Economia pri­va­da

Jornal de Economia & Financas - - Opinião -

As ra­zões que le­va­ram a que a nos­sa economia es­ti­ves­se as­sim, co­mo es­tá, me­nos avan­ça­da e prós­pe­ra, são a par de ou­tros fac­to­res que ocor­re­ram pou­co de­pois do al­can­ce da paz em 2002, adi­ci­o­nan­do ao fac­to de a ide­o­lo­gia po­lí­ti­ca exa­ge­ra­da­men­te pa­ter­na­lis­ta que vi­go­ra­va em An­go­la nos anos de 1975 a 1992. A economia era bas­tan­te cen­tra­li­za­da, na qu­al o Es­ta­do era co­mo que o do­no e o se­nhor de tu­do!

Ten­do a ne­ces­si­da­de da mu­dan­ça de pa­ra­dig­mas até por­que a di­nâ­mi­ca so­ci­o­e­co­nó­mi­ca as­sim o exi­giu, e do ou­tro la­do, ten­do, o en­tão Go­ver­no, se aper­ce­bi­do dos ma­les des­ta ide­o­lo­gia e das be­nes­ses da des­cen­tra­li­za­ção eco­nó­mi­ca, em 1992, o país ab­di­cou do mo­de­lo de economia cen­tra­li­za­da. En­tre­tan­to, al­gu­mas em­pre­sas pú­bli­cas co­nhe­ce­ram do­nos pri­va­dos, bem co­mo quem ti­ves­se po­der fi­nan­cei­ro e qui­ses­se em­pre­en­der po­dia fa­zê-lo. Con­tu­do, com o pas­sar do tem­po, aque­las em­pre­sas que con­ti­nu­a­ram pú­bli­cas “gros­so mo­do” não eram ren­tá­veis, e tan­tas ou­tras, só pre­juí­zos apre­sen­ta­vam ao Es­ta­do. A ver­da­de ver­da­dei­ra é que a fal­ta do ri­gor e trans­pa­rên­cia na ges­tão da coi­sa que a to­dos per­ten­ce e de pres­ta­ção de con­tas e a im­pu­ni­da­de eram de fac­to as di­vi­sas que con­co­mi­tan­te­men­te ma­ni­e­ta­vam o nor­mal e prós­pe­ro fun­ci­o­na­men­to de mui­tas em­pre­sas pú­bli­cas. E, is­so, de o Es­ta­do só in­ves­tir, e na­da ou qua­se na­da lu­crar tem ti­do re­per­cus­sões ne­fas­tas à nos­sa economia nos di­as de ho­je.

Não é à toa que se pre­ten­de para bre­ve avan­çar-se com a pri­va­ti­za­ção de vá­ri­as em­pre­sas pú­bli­cas, so­bre­tu­do as fa­li­das. Is­so é si­nal cla­ri­vi­den­te que o nos­so Exe­cu­ti­vo ad­mi­te que, por um la­do, o es­ti­lo de economia des­cen­tra­li­za­da adop­ta­do, que co­me­çou a vi­go­rar des­de 1992, não ga­nhou uma tra­jec­tó­ria efi­ci­en­te e por ou­tro la­do, que al­guns ges­to­res pú­bli­cos, a quem o an­ti­go Exe­cu­ti­vo de­bi­tou confiança para ge­rir as nos­sas em­pre­sas – que só re­pre­sen­tam pre­juí­zos ao Es­ta­do -não cum­pri­ram sa­tis­fa­to­ri­a­men­te com as ta­re­fas que lhes fo­ram aco­me­ti­das.

O ce­ná­rio de cen­tra­li­za­ção eco­nó­mi­ca tor­nou o Es­ta­do no mai­or em­pre­ga­dor – e co­mo se não bas­tas­se, so­bre­tu­do em 2015, foi for­mal­men­te re­co­nhe­ci­da que exis­ti­am inú­me­ros tra­ba­lha­do­res fan­tas­mas na fun­ção pú­bli­ca –e, por is­so mes­mo, pos­sui­dor de uma car­ga sa­la­ri­al exa­ge­ra­da­men­te gor­da, que na­tu­ral­men­te foi se tor­nan­do in­sus­ten­tá­vel, uma vez que mui­tas em­pre­sas eou­tros ór­gãos do Es­ta­do não pro­du­zi­am o su­fi­ci­en­te de for­ma a pro­ver al­gum equi­lí­brio aos cus­tos va­riá­veis e fi­xos. Lo­go, enú­me­ras ve­zes, o Es­ta­do via-se obri­ga­do a ta­par os bu­ra­cos fi­nan­cei­ros. E, na con­tra­par­te, a fa­tia fi­nan­cei­ra que ser­vi­ria para ou­tros sec­to­res os mais can­den­tes e pri­o­ri­tá­ri­os fi­ca­ram mais pe­que­na.

Eu cres­ci, ou­vin­do dos mais-ve­lhos e não só de que tra­ba­lhar na fun­ção pú­bli­ca é me­lhor do que no pri­va­do. Pas­sa­dos vá­ri­os anos, a re­tó­ri­ca é qua­se a mes­ma! E, is­so é mau! Pois, é pre­ci­so di­zer que es­ta visão é fun­da­men­tal­men­te fruto da nos­sa his­tó­ria eco­nó­mi­ca. To­da­via, mais em­pre­sas pri­va­das e um mercado de tra­ba­lho di­ver­si­fi­ca­do, ten­do o Es­ta­do, ape­nas co­mo o ár­bi­tro e fa­ci­li­ta­dor (…), fa­rá gra­du­al­men­te com que o pa­ca­to ci­da­dão mu­de a sua for­ma de pen­sar e en­ca­re me­lhor as coi­sas. Uma vez que o que ele qu­er é o em­pre­go, o pri­va­do lhe po­de­rá ofe­re­cer, não o Es­ta­do. Ele de­ve en­ten­der que é a sua com­pe­tên­cia pro­fis­si­o­nal, que lhe vai aju­dar a conquistar e a man­ter o seu pos­to de tra­ba­lho.

Des­de lo­go, pre­ci­sa­mos to­dos en­ten­der que tra­ba­lhar na fun­ção pú­bli­ca não nos remete a produzir me­nos do que no pri­va­do. Sen­ti­men­to es­te en­rai­za­do du­ran­te al­gum tem­po na ca­be­ça de mui­ta gen­te e em par­ti­cu­lar na de mui­tos ser­vi­do­res pú­bli­cos, e ten­do di­rec­to e pe­no­sa­men­te pre­ju­di­ca­do o de­sem­pe­nho de mui­tas ins­ti­tui­ções pú­bli­cas.

É che­ga­da a era da “economia pri­va­da”, a era de tu­do ser fei­to, sem “mãos a me­dir”, para que as po­pu­la­ções te­nham à me­sa o “fei­to em An­go­la” para se ali­men­tar, pelo que o país é ins­ta­do a eli­mi­nar já, já a pro­ble­má­ti­ca que con­ti­nua a fa­zer fu­ror, no­me­a­da­men­te, a do al­to cus­to da pro­du­ção na­ci­o­nal.

PRE­CI­SA­MOS TO­DOS EN­TEN­DER QUE TRA­BA­LHAR NA FUN­ÇÃO PÚ­BLI­CA NÃO NOS REMETE A PRODUZIR ME­NOS DO QUE NO PRI­VA­DO

EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

An­dra­de A. Am­bró­sio Téc­ni­co Su­pe­ri­or de Ges­tão e ana­lis­ta eco­nó­mi­co

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.