“O quin­tal da mãe Jo­a­na”

Jornal de Economia & Financas - - Opinião - Agos­ti­nho Chi­ta­ta Di­rec­tor do Jor­nal

SO­MOS UM PO­VO E UMA SÓ NA­ÇÃO. E O DE­SA­FIO É A JUS­TI­FI­CA­ÇÃO DES­TE AFORISMO DE UNIÃO. HO­JE A SUA CONCRETIZAÇÃO COR­RE CÉLERE. RENASCE O DE­SE­JO DE UMA ME­LHOR REPARTIÇÃO DAS OPOR­TU­NI­DA­DES

Que mu­ni­cí­pi­os ain­da te­mos? Que mu­ni­cí­pi­os te­re­mos com o pro­ces­so de trans­fe­rên­cia de atri­bui­ções e com­pe­tên­ci­as dos go­ver­nos pro­vin­ci­ais pa­ra as ad­mi­nis­tra­ções mu­ni­ci­pais? Ain­da é uma in­cóg­ni­ta. A ver­da­de é que se pre­ten­de ter mu­ni­cí­pi­os ver­da­dei­ra­men­te fun­ci­o­nais, com au­to­no­mia pa­ra de­ci­dir so­bre ques­tões da vi­da lo­cal. Mu­ni­cí­pi­os que res­pon­dam ao slo­gan: “A vi­da faz-se no mu­ni­cí­pio?

Afi­nal o que é um mu­ni­cí­pio? Con­for­me in­ves­ti­ga­ção, um mu­ni­cí­pio é, ge­ral­men­te, uma di­vi­são ad­mi­nis­tra­ti­va ur­ba­na com es­ta­tu­to cor­po­ra­ti­vo e que, gros­so mo­do, pos­sui um “go­ver­no” e uma ju­ris­di­ção pró­pria. En­ten­de-se tam­bém co­mo o es­pa­ço ter­ri­to­ri­al po­lí­ti­co, por ve­zes com zo­na ru­ral e ur­ba­ni­za­da, den­tro de um Es­ta­do.

So­mos um po­vo e uma só na­ção. E o de­sa­fio é a jus­ti­fi­ca­ção des­te aforismo de união. Ho­je a sua concretização cor­re célere. Renasce o de­se­jo de uma me­lhor repartição das opor­tu­ni­da­des, de um que­brar das as­si­me­tri­as re­gi­o­nais. A sen­sa­ção que exis­te é de um mu­ni­cí­pio re­me­ti­do ao os­tra­cis­mo. On­de tu­do fal­ta. Des­de a saú­de, trans­por­tes e até qua­li­da­de de vi­da. On­de a lei pa­re­ce pas­sar ao la­do de tu­do e to­dos.

Se a “vi­da faz-se no mu­ni­cí­pio”, en­tão é lá on­de se de­vem reu­nir as pri­o­ri­da­des. On­de se de­vem con­cen­trar os fac­to­res de pro­du­ção e aten­der as ne­ces­si­da­des das fa­mí­li­as cam­po­ne­sas. O mu­ni­cí­pio pro­duz o es­sen­ci­al pa­ra a au­to-sus­ten­ta­ção, co­mer­ci­a­li­za­ção lo­cal e tam­bém pa­ra ou­tros mer­ca­dos fo­ra da zo­na ru­ral.

O exer­cí­cio de in­ter­câm­bio en­tre o cam­po e a ci­da­de exis­te mas re­cla­ma por me­lhor or­ga­ni­za­ção. Me­lhor aten­di­men­to e su­per­vi­são ad­mi­nis­tra­ti­va. Pois, por via das re­cei­tas lo­cais, mais fa­cil­men­te se pro­ces­sa o cres­ci­men­to des­tes mu­ni­cí­pi­os.

A ques­tão a co­lo­car tem a ver com a co­bran­ça de im­pos­tos a es­tas co­mu­ni­da­des mai­o­ri­ta­ri­a­men­te cam­po­ne­sa.

Em­bo­ra pos­sui­do­ras de pe­que­nas por­ções de ter­ras, a po­bre­za pa­re­ce ser um fac­to. E sen­do as­sim, co­mo alar­gar e co­brar im­pos­tos nas al­dei­as? Não se vai tor­nar es­tas co­mu­ni­da­des mais in­sig­ni­fi­can­tes do que já es­tão quan­do o pro­pó­si­to é o seu em­po­de­ra­men­to?

É im­por­tan­te que os in­ves­ti­men­tos po­ten­ci­em as lo­ca­li­da­des pa­ra que o que aqui­lo que os mu­ni­cí­pi­os pro­du­zam se­jam me­lhor ra­ci­o­na­li­za­dos e apro­vei­ta­dos. É pre­ci­so que o mo­der­nis­mo e as tec­no­lo­gi­as de pon­ta che­guem com fa­ci­li­da­de e mo­ti­vem a cri­a­ti­vi­da­de lo­cal, in­clu­si­ve, tra­zen­do opor­tu­ni­da­des de em­pre­go e ocu­pa­ção da ju­ven­tu­de lo­cal.

O que se ve­ri­fi­ca é que, co­mo as as­si­me­tri­as des­pres­ti­gi­a­ram o “in­te­ri­or”, o “ma­to”, a mas­sa ju­ve­nil pre­ci­pi­tou-se pa­ra os gran­des cen­tros ur­ba­nos on­de en­con­tra se­gu­ran­ça quan­do da pro­cu­ra por me­lho­res con­di­ções de vi­da.

Des­ta for­ma, di­fí­cil é as­su­mir que a “vi­da se faz no mu­ni­cí­pio”. As evi­dên­ci­as mos­tram que os mu­ni­cí­pi­os não têm vi­da pró­pria. Es­ta­vam mais de­ser­tos do que pre­en­chi­dos.

Mas pe­la des­con­cen­tra­ção ad­mi­nis­tra­ti­va se quer mui­to mais. Quer-se um aten­di­men­to às ne­ces­si­da­des de for­ma mais in­clu­si­va. Pa­ra tal, a pa­na­ceia pas­sa por uma li­de­ran­ça mais pró­xi­ma dos li­de­ra­dos. Uma li­de­ran­ça que não de­ci­da so­zi­nha. Que sai­ba ou­vir e sen­tir que as di­fi­cul­da­des con­tí­nu­as são des­trui­do­ras.

Não se per­ce­be que se vai a um mu­ni­cí­pio e lá nun­ca es­tá o ad­mi­nis­tra­dor por­que não vi­ve e não tem in­te­res­se em lá vi­ver. Exac­ta­men­te, por ra­zões ób­vi­as. Fal­ta de tra­ba­lho. As de­ci­sões, co­mo mui­tos ale­gam, vêm de ci­ma, da su­per-es­tru­tu­ra.

O de­sa­fio é fa­zer com que os ad­mi­nis­tra­do­res tra­ba­lhem de fac­to e vão ao en­con­tro das so­lu­ções do ter­ri­tó­rio so­bre a sua ju­ris­di­ção. Não se com­pre­en­de que o gros­so dos bair­ros de Lu­an­da, por exem­plo, co­mo a “Zo­na Ver­de”, Ben­fi­ca, e ou­tros, mui­to ha­bi­ta­dos, não te­nha as su­as prin­ci­pais ru­as as­fal­ta­das e ain­da a luz eléc­tri­ca, fra­qui­nha, su­por­ta­da (e one­ro­sa!) por pt’s.

Tor­nar vi­sí­veis os mu­ni­cí­pi­os vai va­ler a pe­na e lo­go con­fe­rir a es­tes au­to­no­mia ad­mi­nis­tra­ti­va e fi­nan­cei­ra, vai per­mi­tir que se­jam os mu­ni­cí­pi­os a cui­da­rem dos seus in­te­res­ses. Ain­da o fa­zem mal.

Há a má­xi­ma de que quem de­pen­de não me­lho­ra. A ser ver­da­de, a jus­ti­fi­ca­ção en­con­tra, di­ga­mos, aco­lhi­men­to na si­tu­a­ção pau­pér­ri­ma que ain­da vi­ve­mos, se­jam nos mu­ni­cí­pi­os, nos dis­tri­tos ur­ba­nos, nas al­dei­as e até mes­mo nos gran­des cen­tros ur­ba­nos(?!). É pre­ci­so aca­bar com a fo­me e a mi­sé­ria. Va­mos po­ten­ci­ar eco­no­mi­ca­men­te o país, po­ten­ci­an­do as lo­ca­li­da­des. As mu­ni­ci­pa­li­da­des.

As de­ci­sões de­vem ser re­par­ti­das por­que de­ve­mos pri­mar pe­la qua­li­da­de de vi­da que, ho­nes­ta­men­te, tar­da a che­gar? To­das as bo­as so­lu­ções são pou­cas pa­ra que o cres­ci­men­to e o de­sen­vol­vi­men­to se agi­gan­tem e sin­ta­mos, mer­cê des­ta de­ter­mi­na­ção po­lí­ti­ca de trans­fe­rên­cia de com­pe­tên­ci­as aos mu­ni­cí­pi­os, que a pros­pe­ri­da­de che­gue ao nos­so quin­tal, que não é o “quin­tal da mãe Jo­a­na”.

EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.