10

Jornal de Economia & Financas - - Finanças -

As re­gras de exe­cu­ção da des­pe­sa pú­bli­ca de­ve­rão, da­qui em di­an­te, ser mais cla­ras e vi­ra­das ao fo­men­to da com­pe­tên­cia e da trans­pa­rên­cia, a fim de ob­ter-se uma me­lho­ria sig­ni­fi­ca­ti­va na pres­ta­ção de con­tas e re­gis­to de de­ci­sões to­ma­das em di­ver­sos ní­veis.

De acor­do com o mi­nis­tro de Es­ta­do e Che­fe da Ca­sa Ci­vil do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Fre­de­ri­co Car­do­so, o Exe­cu­ti­vo an­go­la­no, atra­vés das re­for­mas em cur­so no mo­de­lo de exe­cu­ção do Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do(OGE), es­tá em­pe­nha­do na ins­ti­tui­ção de um sis­te­ma de aqui­si­ções pú­bli­cas que as­se­gu­re que os fun­dos do Es­ta­do

PRIN­CÍ­PI­OS

de­vem ser adop­ta­dos co­mo es­sen­ci­al pe­los ges­to­res pa­ra a cor­rec­ta exe­cu­ção das des­pe­sas pú­bli­cas. se­jam uti­li­za­dos de mo­do cor­rec­to e efi­ci­en­te.

Fre­de­ri­co Car­do­so, que dis­cur­sou ter­ça-fei­ra úl­ti­ma na aber­tu­ra da 8ª Con­fe­rên­cia Anu­al dos Or­ga­nis­mos Es­tra­té­gi­cos do Con­tro­lo In­ter­no da Co­mu­ni­da­de dos Paí­ses de Lín­gua Por­tu­gue­sa (OECI – CPLP), dis­se que os con­tra­tos pú­bli­cos de­vem ser ad­ju­di­ca­dos pe­las en­ti­da­des e nos ní­veis de com­pe­tên­cia exi­gi­dos pe­la lei e que co­mo com­pen­sa­ção pe­la ob­ser­vân­cia es­tri­ta des­tes pres­su­pos­tos.

“Va­mos cer­ta­men­te ne­ces­si­tar de es­ta­be­le­cer re­gras de exe­cu­ção da des­pe­sa pú­bli­ca, que se­jam ca­da vez mais cla­ras e que fo­men­tem a com­pe­tên­cia e a trans­pa­rên­cia”, dis­se.

Ou­tras das vá­ri­as me­di­das a se­rem im­plem­net­das, de acor­do com o mi­nis­tro Fre­de­ri­co Car­do­so, são as de me­lho­ria dos me­ca­nis­mos de pres­ta­ção de con­tas e de re­gis­tos das de­ci­sões to­ma­das nos di­ver­sos ní­veis in­ter­ve­ni­en­tes na exe­cu­ção da des­pe­sa pú­bli­ca, in­ves­tir na ca­pa­ci­ta­ção e na qua­li­fi­ca­ção dos qua­dros da ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca e pros­se­guir o tra­ba­lho de aper­fei­ço­a­men­to das re­gras e dos pro­ce­di­men­tos re­la­ti­vos às re­cla­ma­ções e à so­lu­ção de even­tu­ais li­tí­gi­os com os for­ne­ce­do­res de bens e ser­vi­ços aos di­ver­sos ór­gãos e or­ga­nis­mos do Es­ta­do.

Se­gun­do Fre­de­ri­co Car­do­so, os exe­cu­to­res da des­pe­sa pú­bli­ca de­vem ob­ser­var os prin­cí­pi­os da le­ga­li­da­de dos ac­tos pra­ti­ca­dos, da ho­nes­ti­da­de, efi­ci­ên­cia, efi­cá­cia, eco­no­mia, ra­ci­o­na­li­da­de, éti­ca, aus­te­ri­da­de, trans­pa­rên­cia e da re­gu­lar pres­ta­ção de con­tas.

Em com­pen­sa­ção da ob­ser­vân­cia es­tri­ta des­tes pres­su­pos­tos, o di­ri­gen­te pre­vê a re­du­ção ao mí­ni­mo da pos­si­bi­li­da­de de do­lo, cor­rup­ção e es­ban­ja­men­to.

Au­di­to­ri­as re­gu­la­res

A re­a­li­za­ção de au­di­to­ri­as in­ter­nas e ex­ter­nas às ins­ti­tui­ções que exe­cu­tam des­pe­sas pú­bli­cas de­ve­rá ser re­gu­lar.

Es­ta de­ci­são alia-se à me­lho­ria dos in­di­ca­do­res de afe­ri­ção da qua­li­da­de da des­pe­sa pú­bli­ca:

SAN­TOS PE­DRO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

A Ad­mi­nis­tra­ção Ge­ral Tri­bu­tá­ria (AGT) é a por­ta de en­tra­da de re­cei­tas pa­ra a eco­no­mia na­ci­o­nal, mas é na qua­li­da­de da des­pe­sa que o Exe­cu­ti­vo apos­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.