Ope­ra­ção mos­tra re­sul­ta­dos

Jornal de Economia & Financas - - Primeira Página - Car­los Car­do­so

O mercado era a ga­ran­tia de sus­ten­to de mui­tas fa­mí­li­as. Não im­por­ta­va o pro­du­to nem a ori­gem e a for­ma de co­mer­ci­a­li­za­ção: O que in­te­res­sa­va era mes­mo o dinheiro para le­var “lu­me ao fo­gão”.

Ber­ta de Oli­vei­ra Mo­ra­do­ra e ven­de­do­ra O AD­MI­NIS­TRA­DOR DIS­SE QUE NOS DEU LU­GAR NO MERCADO DA “CHAPADA” MAS ES­TÁ A MENTIR Yu Chen Co­mer­ci­an­te AGO­RA ES­TÁ BOM ANTIGAMENTE TI­NHA MUI­TO LIXO. O GO­VER­NO ES­TÁ A TRA­BA­LHAR BEM

Can­ta­da por al­guns dos mais re­no­ma­dos ar­tis­tas da pra­ça an­go­la­na, a área da Ga­ja­jei­ra foi, des­de a era co­lo­ni­al, um pó­lo co­mer­ci­al de re­fe­rên­cia. O qua­dro não se al­te­rou du­ran­te a pri­mei­ra dé­ca­da após a In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal. Nos úl­ti­mos anos, fruto da aber­tu­ra do mercado, a lo­ca­li­da­de viu-se in­va­di­da por um co­mér­cio agres­si­vo e des­re­gra­do, que é ho­je ob­jec­to de com­ba­te por parte do Go­ver­no de for­ma a se res­ga­tar a or­dem, tran­qui­li­da­de e le­ga­li­da­de no lo­cal.

Cons­ta­ta­ção no lo­cal

Olha­res aten­tos e des­con­fi­a­dos, mo­chi­las e em­bru­lhos con­tro­la­dos e um cli­ma de ten­são per­sis­ten­te, são ce­ná­ri­os ago­ra vi­vi­dos no es­pa­ço que já se mos­trou co­mo um dos mai­o­res pon­tos de co­mér­cio da ci­da­de de Lu­an­da. A mu­dan­ça de qua­dro sur­ge da me­di­da do Go­ver­no de aca­bar com o co­mér­cio ir­re­gu­lar na co­nhe­ci­da zo­na dos “Ar­ma­zéns Ga­ja­jei­ra”. As re­ac­ções fi­ze­ram -se lo­go sen­tir, sen­do umas con­tra e ou­tras a fa­vor. A re­por­ta­gem do JE cons­ta­tou que a zo­na apre­sen­ta ho­je um qua­dro de mai­or ur­ba­ni­da­de, sa­lu­bri­da­de e se­gu­ran­ça (Na ver­da­de tu­do es­ta­va mes­mo mal no lo­cal).

Os co­mer­ci­an­tes gros­sis­tas, na sua mai­o­ria de na­ci­o­na­li­da­de Chi­ne­sa, pros­se­guem o ne­gó­cio com a ha­bi­tu­al nor­ma­li­da­de e mui­tos re­go­zi­jam-se com o “novo ar” por se ve­rem li­vres da des­le­al con­cor­rên­cia am­bu­la­tó­ria. Yu Chen, ge­ren­te de uma lo­ja de ves­tuá­rio, lou­va a ini­ci­a­ti­va do Go­ver­no e diz es­tar fe­liz pe­la hi­gi­e­ni­za­ção que a ope­ra­ção es­tá a ga­ran­tir. “Es­tou a gos­tar e acho que as­sim es­tá bom. O Go­ver­no es­tá a tra­ba­lhar mui­to bem” dis­se.

O cor­re cor­re ha­bi­tu­al dos ambulantes, deu lu­gar ao pa­tru­lha­men­to da Po­lí­cia Na­ci­o­nal, com re­cur­so a to­dos mei­os dis­po­ní­veis, sem­pre res­pei­tan­do a dig­ni­da­de hu­ma­na, mes­mo da­que­les ci­da­dãos que tei­mam em não aca­tar as ori­en­ta­ções do Go­ver­no e de­am­bu­lam pe­las ru­as apre­go­an­do a ven­da de to­da na­tu­re­za de pro­du­tos.

Co­mer­ci­an­tes re­a­gem

Ber­ta de Oli­vei­ra é mo­ra­do­ra e co­mer­ci­an­te no lo­cal há qua­se 25 anos. Ho­je la­men­ta a ini­ci­a­ti­va, prin­ci­pal­men­te pe­la épo­ca em que é im­ple­men­ta­da. Para ela, o Exe­cu­ti­vo de­via pri­mei­ro cri­ar con­di­ções, para que pu­des­sem ser trans­fe­ri­das e de­sen­vol­ve­rem a sua ac­ti­vi­da­de em lo­cal se­gu­ro e aces­sí­vel.

“O ad­mi­nis­tra­dor dis­se que nos deu lu­gar no Mercado da ´Chapada`, mas es­tá a mentir. Lá não tem lu­gar para nós”, de­sa­ba­fou.

A “Ga­ja­jei­ra”era a ga­ran­tia de sus­ten­to de mui­tas fa­mí­li­as. Não im­por­ta­va o pro­du­to nem a ori­gem e a for­ma de co­mer­ci­a­li­za­ção: O que in­te­res­sa­va era mes­mo o dinheiro para le­var “lu­me ao fo­gão”.

Ho­je, re­mo­vi­dos do seu pos­to, os vendedores ape­lam para um pe­río­do de gra­ça nes­te mês de De­zem­bro, para que se pos­sam or­ga­ni­zar e ga­nhar al­gum dinheiro para fa­zer fa­ce às ha­bi­tu­ais des­pe­sas do fi­nal de um ano e prin­ci­pio de ou­tro.

´´ Nós qu­e­re­mos que o Go­ver­no nos dei­xe ven­der nes­te mês de De­zem­bro, por­que te­mos mui­tas des­pe­sas para pa­gar. Pro­pi­nas, ma­te­ri­al es­co­lar, co­mi­da e ain­da a ki­xi­qui­la`` de­sa­ba­fou do­na Ade­lai­de Jai­me.

A ope­ra­ção é jus­ti­fi­ca­da com a ne­ces­si­da­de de se re­por a au­to­ri­da­de do Es­ta­do e con­fe­rir dig­ni­da­de ao lo­cal. Ba­nir a de­linquên­cia, o co­mér­cio de­sor­de­na­do e ile­gal, o di­fí­cil aces­so de vi­a­tu­ras e os pro­ble­mas gra­ves de hi­gi­e­ne, cons­tam das in­ten­ções.

A mo­ra­do­ra Car­la Ma­ri­sa diz-se sa­tis­fei­ta com os re­sul­ta­dos con­se­gui­dos até ago­ra com a “Ope­ra­ção Res­ga­te”. Para ela, a im­plan­ta­ção do mercado trou­xe con­sequên­ci­as mui­to da­no­sas para a saú­de hu­ma­na. Ra­tos e to­da uma ga­ma de bi­chos in­va­di­ram o lo­cal por con­ta das vá­ri­as mer­ca­do­ri­as ar­ma­ze­na­das sem obe­di­ên­cia a qual­quer ti­po de nor­ma. “A ven­da aqui es­ta­va a cri­ar mui­tos ma­les co­mo a de­linquên­cia, co­mér­cio de dro­ga e al­guns ca­sos de pros­ti­tui­ção “, acres­cen­tou.

Mercado da Chapada

A re­por­ta­gem do JE ru­mou em se­gui­da para o “Mercado da Chapada “e afe­rir a exis­tên­cia ou não de lu­ga­res para aco­lher os vendedores. O es­pa­ço, com di­men­sões bas­tan­te re­du­zi­das, tem ca­pa­ci­da­de para aco­lher cer­ca de du­zen­tos vendedores, se­gun­do pa­la­vras da sua ad­mi­nis­tra­do­ra, Lu­do­vi­na Jú­lio Afon­so.´´Nes­te mo­men­to te­mos o mercado com­ple­ta­men­te lo­ta­do. Re­ce­be­mos e aco­mo­da­mos 120 ven­de­do­ras que vi­e­ram do ´Ar­re­ou` na Ga­ja­jei­ra`` adi­an­tou. Api­nha­das, as co­mer­ci­an­tes re­cla­mam da fal­ta de cli­en­tes e ape­lam as au­to­ri­da­des no sen­ti­do de se re­ti­rar a to­ta­li­da­de dos vendedores na “Ga­ja­jei­ra”. ´´Estamos aqui, mas as ou­tras con­ti­nu­am a ven­der no Ar­re­ou. A po­lí­cia tem que ver is­so. É pre­ci­so con­tro­lar as ma­no­bras dos chi­ne­ses ``, re­ma­tou uma das ven­de­do­ras des­con­ten­tes. Jun­to da ad­mi­nis­tra­do­ra do mercado, o JE apu­rou que ci­da­dãos chi­ne­ses te­rão con­tac­ta­do ven­de­do­ras para con­ti­nu­a­rem a fa­zer o co­mér­cio de for­ma ca­mu­fla­da, à por­ta dos seus es­ta­be­le­ci­men­tos co­mo for­ma de ra­pi­da­men­te es­co­ar os pro­du­tos ar­ma­ze­na­dos. “As ven­de­do­ras fi­cam aqui até as 11 ho­ras e de­pois vão ou­tra vez ven­der no Ar­re­ou. Fo­ram cor­rom­pi­das por chi­ne­ses que vi­e­ram aqui no mercado” dis­se a ad­mi­nis­tra­do­ra.

Os re­sul­ta­dos da ope­ra­ção têm me­re­ci­do elo­gi­os da po­pu­la­ção, mas ape­la-se ape­nas ao con­tro­lo dos ex­ces­sos por parte dos agen­tes es­ca­la­dos para as di­ver­sas ta­re­fas.

Am­bi­en­te na zo­na da Ga­ja­jei­ra co­nhe­ce no­vos ares após in­ter­ven­ção no qua­dro da Ope­ra­ção Res­ga­te que vi­sa de­vol­ver a au­to­ri­da­de do Es­ta­do e a tran­qui­li­da­de da po­pu­la­ção re­si­den­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.