BNA re­pe­te lei­lões

Ban­co cen­tral as­se­gu­rou a alo­ca­ção im­par­ci­al de moeda es­tran­gei­ra no pa­ga­men­to dos atra­sa­dos dos cli­en­tes

Jornal de Economia & Financas - - Primeira Página - Ar­man­do Es­tre­la

O Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la en­trou para a fa­se de es­ta­bi­li­za­ção cam­bi­al do mercado in­ter­ban­cá­rio, com a re­to­ma­da da ven­da diá­ria de di­vi­sas, em re­sul­ta­do da re­du­zi­da pres­são que se re­gis­tou ul­ti­ma­men­te na pro­cu­ra da moeda es­tran­gei­ra por parte da ban­ca co­mer­ci­al.

OBan­co Na­ci­o­nal de An­go­la (BNA) en­trou para a fa­se de es­ta­bi­li­za­ção cam­bi­al do mercado in­ter­ban­cá­rio, com a re­to­ma­da da ven­da diá­ria de di­vi­sas, em re­sul­ta­do da re­du­zi­da pres­são que re­gis­ta ul­ti­ma­men­te na pro­cu­ra da moeda es­tran­gei­ra por parte da ban­ca co­mer­ci­al, de­pois das me­di­das que in­tro­du­ziu e que ge­ram uma mai­or pre­vi­si­bi­li­da­de no sis­te­ma de câm­bio e uma me­lhor co­mu­ni­ca­ção com a ban­ca.

Du­ran­te o mês de No­vem­bro, o ban­co cen­tral an­go­la­no ven­deu no mercado pri­má­rio, to­dos os di­as, uma mé­dia de 50,835 mi­lhões de dó­la­res, por via de lei­lões de pre­ço (ven­da de di­vi­sas) e de qu­an­ti­da­de (pla­fonds para cartas de cré­di­to) para to­das as fi­na­li­da­des. Para o mês de De­zem­bro, o BNA dis­po­ni­bi­li­za, para ven­da di­rec­ta e diá­ria aos ban­cos co­mer­ci­ais, o equi­va­len­te a 1,2 mil mi­lhões de dó­la­res.

Se­gun­da e ter­ça-fei­ra fo­ram já lei­lo­a­dos 75 mi­lhões de dó­la­res, 5o mi­lhões ao câm­bio mé­dio va­ri­a­do de 311,029 kwan­zas o dó­lar (se­gun­da-fei­ra), e o res­to a uma ta­xa fu­tu­ra. Nos dois úl­ti­mos me­ses, o BNA ven­deu aos ban­cos co­mer­ci­ais um to­tal de 1,81 mil mi­lhões de dó­la­res. Des­de Ja­nei­ro, o ban­co cen­tral ven­deu o mon­tan­te de 11,29 mil mi­lhões de dó­la­res, va­lor su­pe­ri­or em 5,05 por cen­to em re­la­ção ao mes­mo pe­río­do do ano pas­sa­do, quan­do se con­ta­bi­li­zou 10,75 mil mi­lhões de dó­la­res.

Se­gun­do o Co­mi­té de Po­lí­ti­ca Mo­ne­tá­ria (CPM) do BNA, em Se­tem­bro e Ou­tu­bro a con­ta de bens foi su­pe­ra­vi­tá­ria em 4,61 mil mi­lhões de dó­la­res, o que re­pre­sen­tou um aumento de 15,09 por cen­to fa­ce ao pe­río­do ho­mó­lo­go de 2017, jus­ti­fi­ca­do, es­sen­ci­al­men­te, pelo aumento do va­lor das ex­por­ta­ções em 15,16 por cen­to.

As Re­ser­vas In­ter­na­ci­o­nais Bru­tas (RIB) si­tu­a­ram-se em 16,20 mil mi­lhões de dó­la­res, con­tra os 17,09 mil mi­lhões re­gis­ta­dos em Agos­to de 2018. Em ter­mos acu­mu­la­dos, as Re­ser­vas In­ter­na­ci­o­nais Bru­tas re­gis­ta­ram uma re­du­ção de 11,13 por cen­to, o que cor­res­pon­de a um grau de co­ber- tu­ra de im­por­ta­ções de bens e ser­vi­ços de 6,6 me­ses, con­tra os 6,86 me­ses de Se­tem­bro, al­tu­ra em que as RIB es­ta­vam em 16,468 mil mi­lhões de dó­la­res.

O ban­co cen­tral con­ti­nua a rei­te­rar a ne­ces­si­da­de de as ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras ve­ri­fi­ca­rem, ri­go­ro­sa­men­te, a le­gi­ti­mi­da­de e con­for­mi­da­de das ope­ra­ções cam­bi­ais que pro­ces­sam, con­si­de­ran­do a le­gis­la­ção e re­gu­la­men­ta­ção cam­bi­al e de pre­ven­ção e com­ba­te ao bran­que­a­men­to de ca­pi­tais e fi­nan­ci­a­men­to do ter­ro­ris­mo, de for­ma a pro­te­ger as Re­ser­vas In­ter­na­ci­o­nais do país e as su­as re­la­ções com o sis­te­ma fi­nan­cei­ro in­ter­na­ci­o­nal.

O ad­mi­nis­tra­dor do BNA, Pedro Cas­tro e Sil­va, dis­se há di­as que “a pres­são so­bre as di­vi­sas no país ter­mi­nou” e que a ins­ti­tui­ção ia man­ter o cur­so de ac­tu­a­ção da po­lí­ti­ca cam­bi­al até De­zem­bro, já que “aqui­lo que tí­nha­mos de fa­zer no âm­bi­to do Pro­gra­ma de Es­ta­bi­li­da­de Ma­cro­e­co­nó­mi­ca, que era uma mai­or li­be­ra­li­za­ção da ta­xa de câm­bio, já fi­ze­mos”, “es­ta ta­re­fa es­tá cum­pri­da e já não te­mos mais ne­nhum ajus­ta­men­to a fa­zer”.

“As me­di­das to­ma­das ge­ra­ram pre­vi­si­bi­li­da­de e uma mai­or co­mu­ni­ca­ção com os ban­cos co­mer­ci­ais, o que aca­bou por ge­rar um efei­to po­si­ti­vo. Os ban­cos ho­je sa­bem que, se não com­pra­rem se­gun­da-fei­ra, têm mais qua­tro ses­sões de lei­lões do BNA. Es­ta pres­são so­bre as nos­sas di­vi­sas ter­mi­nou e o fac­to de o BNA es­tar a aten­der jus­ta­men­te àqui­lo que os ban­cos es­tão a pro­cu­rar, tem con­tri­buí­do para que a ta­xa de câm­bio se en­con­tre mais es­tá­vel”, su­bli­nhou.

Após um pe­río­do de mai­or in­ter­ven­ção, com o mercado cam­bi­al me­lhor re­gu­la­men­ta­do, e ha­ven­do ago­ra mai­or re­gu­la­ri­da­de na ofer­ta de moeda es­tran­gei­ra, o BNA en­ten­de que es­tão cri­a­das as con­di­ções para se de­vol­ver aos ban­cos co­mer­ci­ais a au­to­no­mia na alo­ca­ção de moeda es­tran­gei­ra aos seus cli­en­tes. Por is­so, des­de 1 de Ou­tu­bro o ban­co cen­tral an­go­la­no dei­xou de pro­ce­der ven­das di­rec­tas de di­vi­sas e as so­li­ci­ta­ções de com­pra de moeda es­tran­gei­ra vol­ta­ram a ser uni­ca­men­te apre­sen­ta­das às ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras au­to­ri­za­das a exer­cer o co­mér­cio de câm­bi­os.

VIGAS DA PURIFICAÇÃO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Re­gu­la­dor ad­mi­te con­tro­lar os im­pac­tos ne­ga­ti­vos na ac­ti­vi­da­de eco­nó­mi­ca do país que ve­nham a ser cons­ta­ta­dos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.