Se­gu­ro de Ga­ran­tia

Jornal de Economia & Financas - - Opinião -

Omo­de­lo de “Se­gu­ro de Ga­ran­tia” é um ti­po de se­gu­ro que tem por ob­jec­ti­vo ga­ran­tir que as em­prei­ta­das se­jam ca­bal­men­te cum­pri­das por parte dos em­prei­tei­ros atra­vés das se­gu­ra­do­ras, que as­se­gu­ram em ca­so de in­cum­pri­men­to o fi­el cum­pri­men­to das obri­ga­ções as­su­mi­das pelo agen­te to­ma­dor, nas con­tra­ta­ções pú­bli­cas, pe­ran­te o en­te se­gu­ra­do, em­pre­sa res­pon­sá­vel pe­la obra, pois tra­ta-se de ga­ran­tir o cum­pri­men­to dos con­tra­tos.

Adi­ci­o­nal­men­te, a se­gu­ra­do­ra ga­ran­te ao Go­ver­no que o con­tra­to de em­prei­ta­da se­rá com­pri­do na ín­te­gra, me­di­an­te fis­ca­li­za­ção e mo­ni­to­ri­za­ção, atra­vés de me­ca­nis­mos pró­pri­os e es­tu­dos es­ta­tís­ti­cos a re­a­li­zar sem que es­te es­te­ja su­jei­to a pro­ba­bi­li­da­des de cor­rup­ção por parte do re­pre­sen­tan­te do Go­ver­no e a em­pre­sa que exe­cu­ta a obra.

O con­tro­lo a efec­tu­ar pe­la se­gu­ra­do­ra vai ga­ran­tir com que a se­gu­ra­do­ra as­su­ma di­an­te do Go­ver­no que o em­prei­tei­ro dis­põe de su­fi­ci­en­tes re­cur­sos téc­ni­cos, hu­ma­nos e fi­nan­cei­ros para po­der hon­rar com as obri­ga­ções con­tra­tu­ais as­su­mi­das me­di­an­te ava­li­a­ção téc­ni­ca de ris­co, no iní­cio e no fi­nal da obra e me­di­an­te a ce­le­bra­ção de um con­tra­to de se­gu­ro de­no­mi­na­do “Se­gu­ro de Ga­ran­tia”.

No ca­so do con­tra­ta­do se tor­nar ina­dim­plen­te ou in­ca­paz de hon­rar o com­pro­mis­so, a se­gu­ra­do­ra de­ve­rá in­ter­vir e as­su­mir com seus pró­pri­os re­cur­sos, a fim de cum­pri-lo ou pa­gar o pre­juí­zo efec­ti­va­men­te que po­de­ri­am vir a ser as­su­mi­dos pelo Go­ver­no.

O “per­for­man­ce bond”, ou se­ja, o “Se­gu­ro de Ga­ran­tia”, sal­va­guar­da não só o Es­ta­do, mas tam­bém tor­na pos­sí­vel que um ter­cei­ro (se­gu­ra­do­ra) as­su­ma res­pon­sa­bi­li­da­des para ga­ran­tir da­nos con­tra even­tu­ais ris­cos de in­cum­pri­men­to por parte de quem re­cai a con­tra­ta­ção da obra, em re­la­ção aos pra­zos, qua­li­da­de e pre­ço.

Es­ta re­a­li­da­de já acon­te­ce em ou­tros mer­ca­dos, e aju­da no com­ba­te à cor­rup­ção e ao bran­que­a­men­to de ca­pi­tais. Des­ta for­ma, qual­quer res­pon­sa­bi­li­da­de ne­ga­ti­va que vi­es­se a ocor­rer, na em­prei­ta­da, re­cai­ria para a se­gu­ra­do­ra dei­xan­do o Go­ver­no de fo­ra.

Os in­ter­ve­ni­en­tes des­ta apó­li­ce são uni­ca­men­te o Go­ver­no, a em­prei­tei­ra con­tra­ta­da para re­a­li­zar a obra e a se­gu­ra­do­ra, que as­su­mi­rá a exe­cu­ção da obra e se­rá a res­pon­sá­vel pe­ran­te o Go­ver­no pelo des­cum­pri­men­to das obri­ga­ções, ca­ben­do-lhe nes­ses ca­sos: con­tra­tar um ter­cei­ro para ter­mi­nar a obra se for o ca­so, con­cluir o pro­jec­to por con­ta pró­pria; in­dem­ni­zar o Go­ver­no con­tra­tan­te ou pa­gar ao Go­ver­no o va­lor que fal­ta para con­cluir a obra.

A mo­da­li­da­de de se­gu­ro “ga­ran­tia” sur­giu nos Es­ta­dos Uni­dos atra­vés da cons­ta­ta­ção, pelo Go­ver­no ame­ri­ca­no, de per­das de va­lo­res mui­to al­tos, em vir­tu­de do in­cum­pri­men­to dos cons­tru­to­res em con­tra­tos pú­bli­cos.

Em 1893, o con­gres­so ame­ri­ca­no apro­vou o cha­ma­do He­ard Act, es­ta­be­le­cen­do a obri­ga­to­ri­e­da­de das cau­ções de ga­ran­ti­as em to­dos os con­tra­tos go­ver­na­men­tais. As­sim, trans­fe­ria para a ini­ci­a­ti­va pri­va­da (Se­gu­ra­do­ras) o ris­co de in­cum­pri­men­to, co­mo o tra­ba­lho de pré-qua­li­fi­ca­ção das em­pre­sas, po­den­do des­ta for­ma apli­car com mai­or se­gu­ran­ça os re­cur­sos pú­bli­cos.

Es­sa mo­da­li­da­de de se­gu­ro ga­ran­te o afastamento da pos­si­bi­li­da­de de cor­rup­ção e mai­or trans­pa­rên­cia, qua­li­da­de e con­tro­lo na exe­cu­ção da obra. O Go­ver­no sai a ga­nhar du­as ve­zes.

Para não en­ca­re­cer o se­gu­ro, ele po­de ser con­tra­ta­do na mo­da­li­da­de de mi­cros­se­gu­ros, e me­di­an­te os ca­pi­tais pe­los pe­río- dos de exe­cu­ção, de­pen­den­do do ta­ma­nho da obra, tem­po de exe­cu­ção e os mon­tan­tes en­vol­vi­dos, uma vez que es­tes po­dem ser de di­fe­ren­tes ti­po­lo­gi­as.

A cor­rup­ção na con­tra­ta­ção pú­bli­ca acon­te­ce na mai­or parte das ve­zes por­que o ges­tor que con­tro­la o in­ves­ti­men­to, co­mo não ti­ra do seu pró­prio bol­so, tem mai­or pro­ba­bi­li­da­de de ser frau­du­len­to pre­ju­di­can­do o Go­ver­no co­mo do­no do dinheiro.

A Con­ven­ção da OCDE con­tra o su­bor­no trans­na­ci­o­nal aju­da a ajus­tar a Lei so­bre An­ti-cor­rup­ção, as cer­ti­fi­ca­ções es­pe­cí­fi­cas lo­cais e in­ter­na­ci­o­nais, bem co­mo o ISO 37000, que com­pro­vam a qua­li­da­de de um pro­gra­ma de com­pli­an­ce an­ti-cor­rup­ção, dão ga­ran­ti­as de uma es­pé­cie de se­gu­ro, re­du­zin­do a ex­po­si­ção aos ris­cos de cor­rup­ção e mi­ti­ga­ção de even­tu­ais san­ções, uma vez que se­guem prin­cí­pi­os bá­si­cos tais co­mo: com­pro­me­ti­men­to das di­rec­ções das em­pre­sas ou as­sump­ção de res­pon­sa­bi­li­da­de ins­ti­tu­ci­o­nal – in­te­gri­da­de.

Sa­be­mos que em An­go­la são mui­tas ain­da as em­pre­sas que não pos­su­em um pro­gra­ma de com­pli­an­ce bem es­tru­tu­ra­do, o que re­sul­ta em di­fi­cul­da­des para cap­tu­rar bo­as opor­tu­ni­da­des de negócios, com par­cei­ros de qua­li­da­de e o pró­prio Go­ver­no ou do po­der pú­bli­co, quan­do is­so co­me­çar a ocor­rer com mai­or ín­di­ce ha­ve­rá mai­o­res chan­ces de ven­cer as li­ci­ta­ções dos go­ver­nos.

An­go­la não es­tá isen­ta da cor­rup­ção, pois o Go­ver­no an­go­la­no per­de mui­to dinheiro e cre­di­bi­li­da­de com a cor­rup­ção. Tra­ta-se de um mal que de­ve ser com­ba­ti­do a to­do-ter­re­no por to­dos.

Lan­ça­mos aqui, um de­sa­fio às se­gu­ra­do­ras: o se­gu­ro con­tra cor­rup­ção de­ve ser uma re­a­li­da­de a cur­to pra­zo, pois en­ten­de­mos que o mo­men­to exi­ge.

ES­SA MO­DA­LI­DA­DE DE SE­GU­RO GA­RAN­TE O AFASTAMENTO DA POS­SI­BI­LI­DA­DE DE COR­RUP­ÇÃO E MAI­OR TRANS­PA­RÊN­CIA, QUA­LI­DA­DE E CON­TRO­LO NA EXE­CU­ÇÃO DA OBRA. O GO­VER­NO SAI A GA­NHAR DU­AS VE­ZES

EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Jú­lio Ma­ti­as Con­sul­tor de Se­gu­ros

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.