Ven­der o “nos­so pei­xe”

Jornal de Economia & Financas - - Opinião -

Nos úl­ti­mos me­ses, An­go­la tem es­ta­do a in­ten­si­fi­car a di­plo­ma­cia eco­nó­mi­ca, com o ob­jec­ti­vo de me­ter “nos car­ris” o te­ci­do pro­du­ti­vo na­ci­o­nal.Com es­te de­sa­fio, o país qu­er a cur­to pra­zo, edi­fi­car uma economia me­nos de­pen­den­te do “ou­ro ne­gro”, prin­ci­pal com­mo­dity de An­go­la e fonte de re­cei­tas, que à mer­cê da vo­la­ti­li­da­de dos pre­ços no mercado in­ter­na­ci­o­nal tem es­ta­do a pro­vo­car inú­me­ros pre­juí­zos.

O Exe­cu­ti­vo ao ele­ger a di­plo­ma­cia eco­nó­mi­ca co­mo um dos es­tei­os para que An­go­la vol­te a ser uma Na­ção com po­de­rio na re­gião Aus­tral, é si­nal de que tu­do es­tá a ser fei­to para que pos­sa­mos de­sem­pe­nhar es­te pa­pel es­tra­té­gi­co.

As vi­si­tas do Ti­tu­lar do Po­der Exe­cu­ti­vo aos EUA, Ale­ma­nha, União Eu­ro­peia, Chi­na, Áfri­ca do Sul (du­ran­te a 10ª ci­mei­ra dos BRICS) e mais re­cen­te­men­te Por­tu­gal, são si­nais evi­den­tes de que a di­vul­ga­ção das nos­sas po­ten­ci­a­li­da­des de­ve con­ti­nu­ar a cons­ti­tuir um dos prin­ci­pais fo­cos.

No iní­cio des­ta se­ma­na, An­go­la foi brin­da­da com a vi­si­ta da pri­mei­ra-mi­nis­tra da No­ru­e­ga, Er­na Sol­berg, que du­ran­te a aber­tu­ra do Fó­rum de Negócios dos dois paí­ses, re­a­li­za­do nu­ma das uni­da­des ho­te­lei­ras da ca­pi­tal, de­fen­deu uma par­ce­ria que pro­mo­va o efec­ti­vo de­sen­vol­vi­men­to dos dois Es­ta­dos.

A che­fe do Go­ver­no da­que­le país nór­di­co é a fa­vor de uma par­ce­ria que con­tri­bua para o de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co e evi­te a vul­ne­ra­bi­li­da­de aos pre­ços do pe­tró­leo, nu­ma al­tu­ra em que apon­tou o nos­so país co­mo o prin­ci­pal par­cei­ro da No­ru­e­ga em Áfri­ca.

Es­tes si­nais mos­tram cla­ra­men­te que as ba­ses lan­ça­das, num pas­sa­do re­cen­te, já co­me­çam a en­con­trar ter­re­no pro­pí­cio para que o cres­ci­men­to eco­nó­mi­co se­ja re­to­ma­do, olhan­do e in­ves­tin­do em áre­as co­mo por exem­plo, Agri­cul­tu­ra, Pes­cas, In­dús­tria trans­for­ma­do­ra e En­si­no, para só ci­tar­mos es­tes im­por­tan­tes sec­to­res.

Além da es­ta­bi­li­da­de ma­cro­e­co­nó­mi­ca que é um fac­tor im­por­tan­te para a me­lho­ria do am­bi­en­te de negócios, a apro­va­ção da no­va Lei do In­ves­ti­men­to Pri­va­do, bem co­mo e, pe­la pri­mei­ra vez, a apro­va­ção da Lei da Con­cor­rên­cia, que pre­vê a cri­a­ção de uma Au­to­ri­da­de da Con­cor­rên­cia têm es­ta­do a cri­ar uma di­nâ­mi­ca só­li­da para que a economia na­ci­o­nal en­con­tre um novo “fô­le­go” e ca­mi­nho para a sua es­ta­bi­li­za­ção.

Na úl­ti­ma se­ma­na, a Agên­cia de In­ves­ti­men­to Pri­va­do e Pro­mo­ção das Ex­por­ta­ções (AIPEX) anun­ci­ou que des­de Maio de 2018, pe­río­do em que en­trou em vi­gor a no­va Lei de In­ves­ti­men­to Pri­va­do, pelo me­nos 57 pro­pos­tas de in­ves­ti­men­to, no va­lor de 502 mi­lhões de dó­la­res, de­ram en­tra­da.

Se­gun­do da­dos da ins­ti­tui­ção, dos in­ves­ti­men­tos apro­va­dos, 30 por cen­to são do sec­tor pri­va­do es­tran­gei­ro e 70 dos in­ves­ti­do­res na­ci­o­nais. Não res­tam dú­vi­das de que es­tes pro­jec­tos po­de­rão au­men­tar a pro­du­ção e fo­men­tar as ex­por­ta­ções.

Nes­te novo pa­ra­dig­ma, ca­da an­go­la­no de­ve ser um “em­bai­xa­dor” para “ven­der” o nos­so pei­xe lá fo­ra, por for­mas a que as nos­sas po­ten­ci­a­li­da­des en­con­trem in­te­res­se de even­tu­ais in­ves­ti­do­res, prin­ci­pal­men­te es­tran­gei­ros, que se­gu­ra­men­te com a fa­ci­li­ta­ção de vis­tos pos­sam ca­da vez mais es­tar mo­bi­li­za­dos.

NES­TE NOVO PA­RA­DIG­MA, CA­DA AN­GO­LA­NO DE­VE SER UM “EM­BAI­XA­DOR” PARA “VEN­DER” O NOS­SO PEI­XE LÁ FO­RA, POR FOR­MAS A QUE AS NOS­SAS PO­TEN­CI­A­LI­DA­DES EN­CON­TREM IN­TE­RES­SE DE EVEN­TU­AIS IN­VES­TI­DO­RES

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.