Me­lhor [email protected] do ho­mem

Jornal de Economia & Financas - - Primeira Página - Ma­teus Ca­vum­bo

Uma re­a­li­da­de que vi­rou mo­da: a In­ter­net. Ho­je é uma ver­da­dei­ra fe­bre que con­ta­gi­ou a to­dos. Te­rá subs­ti­tuí­do o cão? Ac­tu­al­men­te as re­des so­ci­ais ocu­pam lu­gar pri­vi­le­gi­a­do na vi­da dos in­ter­nau­tas. Se­gun­do um re­la­tó­rio so­bre “há­bi­tos e com­por­ta­men­tos na In­ter­net em An­go­la”, 90% ace­dem à In­ter­net por via de ta­blet e te­le­mó­veis. Te­rão se tor­na­do no “me­lhor ami­go do ho­mem?”.

Pas­sa­dos 17 anos, al­tu­ra em que foi adop­ta­do o “Li­vro Bran­co” das Tec­no­lo­gi­as de In­for­ma­ção e Co­mu­ni­ca­ção em An­go­la sob o le­ma: “In­ter­net e banda larga para to­dos” con­ti­nua nos so­nhos. A mas­si­fi­ca­ção do aces­so à In­ter­net em banda larga cons­ti­tui ain­da o de­sa­fio ime­di­a­to para An­go­la, de mo­do a re­du­zir o hi­a­to para os paí­ses com os es­tá­gi­os de de­sen­vol­vi­men­to so­ci­o­e­co­nó­mi­co mais con­so­li­da­dos. Para que ha­ja mai­or atrac­ção de in­ves­ti­men­tos ex­ter­nos, a velocidade de In­ter­net de­ve ser mais rá­pi­da. Se­gun­do pesquisas, Lu­an­da é a ci­da­de que tem uma mai­or ta­xa de pe­ne­tra­ção. Nas res­tan­tes pro­vín­ci­as, só nas se­des mu­ni­ci­pais, mas com velocidade len­ta. Ape­sar dis­so, os re­la­tó­ri­os so­bre o mercado digital re­ve­lam que as ta­xas de cres­ci­men­to na pe­ne­tra­ção da In­ter­net no con­ti­nen­te afri­ca­no em 2018 au­men­ta­ram em mais de 20 por cen­to em re­la­ção a 2017.

Ex­ten­são

Os pes­qui­sa­do­res con­si­de­ram que, ape­sar dos es­for­ços que têm vin­do a ser de­sen­vol­vi­dos por mui­tos go­ver­nos afri­ca­nos para me­lho­rar a co­mu­ni­ca­ção vir­tu­al en­tre os di­fe­ren­tes pon­tos do con­ti­nen­te, a ver­da­de é que um dos mais mo­der­nos mei­os de in­ter­li­ga­ção e de in­for­ma­ção de e para to­do o mun­do, a In­ter­net, ain­da tem uma fra­ca e en­ver­go­nha­da pe­ne­tra­ção em Áfri­ca. Eles con­si­de­ram que mui­tos ve­em ain­da a In­ter­net co­mo um sim­ples meio de en­vi­ar e re­ce­ber emails quan­do, na ver­da­de, ela é mui­to mais do que is­so, e ga­nha uma su­pe­ri­or va­lia quan­do uti­li­za­da para ob­ter in­for­ma­ção útil do pon­to de vis­ta par­ti­cu­lar, co­mer­ci­al ou ofi­ci­al. A ní­vel da Co­mu­ni­da­de dos Paí­ses de Lín­gua Por­tu­gue­sa (CPLP) An­go­la, ape­sar de es­tar bas­tan­te aquém do de­se­ja­do, su­pe­ra a Gui­né-Bis­sau, Mo­çam­bi­que e São To­mé e Prín­ci­pe. Da­dos do úl­ti­mo Cen­so da Po­pu­la­ção e Ha­bi­ta­ção em An­go­la re­ve­la­vam a exis­tên­cia no país de 2.119.946 mi­lhões de uti­li­za­do­res de In­ter­net.

In­di­ca­do­res em An­go­la

Com­pa­ra­ti­va­men­te ao ín­di­ce po­pu­la­ci­o­nal de An­go­la (30 mi­lhões de ha­bi­tan­tes), em ca­da 100 an­go­la- nos ape­nas oi­to usa­vam a In­ter­net, uma vez que a ta­xa de pe­ne­tra­ção sal­tou de 8,2 por cen­to em 2016 para 17,9 por cen­to em 2018, se­gun­do da­dos for­ne­ci­dos pelo Ins­ti­tu­to An­go­la­no das Co­mu­ni­ca­ções (INACOM). Ac­tu­al­men­te, o número de ci­ber­nau­tas em An­go­la é de 5.397 mi­lhões, in­sig­ni­fi­can­te fa­ce à mé­dia de uti­li­za­do­res da In­ter­net da Co­mu­ni­da­de de De­sen­vol­vi­men­to da Áfri­ca Aus­tral (SA DC).

Quan­to aos subs­cri­to­res da re­de fi­xa é de 170.097, da re­de mó­vel 12.954.157, de te­le­vi­são por sa­té­li­te 1.784.585. O INACOM re­ve­la que o sec­tor das Tec­no­lo­gi­as de In­for­ma­ção e Co­mu­ni­ca­ção (TIC) cri­ou 7.258 em­pre­gos di­rec­tos.

A União In­ter­na­ci­o­nal de Te­le­co­mu­ni­ca­ções (UIT), Ban­co Mun­di­al e Di­vi­são de Po­pu­la­ção das Na­ções Uni­das apon­ta­vam que, em 2016, os uti­li­za­do­res de In­ter­net em An­go­la su­bi­ram para 5,951 mi­lhões, mui­to aci­ma de 5,628 mi­lhões em 2015, e de 2014 em que a mé­dia era de 5,150 mi­lhões e de 2013 a 4,478 mi­lhões de usuá­ri­os. A ta­xa de cres­ci­men­to pas­sou de 204,811 em 2005 para 5,9 mi­lhões de usuá­ri­os em 2016.

Pre­vi­sões

As me­tas só se­rão al­can­ça­das ca­so se pres­te mai­or aten­ção à in­clu­são digital apos­tan­do nas in­fra-es­tru­tu­ras do sec­tor das TIC. Por exem­plo, na pro­pos­ta do Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do para 2019, a fim de ins­ta­la­ção do pro­gra­ma de mas­si­fi­ca­ção e in­clu­são digital é atri­buí­da uma verba de 520.703 mi­lhões de kwan­zas (1,6 mi­lhões de dó­la­res nor­te-ame­ri­ca­nos). O Go­ver­no an­go­la­no es­tá com­pro­me­ti­do com o seu pla­no de in­clu­são digital até 2022. No que cons­ta ao Pla­no de De­sen­vol­vi­men­to Na­ci­o­nal (PDN) 2018-2022, a ta­xa de te­le­den­si­da­de digital na­ci­o­nal pre­vê um aumento de 20,65 para 31,18 por cen­to e a de co­ber­tu­ra da re­de digital da po­pu­la­ção ru­ral de 34 para 98,7 por cen­to em 2022. Pa­ra­le­la­men­te a is­so, o número de uten­tes das me­di­a­te­cas com aces­so às TIC ele­va-se a 397 por cen­to até 2022, quan­do al­can­ça­rá 424,6 mil uten­tes. Já o trá­fe­go ge­ra­do em An­go­la com des­ti­no in­ter­na­ci­o­nal sai de 62 por cen­to para 55 Gbps.

PARA A INS­TA­LA­ÇÃO DO PRO­GRA­MA DE MAS­SI­FI­CA­ÇÃO E IN­CLU­SÃO DIGITAL É PRO­POS­TA UMA VERBA DE 520.703 MI­LHÕES DE KWAN­ZAS (USD 1,6 MI­LHÕES) NO OGE 2019

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.