Jornal de Angola

Na­ti­vis­mo e pro­to­na­ci­o­na­lis­mo em An­go­la

- Filipe Zau |*

Na dé­ca­da 80 do sé­cu­lo XIX, sur­gi­ram em An­go­la vá­ri­os pe­rió­di­cos, num pe­río­do de li­be­ra­lis­mo cons­ti­tu­ci­o­nal e de im­pren­sa li­vre em Por­tu­gal, den­tre eles, «O Co­mér­cio de Lo­an­da», «O Cru­zei­ro do Sul», «A Ci­vi­li­za­ção da Áfri­ca Por­tu­gue­sa», «O Fu­tu­ro de An­go­la», «O Pha­rol do Po­vo», «O Arau­to Afri­ca­no», «O Mu­en’exi», «O De­sas­tre» e «O Po­lí­cia Afri­ca­no». A par­tir des­tes pe­rió­di­cos sur­gi­ram os pri­mei­ros si­nais de des­con­ten­ta­men­to com a si­tu­a­ção só­cio-po­lí­ti­ca da co­ló­nia, on­de se re­la­ta­vam as de­nún­ci­as de cor­rup­ção e abu­sos da au­to­ri­da­de co­lo­ni­al. Das prin­ci­pais per­so­na­gens de in­ter­ven­ção nes­tes pe­rió­di­cos so­bres­sa­em no­mes de jor­na­lis­tas, es­cri­to­res e ho­mens pú­bli­cos, co­mo: An­tó­nio de As­sis Jú­ni­or, Jo­sé de Fon­tes Pereira, Cor­dei­ro da Mat­ta, Pe­dro Fé­lix Ma­cha­do, Francisco Ri­bei­ro Cas­tel­bran­co, Pe­dro da Pai­xão Fran­co, Apo­li­ná­rio Van-Dú­nem e Al­fre­do Tro­ni. Es­tes, en­tre ou­tros, aca­ba­ram por ser con­si­de­ra­dos os pi­o­nei­ros de um jor­na­lis­mo e de uma li­te­ra­tu­ra ver­da­dei­ra­men­te com­pro­me­ti­da com os in­te­res­ses de An­go­la.

De acordo co­mo Má­rio de An­dra­de, em «Ori­gens do Na­ci­o­na­lis­mo Afri­ca­no», o na­ti­vis­mo ex­pri­mia “o sen­ti­men­to co­lec­ti­vo de ser por­ta­dor de va­lo­res pró­pri­os, o re­fe­ren­te de iden­ti­fi­ca­ção e con­fluên­cia das su­as as­pi­ra­ções a uma au­to­no­mia e fu­tu­ra in­de­pen­dên­cia. Con­fun­dia-se, na sua di­men­são po­lí­ti­ca e cul­tu­ral, com o pa­tri­o­tis­mo.” Quan­to ao pro­to­na­ci­o­na­lis­mo, na opi­nião de Cus­tó­dio Gon­çal­ves, em «Iden­ti­da­des cul­tu­rais e emergência do na­ci­o­na­lis­mo an­go­la­no», hou­ve dois as­pec­tos re­le­van­tes, en­tre as dé­ca­das fi­nais do sé­cu­lo XIX e a dé­ca­da de 1930, que es­ta­be­le­ce­ram uma li­ga­ção en­tre a iden­ti­da­de cul­tu­ral e o na­ci­o­na­lis­mo em An­go­la: o primeiro diz res­pei­to às for­mas or­ga­ni­za­das de opo­si­ção à ad­mi­nis­tra­ção co­lo­ni­al, que le­va­ram à emergência de um pro­ces­so ca­da vez mais am­plo de pro­to­na­ci­o­na­lis­mo, atra­vés das rei­vin­di­ca­ções apre­sen­ta­das pe­los “Fi­lhos do País”; o se­gun­do as­pec­to apre­sen­ta, co­mo li­nha de for­ça, “a es­pe­ci­a­li­za­ção de uma po­lí­ti­ca pro­tec­ci­o­nis­ta, con­cre­ti­zan­do, em ter­mos eco­nó­mi­cos, o de­sen­vol­vi­men­to do co­lo­ni­a­lis­mo.”

Ape­sar da sus­pen­são do Có­di­go de Tra­ba­lho In­dí­ge­na de 1911 e ma­lo­gra­das as ten­ta­ti­vas pa­ra li­mi­tar es­tas for­mas de tra­ba­lho por par­te de Nor­ton de Ma­tos – quer en­quan­to go­ver­na­dor-ge­ral (en­tre 1912 e 1914), ou al­to-co­mis­sá­rio (en­tre 1921 e 1924) – es­te go­ver­nan­te acabou por pro­mo­ver a co­lo­ni­za­ção bran­ca à cus­ta das ter­ras e do tra­ba­lho dos cha­ma­dos “in­dí­ge­nas”. Se nu­ma pri­mei­ra fa­se pro­cu­rou es­ta­be­le­cer uma ali­an­ça com os as­si­mi­la­dos atra­vés de ma­ni­fes­ta­ções de to­le­rân­cia ou de apoio às su­as as­so­ci­a­ções, em bre­ve pas­sou do pa­ter­na­lis­mo ao con­tro­lo e à re­pres­são.

Em res­pos­ta, sur­gi­ram ma­ni­fes­ta­ções con­tra o tra­ba­lho for­ça­do (o cha­ma­do “con­tra­to”), com des­ta­que pa­ra a In­sur­rei­ção dos Ba­kon­go (19131915), a Re­vol­ta de Ca­te­te (1922) e di­ver­sas ou­tras no cor­re­dor Lu­an­da-Ma­lan­ge (1922-1925), pa­ra além das re­be­liões em Am­boim, Se­les e Li­bo­lo, pro­vo­ca­das pe­lo au­men­to do Im­pos­to de Pa­lho­ta e que le­va­ram à proi­bi­ção da ven­da de pól­vo­ra e ar­mas aos “in­dí­ge­nas”. Pa­ra que es­te im­pos­to fos­se pa­go re­gu­lar­men­te, fo­ram cri­a­das cir­cuns­cri­ções ci­vis e tais medidas con­du­zi­am a di­fí­ceis situações de so­bre­vi­vên­cia das po­pu­la­ções.

So­bre es­ta ques­tão, Jo­sé Ca­pe­la, em «O Im­pos­to de Pa­lho­ta e a In­tro­du­ção do Mo­do de Pro­du­ção Ca­pi­ta­lis­ta nas co­ló­ni­as», des­cre­ve do se­guin­te mo­do um tes­te­mu­nho so­bre a si­tu­a­ção cri­a­da por es­ta tri­bu­ta­ção: “Nos an­ti­gos ri­cos dis­tri­tos de Ben­gue­la e do Bié, a co­ta­ção do mi­lho da­va pa­ra tu­do. Ho­je, pa­ra um pre­to pa­gar o seu im­pos­to, pre­ci­sa de qua­se 1.500 qui­los de mi­lho, o que re­pre­sen­ta a co­lhei­ta de cer­ca de 3 hec­ta­res. O que lhe fica pa­ra se ali­men­tar e ves­tir? Acres­ce que nos pon­tos afas­ta­dos da li­nha fér­rea, já o co­mer­ci­an­te não lho po­de com­prar de­vi­do ao cus­to do trans­por­te. Co­mo há-de le­var o in­dí­ge­na o seu mi­lho à li­nha se, pa­ra ca­da im­pos­to, são pre­ci­sos cer­ca de 50 pre­tos pa­ra o trans­por­ta­rem? O que su­ce­de? O pre­to ven­de o seu ga­do, se o tem, ou an­da fu­gi­do, pois tam­bém não en­con­tra fa­cil­men­te tra­ba­lho as­sa­la­ri­a­do”.

Do es­col dos in­te­lec­tu­ais da épo­ca, evi­den­ci­a­mos, nes­te tex­to, os no­mes de As­sis Jú­ni­or e de Fon­tes Pereira:

- An­tó­nio de As­sis Jú­ni­or, ad­vo­ga­do pro­vi­si­o­ná­rio, foi dis­cí­pu­lo de Mon­se­nhor Ma­nu­el Al­ves da Cu­nha, au­tor dos li­vros «O Se­gre­do da Mor­ta», «Re­la­to dos Acon­te­ci­men­tos de Da­la Tan­do e Lu­ca­la» e do «Dic­ci­o­ná­rio Kim­bun­do-Por­tu­guês». Foi tam­bém co­la­bo­ra­dor de inú­me­ros jor­nais e re­vis­tas li­te­rá­ri­as e di­rec­tor de «O An­go­len­se». As­su­miu a de­fe­sa dos pro­pri­e­tá­ri­os agrí­co­las na­ti­vos, ten­do si­do pre­so, em 1917, acu­sa­do de li­de­rar uma cons­pi­ra­ção em Da­la Tan­do e Lu­ca­la e, em 1922, em Ca­te­te, sen­do pos­te­ri­or­men­te des­ter­ra­do pa­ra o Cu­ban­go. Foi fun­da­dor da Li­ga Na­ci­o­nal Afri­ca­na e seu di­ri­gen­te em 1930, 1931, 1933 e 1935 e, igual­men­te, fun­da­dor, em 1939, da Co­o­pe­ra­ti­va Afri­ca­na.

- Jo­sé Fon­tes Pereira, um ou­tro ad­vo­ga­do pro­vi­si­o­ná­rio, exer­cia a sua ac­ti­vi­da­de pro­fis­si­o­nal em Lu­an­da. Pa­re­cia re­ve­lar-se, des­de lo­go, um in­de­pen­den­tis­ta, con­tra­ri­a­men­te ao pen­sa­men­to da eli­te in­te­lec­tu­al da épo­ca. Dei­xou tam­bém o seu no­me in­de­le­vel­men­te mar­ca­do no jor­na­lis­mo da épo­ca ao co­la­bo­rar em vá­ri­os jor­nais, co­mo no «Pha­rol do Po­vo» (de 1882 a 1885), com ar­ti­gos que lhe gran­je­a­ram a ad­mi­ra­ção e o res­pei­to dos seus con­ter­râ­ne­os. A ele se de­ve, 60 anos após a da­ta da in­de­pen­dên­cia do Bra­sil, a no­tí­cia so­bre o primeiro gri­to de in­de­pen­dên­cia, da­do pe­lo te­nen­te-co­ro­nel Francisco Pereira Di­niz, “ho­mem pre­to, na­tu­ral de Ben­gue­la, que co­man­da­va as com­pa­nhi­as de li­nha d’aque­la ca­pi­ta­nia”.

* Ph. D em Ci­ên­ci­as da Edu­ca­ção e Mes­tre em Re­la­ções In­ter­cul­tu­rais

 ?? DR ??
DR
 ??  ??

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola