Jornal de Angola

Va­ci­na­ção em gran­de es­ca­la é pos­sí­vel mes­mo em ce­ná­ri­os de con­fli­to

A OMS tem ex­pe­ri­ên­cia de pla­nos de va­ci­na­ção em gran­de es­ca­la

-

A va­ci­na­ção con­tra a Co­vid19 vai ser pos­sí­vel mes­mo em ce­ná­ri­os de con­fli­to e de crise hu­ma­ni­tá­ria, ga­ran­tiu Ch­ris­topher Maher, as­ses­sor do di­rec­tor-ge­ral da Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al de Saú­de (OMS) e an­ti­go res­pon­sá­vel pe­la er­ra­di­ca­ção da po­li­o­mi­e­li­te.

Maher dis­se que a OMS tem ex­pe­ri­ên­cia de pla­nos de va­ci­na­ção em gran­de es­ca­la, mes­mo em paí­ses afec­ta­dos por con­fli­tos, co­mo Sí­ria, So­má­lia e Afeganistã­o.

"Es­tou re­la­ti­va­men­te con­fi­an­te que os ce­ná­ri­os de crise hu­ma­ni­tá­ria não re­pre­sen­tam um obs­tá­cu­lo in­trans­po­ní­vel pa­ra in­tro­du­zir va­ci­nas efi­ca­zes con­tra a Covid-19", dis­se.

Maher, que tra­ba­lhou 25 anos pa­ra a OMS em pro­gra­mas de va­ci­na­ção con­tra a po­li­o­mi­e­li­te em vá­ri­as par­tes do mundo, in­cluin­do co­mo res­pon­sá­vel na Re­gião Me­di­ter­râ­ni­ca Ori­en­tal, dis­se que "en­vol­ver co­mu­ni­da­des é crí­ti­co" e que, em mui­tas situações, é ne­ces­sá­rio ga­ran­tir "no mí­ni­mo, a neu­tra­li­da­de de au­to­ri­da­des lo­cais".

"Exis­te sem­pre um ris­co" de os lí­de­res lo­cais ten­ta­rem "ins­tru­men­ta­li­zar" po­li­ti­ca­men­te a dis­tri­bui­ção das va­ci­nas, ad­mi­tiu, mas es­tá con­ven­ci­do de que a OMS vai ser ca­paz de in­ter­vir na mai­o­ria dos paí­ses.

A pan­de­mia de covid-19 já pro­vo­cou mais de 1,3 mi­lhões de mor­tos no mundo des­de De­zem­bro do ano pas­sa­do.

A Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al de Saú­de (OMS) sau­dou se­gun­da-fei­ra os mais re­cen­tes re­sul­ta­dos dos ensaios clínicos das va­ci­nas con­tra a Covid-19 em de­sen­vol­vi­men­to, mas sa­li­en­tou que as va­ci­nas te­rão que che­gar a mi­lha­res de mi­lhões de pes­so­as. Na con­fe­rên­cia de im­pren­sa de acom­pa­nha­men­to da pan­de­mia, o di­rec­tor-ge­ral da­que­la agência das Na­ções Uni­das, Te­dros

Ghe­breye­sus, afir­mou que os re­sul­ta­dos de pe­lo me­nos três va­ci­nas já anun­ci­a­dos per­mi­tem ter "es­pe­ran­ça re­al de que as va­ci­nas, em con­jun­to com ou­tras medidas de saú­de pú­bli­ca com­pro­va­das, aju­da­rão a aca­bar com es­ta pan­de­mia".

A mais re­cen­te va­ci­na cu­jos ensaios clínicos fo­ram di­vul­ga­dos gun­da-fei­ra, a do la­bo­ra­tó­rio As­traZe­ne­ca e da Uni­ver­si­da­de de Ox­ford, mos­trou ter uma ta­xa mé­dia de efi­cá­cia de 70%, en­quan­to as da Pfi­zer/Bi­oNTe­ch e da Mo­der­na apre­sen­tam, se­gun­do os re­sul­ta­dos pre­li­mi­na­res, ta­xas de efi­cá­cia na ca­sa dos 90%.

Po­rém, tem a van­ta­gem lo­gís­ti­ca de po­der ser ar­ma­ze­na­da en­tre 2 e 8 graus cen­tí­gra­dos, en­quan­to as da Pfi­zer/Bi­oNTe­ch e da Mo­der­na exi­gem ar­ma­ze­na­men­to a tem­pe­ra­tu­ras ex­tre­ma­men­te bai­xas, in­fe­ri­o­res a 70 graus ne­ga­ti­vos.

 ??  ??

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola