Ór­gãos mu­ni­ci­pais de li­cen­ci­a­men­to es­ti­mu­la­dos com a ac­tu­al pro­cu­ra

Ad­mi­nis­tra­ção de Vi­a­na des­cen­tra­li­za ser­vi­ços pa­ra tor­nar mais célere o pro­ces­so de emis­são de car­tões pa­ra os ven­de­do­res am­bu­lan­tes e de ban­ca­da

Jornal de Economia & Financas - - Destaque - Pe­dro Pe­ter­son

AD­MI­NIS­TRA­ÇÃO DE VI­A­NA RE­CE­BE DI­A­RI­A­MEN­TE CER­CA DE 80 PES­SO­AS QUE SOLICTAM OS SEUS SER­VI­ÇOS

As di­rec­ções mu­ni­ci­pais do Co­mér­cio de Lu­an­da con­ti­nu­am a re­gis­tar um nú­me­ro con­si­de­rá­vel de ci­da­dãos que pro­cu­ram os seus ser­vi­ços pa­ra le­ga­li­za­rem as su­as ac­ti­vi­da­des co­mer­ci­ais.

São na sua mai­o­ria se­nho­ras que, lo­go pe­la ma­nhã, se des­lo­cam às di­rec­ções mu­ni­ci­pais e co­mu­nais do Co­mér­cio pa­ra tra­ta­rem os res­pec­ti­vos car­tões de ven­de­do­res am­bu­lan­te, de ban­ca­da, fei­ran­tes e al­va­rás.

Em Vi­a­na, por exem­plo, on­de a nos­sa re­por­ta­gem ini­ci­ou o tra­ba­lho de cam­po, o pro­ces­so de aten­di­men­to aos ci­da­dãos ini­cia às 8 ho­ras, com uma pa­les­tra pa­ra sen­si­bi­li­zar os po­ten­ci­as ven­de­do­res so­bre as van­ta­gens de le­ga­li­za­rem as su­as ac­ti­vi­da­des.

Ape­sar de o pro­ces­so ser bas­tan­te célere, al­guns ven­de­do­res ain­da sa­em meio frus­tra­dos por não pos­suir a do­cu­men­ta­ção com­ple­ta exi­gi­da pa­ra o tra­ta­men­to da li­cen­ça (fo­to­có­pia do Bi­lhe­te de Iden­ti­da­de, 2 fo­to­gra­fi­as e car­tão de con­tri­buin­te).

O ca­so de Ma­ria Na­tá­lia que não pos­sui Bi­lhe­te de Iden­ti­da­de. Dis­se ao JE que, por fal­ta des­se do­cu­men­to, não foi pos­sí­vel tra­tar o car­tão de ven­de­dor de ban­ca­da. Por is­so, te­rá que ar­ran­jar al­guns va­lo­res pa­ra se des­lo­car a Ma­lan­je pa­ra tra­tar o re­fe­ri­do do­cu­men­to.

As­sim, além do do­cu­men­to exi­gi­do, o re­quen­te te­rá que fa­zer um de­pó­si­to de 1.760 kwanzas no Ban­co de Pou­pan­ça e Cré­di­to (BPC), pa­ra a ob­ten­ção de um dos três do­cu­men­tos exi­gi- dos pa­ra a ac­ti­vi­da­de co­mer­ci­al.

O di­rec­tor mu­ni­ci­pal do Co­mér­cio, Ma­nu­el Vaz, dis­se que o pro­ces­so de le­ga­li­za­ção es­tá a cor­rer sem so­bres­sal- tos, tan­to mais que nos úl­ti­mos di­as a di­rec­ção que di­ri­ge tem re­gis­ta­do uma bai­xa con­si­de­rá­vel de mu­ní­ci­pes de 70 a 80 pes­so­as por dia que so­li­ci­tam os seus ser­vi­ços.

“Já re­gis­ta­mos mais en­chen­tes no prin­cí­pio da ope­ra­ção, mas nos úl­ti­mos di­as o nú­me­ro di­mi­nuiu em fun­ção da po­lí­ti­ca de des­cen­tra­li­za­ção ad­mi­nis­tra­ti­va que es­ta­mos a im­ple­men­tar, ra­zão pe­la qual al­guns ci­da­dãos es­tão a ser en­ca­mi­nha­das nas ad­mi­nis­tra­ções co­mu­nais”, dis­se Ma­nu­el Vaz.

Se­gun­do o res­pon­sá­vel, o mu­ni­cí­pio de Vi­a­na con­tro­la ac­tu­al­men­te 12 mer­ca­dos pú­bli­cos e 26 pri­va­dos, “mas exis­tem ou­tros mer­ca­dos in­for­mais que já es­tão em via de le­ga­li­za­ção. Os pro­pri­e­tá­ri­os des­ses mer­ca­dos já fo­ram no­ti­fi­ca­dos e es­tão a pro­cu­rar os nos­sos ser­vi­ços pa­ra pro­ce­de­rem a le­ga­li­za­ção dos seus es­pa­ços”.

Ma­nu­el Vaz dis­se que a ven­da am­bu­lan­te es­tá a ser fei­ta nos lo­cais de­vi­da­men­te es­ta­be­le­ci­dos e de­li­mi­ta­dos. As­sim, as áre­as que es­tão proi­bi­das à ven­da am­bu­lan­te, são a Ave­ni­da Co­man­dan­te Fi­del Cas­tro (Via Ex­pres­so), a Es­tra­da Na­ci­o­nal 230 (Es­tra­da de Ca­te­te) e a Es­tra­da do Ca­lum­bo).

Nas re­fe­ri­das zo­nas, se­gun­do Ma­nu­el Vaz, foi ve­ta­do o exer­cí­cio da ac­ti­vi­da­de por cau­sar inú­me­ros cons­tran­gi­men­tos que se têm re­gis­ta­do no trá­fe­go ro­do­viá­rio “e qual­quer ci­da­dão que for ac­tu­a­do a ven­der nos es­pa­ços con­tra-in­di­ca­dos se­rá apre­e­di­do os bens, pa­ga­men­to de uma mul­ta ou ain­da na cas­sa­ção da sua li­cen­ça”.

JOÃO GO­MES | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Vi­ce-go­ver­na­dor de Lu­an­da pa­ra a Área Eco­nó­mi­ca, Jú­lio Bes­sa, no ac­to de en­tre­ga do pri­mei­ro car­tão de am­bu­lan­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.