e for­ma­li­da­des pa­ra a cons­ti­tui­ção, or­ga­ni­za­ção e fun­ci­o­na­men­to das Zo­nas Fran­cas, en­quan­to me­ca­nis­mo de de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co, so­ci­al e ins­tru­men­to de apoio ao in­ves­ti­men­to.

O co­mu­ni­ca­do da reu­nião re­fe­re que o Re­gu­la­men­to da Lei das Zo­nas Fran­cas es­tá ali­nha­do com os ob­jec­ti­vos es­ta­be­le­ci­dos no PDN 2018-2022 em di­fe­ren­tes pro­gra­mas, com par­ti­cu­lar in­ci­dên­cia pa­ra a im­ple­men­ta­ção do Pro­gra­ma de Apoio à Pro­du­ção, Di­ver­si­fi­ca­ção das Exportaçõe­s e Subs­ti­tui­ção das Im­por­ta­ções (PRODESI). O Re­la­tó­rio de Ba­lan­ço de Exe­cu­ção do Pla­no de De­sen­vol­vi­men­to Na­ci­o­nal 2018-2022, re­fe­ren­te ao pe­río­do de Ja­nei­ro a Se­tem­bro des­te ano, re­ce­beu luz ver­de dos mem­bros da Co­mis­são Eco­nó­mi­ca.

O do­cu­men­to re­por­ta as ac­ções de­sen­vol­vi­das até ao fi­nal do III tri­mes­tre, com o ob­jec­ti­vo de ma­te­ri­a­li­zar as pri­o­ri­da­des ge­rais do Exe­cu­ti­vo, tra­du­zi­das nos seis ei­xos de in­ter­ven­ção do re­fe­ri­do Pla­no.

O Exe­cu­ti­vo con­si­de­ra que o ce­ná­rio ma­cro­e­co­nó­mi­co na­ci­o­nal, no pe­río­do em re­fe­rên­cia, foi mar­ca­do pe­la con­trac­ção da ac­ti­vi­da­de pe­tro­lí­fe­ra e não pe­tro­lí­fe­ra, sen­do que o mes­mo se re­flec­tiu so­bre as con­tas fis­cais, com efei­tos ne­ga­ti­vos di­rec­tos so­bre a exe­cu­ção da des­pe­sa pú­bli­ca e, con­se­quen­te­men­te, so­bre a con­cre­ti­za­ção das me­tas es­ta­be­le­ci­das no PDN 2018-2022 pa­ra es­te ano, man­ten­do­se as pre­vi­sões con­ser­va­do­ras so­bre o de­sem­pe­nho eco­nó­mi­co até ao fi­nal do ano, de­vi­do à in­cer­te­za ain­da pre­va­le­cen­te.

A reu­nião apro­vou o Re­la­tó­rio de Ba­lan­ço de Exe­cu­ção da Pro­gra­ma­ção Fi­nan­cei­ra do Te­sou­ro Na­ci­o­nal re­fe­ren­te ao III Tri­mes­tre de 2020. O do­cu­men­to re­flec­te os re­sul­ta­dos da exe­cu­ção dos pres­su­pos­tos da re­cei­ta pa­ra o pe­río­do em re­fe­rên­cia, bem co­mo de exe­cu­ção da des­pe­sa, com e sem in­ci­dên­cia de te­sou­ra­ria.

A Co­mis­são Eco­nó­mi­ca foi in­for­ma­da so­bre o de­sem­pe­nho da Ba­lan­ça de Pa­ga­men­tos e Po­si­ção de In­ves­ti­men­to In­ter­na­ci­o­nal no se­gun­do tri­mes­tre, bem co­mo so­bre a ori­gem e des­ti­no das di­vi­sas du­ran­te o ter­cei­ro tri­mes­tre, am­bos de 2020.

As al­te­ra­ções vi­sam, ain­da, cri­ar um qua­dro ju­rí­di­co-le­gal mais fa­vo­rá­vel à me­lho­ria das con­di­ções lo­gís­ti­cas do país, ten­do em con­ta a ac­tu­al con­jun­tu­ra eco­nó­mi­ca e so­ci­al

 ?? DOMBELE BER­NAR­DO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO ?? Ór­gão au­xi­li­ar do Ti­tu­lar do Po­der Exe­cu­ti­vo in­tro­duz al­te­ra­ções ao Re­gi­me Ju­rí­di­co da Re­de Na­ci­o­nal de Pla­ta­for­mas Lo­gís­ti­cas
DOMBELE BER­NAR­DO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO Ór­gão au­xi­li­ar do Ti­tu­lar do Po­der Exe­cu­ti­vo in­tro­duz al­te­ra­ções ao Re­gi­me Ju­rí­di­co da Re­de Na­ci­o­nal de Pla­ta­for­mas Lo­gís­ti­cas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola