Lo­jas na Huí­la fun­ci­o­nam com al­va­rás alu­ga­dos

Agen­tes co­mer­ci­ais do Lu­ban­go exor­ta­dos a ofi­ci­a­li­za­rem o exer­cí­cio da ac­ti­vi­da­de pa­ra es­ca­pa­rem dos cons­tran­gi­men­tos da ile­ga­li­da­de

Jornal de Economia & Financas - - Destaque - Arão Mar­tins no Lu­ban­go Ar­man­do Vi­ei­ra Ad­mi­nis­tra­dor do Lu­ban­go

Gran­de par­te dos 3.101 es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais que ac­tu­am nas mais va­ri­a­das áre­as, nos ca­tor­ze mu­ni­cí­pi­os que com­põem a pro­vín­cia da Huí­la, fun­ci­o­na com al­va­rás co­mer­ci­ais alu­ga­dos.

Se­gun­do o di­rec­tor pro­vin­ci­al do Co­mér­cio, Ma­nu­el Ma­cha­do Qui­len­de, que pres­tou a in­for­ma­ção ao Jor­nal de Eco­no­mia & Fi­nan­ças, es­sa des­co­ber­ta re­sul­ta da “Ope­ra­ção Res­ga­te”. Ma­nu­el Qui­len­de dis­se que a di­rec­ção pro­vin­ci­al do Co­mér­cio da Huí­la emi­tiu uma so­li­ci­ta­ção que re­sul­tou na cri­a­ção de uma cir­cu­lar, já dis­tri­buí­da a vá­ri­os ór­gãos afins, pa­ra in­ver­ter tal qua­dro, com a le­ga­li­za­ção dos abran­gi­dos.

O res­pon­sá­vel in­for­mou que o seu ór­gão deu um pra­zo de 60 di­as pa­ra que to­do o co­mer­ci­an­te sem al­va­rá co­mer­ci­al em no­me pró­prio se di­ri­ja ao Ga­bi­ne­te Pro­vin­ci­al do Co­mér­cio, In­dús­tria e Re­cur­sos Mi­ne­rais, a fim de le­ga­li­zar-se ou efec­tu­ar um con­tra­to de pres­ta­ção de ser­vi­ço em no­me de ou­trem. O pro­ces­so vi­sa tor­nar de­vi­da­men­te le­ga­li­za­da a prá­ti­ca do co­mér­cio e evi­tar-se a exis­tên­cia de ile­ga­li­da­de e tres­pas­se de al­va­rás.

Ma­nu­el Qui­len­de ex­pli­cou que o tres­pas­se de al­va­rás co­mer­ci­ais é fei­to so­bre­tu­do em pe­que­nas su­per­fí­ci­es e a si­tu­a­ção abran­gen­te a to­dos os mu­ni­cí­pi­os.

Emis­são de al­va­rás

A emis­são do al­va­rá co­mer­ci­al de­cor­re sem so­bres­sal­tos, ga­ran­tiu o di­rec­tor pro­vin­ci­al do Co­mér­cio. O res­pon­sá­vel pre­ci­sou que, des­de a pe­núl­ti­ma edi­ção da Ex­po- -Huí­la, al­tu­ra em que se lan­çou ofi­ci­al­men­te a emis­são lo­cal de al­va­rás co­mer­ci­ais, ga­ran­te-se a to­dos os em­pre­en­de­do­res da pro­vín­cia do­cu­men­tos vá­li­dos, tan­to pa­ra pe­que­nas su­per­fí­ci­es, ac­ção que es­tá a fa­ci­li­tar o sur­gi­men­to de no­vos­co­mer­ci­an­tes.

Re­la­ti­va­men­te aos car­tões co­mer­ci­ais pa­ra pe­que­nas ac­ti­vi­da­des, o di­rec­tor dis­se que an­tes re­gis­ta­va-se 15 so­li­ci­ta­ções por se­ma­na e, ac­tu­al­men­te, o nú­me­ro au­men­tou pa­ra uma mé­dia de 24, “uma de­mons­tra­ção de que as pes­so­as de­vem or­ga­ni­zar-se pa­ra le­gal­men­te efec­tu­a­rem a sua ac­ti­vi­da­de”. “O ga­nho tem um con­tri­bu­to po­si­ti­vo no pro­ces­so de di­ver­si­fi­ca­ção eco­nó­mi­ca e se ca­da um con­tri­buir vai re­flec­tir na­qui­lo que é o Pro­du­to In­ter­no Bru­to (PIB)”, fri­sou.

Ope­ra­ção res­ga­te aca­ba com a ven­da ile­gal no Lu­ban­go

Os be­ne­fí­ci­os da “Ope­ra­ção Res­ga­te” na ci­da­de do Lu­ban­go são fa­cil­men­te per­cep­tí­veis, re­ve­lou o seu ad­mi­nis­tra­dor mu­ni­ci­pal, Ar­man­do Vi­ei­ra. “Po­de­mos di­zer que a ‘Ope­ra­ção Res­ga­te’, que vi­sa o com­ba­te à ven­da em lo­cais im­pró­pri­os, es­tá a sur­tir efei­tos”, dis­se.

Vi­si­vel­men­te, a ope­ra­ção, di­mi­nuiu substancialmente a pro­li­fe­ra­ção de mer­ca­dos na ci­da­de, sen­do que mais de 400 ven­de­do­res, que se fi­xa­vam no pá­tio de­fron­te à Em­pre­sa Na­ci­o­nal de Dis­tri­bui­ção Eléc­tri­ca, fo­ram en­qua­dra­dos no Mer­ca­do Mu­ni­ci­pal e na La­je. Ar­man­do Vi­ei­ra ex­pli­cou que a Ad­mi­nis­tra­ção Mu­ni­ci­pal, em con­jun­to com as au­to­ri­da­des, tra­ba­lha no sen­ti­do de os ven­de­do­res se­rem trans­fe­ri­dos pa­ra os mer­ca­dos do “Mun­do” e “Rio Nan­gom­be”, ti­dos co­mo de re­fe­rên­cia na pro­vín­cia da Huí­la.

O ad­mi­nis­tra­dor es­cla­re­ceu que, pa­ra o Lu­ban­go, a pri­mei­ra fa­se da “Ope­ra­ção Res­ga­te” es­tá in­se­ri­da na ver­ten­te pe­da­gó­gi­ca, a fim de com­ba­ter-se a “de­sor­dem”. De­pois des­te pe­río­do, adi­an­tou, vai pri­mar-se pe­la re­a­li­za­ção de ac­ções úteis à so­ci­e­da­de. Ar­man­do Vi­ei­ra mos­trou-se sa­tis­fei­to com a ac­tu­al fa­se e lou­vou o com­por­ta­men­to da po­pu­la­ção, que tem es­ta­do a co­la­bo­rar e com­pre­en­der o tra­ba­lho que es­tá a ser de­sen­vol­vi­do pe­los fis­cais e agen­tes da or­dem pú­bli­ca.

COM A OPE­RA­ÇÃO DI­MI­NUIU, SUBSTANCIALMENTE, A PRO­LI­FE­RA­ÇÃO DE MER­CA­DOS DE RUA NA CI­DA­DE DO LU­BAN­GO

Ven­da de ter­re­nos

O ad­mi­nis­tra­dor mu­ni­ci­pal do Lu­ban­go anun­ci­ou a exis­tên­cia de vá­ri­as re­cla­ma­ções de po­pu­la­res que ad­qui­ri­ram ter­re­nos, ale­ga­da­men­te com dois ou mais de três pro­pri­e­tá­ri­os. “Há mui­tos li­tí­gi­os e mui­tos ci­da­dãos con­ti­nu­am a re­cor­rer às au­to­ri­da­des po­li­ci­ais, pa­ra abri­rem pro­ces­sos cri­me con­tra fun­ci­o­ná­ri­os da Ad­mi­nis­tra­ção Mu­ni­ci­pal, em ma­té­ria de tres­pas­se de ter­re­nos. “Va­mos aper­fei­ço­ar a abor­da­gem da ma­té­ria por­que não que­re­mos que o ci­da­dão ve­ja à Ad­mi­nis­tra­ção Mu­ni­ci­pal co­mo uma ca­sa do mal. So­mos uma ins­ti­tui­ção pú­bli­ca e exis­ti­mos pa­ra ser­vir o ci­da­dão, as­sim co­mo que­re­mos con­ti­nu­ar a fa­zê-lo com sen­ti­do do bem e não cri­ar má­go­as”, dis­se.

Ex­pli­cou que a re­cla­ma­ção de ter­re­nos abran­ge vá­ri­as áre­as do mu­ni­cí­pio do Lu­ban­go. “Há con­fli- tos de ter­re­nos com du­as ou mais de 3 pes­so­as. Há ain­da li­tí­gi­os de li­cen­ças de cons­tru­ção, mas que de­pois vai-se lá pa­ra em­bar­gar, ape­sar de ser­mos nós, Ad­mi­nis­tra­ção Mu­ni­ci­pal, quem atri­bui a li­cen­ça. So­mos tam­bém nós que, de­pois, va­mos mais tar­de em­bar­gar. São prá­ti­cas que não se co­a­du­nam com os di­as de ho­je, en­quan­to ser­vi­do­res pú­bli­cos. Um dos as­pec­tos que que­re­mos é me­lho­rar, com­ba­ten­do no ver­da­dei­ro sen­ti­do da pa­la­vra, de for­mas a que o ci­da­dão acre­di­te na ad­mi­nis­tra­ção do Lu­ban­go”, dis­se.

Re­co­lha de li­xo

Ape­sar das di­fi­cul­da­des, já é pos­sí­vel no­tar a re­or­ga­ni­za­ção do acon­di­ci­o­na­men­to e re­co­lha de re­sí­du­os só­li­dos no Lu­ban­go, re­co­nhe­ceu Ar­man­do Vi­ei­ra.

O ad­mi­nis­tra­dor do Lu­ban­go dis­se que, no qua­dro da “Ope­ra­ção Res­ga­te”, o li­xo é um pro­ble­ma que de­ve ser abor­da­do com al­gu­ma pon­de­ra­ção. A pro­du­ção de li­xo é uma ac­ti­vi­da­de cons­tan­te e a não re­co­lha acar­re­ta gran­des pro­ble­mas em ter­mos de saú­de pú­bli­ca. Mes­mo com a pa­ra­li­sa­ção das em­pre­sas que ha­vi­am si­do con­tra­ta­das, há to­da a ne­ces­si­da­de de se con­ti­nu­ar com a re­co­lha do li­xo. “Va­mos in­tro­du­zir a es­tra­té­gia de re­co­lher o li­xo por­ta-a-por­ta”, pre­viu. To­dos aque­les que têm car­ri­nha e que­rem en­trar na es­tra­té­gia de re­co­lha de li­xo nes­te mo­de­lo, po­dem en­con­trar uma opor­tu­ni­da­de de ne­gó­cio. Ar­man­do Vi­ei­ra re­co­nhe­ceu que a ac­ção po­de ser en­ca­ra­da co­mo opor­tu­ni­da­de de em­pre­en­der por­que é a co­mu­ni­da­de que vai efec­tu­ar o pa­ga­men­to”. A Ad­mi­nis­tra­ção Mu­ni­ci­pal en­ca­ra a abor­da­gem do acon­di­ci­o­na­men­to e re­co­lha do li­xo co­mo um pro­jec­to da co­mu­ni­da­de e da mu­ni­ci­pa­li­da­de na qual to­do ci­da­dão têm que se re­ver.

ARÃO MAR­TINS | LU­BAN­GO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Co­mér­cio de rua do Lu­ban­go be­ne­fi­cia de um pe­río­do de gra­ça que per­mi­te que aos seus ac­to­res à sua ofi­ci­a­li­za­ção

ARÃO MAR­TINS | LU­BAN­GO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.