Jornal de Angola

Ilu­mi­na­ção pú­bli­ca

-

Até ho­je, não en­ten­do co­mo é que as au­to­ri­da­des não têm um olhar clí­ni­co so­bre a es­cu­ri­dão exis­ten­te em mui­tas áre­as da ci­da­de de Lu­an­da, on­de a fal­ta de ilu­mi­na­ção pú­bli­ca é um cha­ma­riz ao cri­me e aci­den­tes ro­do­viá­ri­os. Pa­ra ci­tar de ca­be­ça, as vi­as pú­bli­cas mais es­cu­ras de Lu­an­da, na mi­nha óp­ti­ca, são as da Co­rim­ba/Mul­ti­per­fil, Fu­tun­go de Be­las/Ben­fi­ca, 11 de No­vem­bro/en­tra­da do Ke­ro, na cen­tra­li­da­de do Ki­lam­ba, a es­tra­da Zan­go Ze­ro/Ca­lum­bo, a Via Ex­pres­sa, principalm­ente do Ho­tel Vic­tó­ria Gar­den até ao com­ple­xo tu­rís­ti­co We­za Pa­ra­di­se, vi­as to­tal­men­te às es­cu­ras. Se os pos­tes de luz que es­tão na via pú­bli­ca ser­vem ape­nas pa­ra en­fei­tar, pen­so que o me­lhor é re­ti­rá­los, por­que is­so até se­ria uma for­ma de tor­nar os mui­tos aci­den­tes me­nos gra­vo­sos, mui­tas vi­das se­rem pou­pa­das com os cho­ques a es­ses equi­pa­men­tos, por­que era su­pos­to te­rem co­mo fun­ção ilu­mi­na­rem as vi­as e ga­ran­ti­rem aos au­to­mo­bi­lis­tas uma mai­or vi­si­bi­li­da­de e uma con­du­ção se­gu­ra aos utentes des­sas vi­as. O ca­ri­ca­to é que nes­sas vi­as há pla­cas de si­na­li­za­ção, co­mo por exem­plo, a do Lar do Pa­tri­o­ta, Pa­vi­lhão Mul­tiu­so do Ki­lam­ba e Pa­vi­lhão do Dre­am Spa­ce. Ago­ra me per­gun­to, co­mo é que um indivíduo que não co­nhe­ce aque­la área, com aque­la es­cu­ri­dão vai ler a pla­ca pa­ra sa­ber co­mo che­gar a es­ses lo­cais, se es­tá tu­do es­cu­ro. JOÃO AN­TÓ­NIO Mor­ro Bento

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola