EM­PRE­SA PÚ­BLI­CA AS­SU­ME VEN­DA DE ÁGUA NAS GIRAFAS EM LU­AN­DA

Jornal de Economia & Financas - - Infra-estrutura -

A Em­pre­sa Pú­bli­ca de Águas de Lu­an­da (EPAL) de­ve­rá as­su­mir to­tal­men­te o con­tro­lo da ges­tão dos pon­tos de ven­da de água (girafas) na ca­pi­tal an­go­la­na, a par­tir do iní­cio de 2020, anun­ci­ou uma fon­te pró­xi­ma ao pro­ces­so. De acor­do com a fon­te, a em­pre­sa es­tá já a as­su­mir fa­se­a­da­men­te a ges­tão e o con­tro­lo das 13 girafas de abas­te­ci­men­to de água aos ca­miões cis­ter­nas, an­te­ri­or­men­te en­tre­gues a en­ti­da­des pri­va­das. As girafas ou pon­tos de abas­te­ci­men­to de água ti­nham si­do en­tre­gues a en­ti­da­des pri­va­das, com ba­se em con­tra­tos as­si­na­dos há no­ve anos, se­gun­do dis­se a fon­te, que pre­fe­riu o ano­ni­ma­to. A mes­ma fon­te pre­ci­sou que es­tão já a ser ge­ri­das pe­la EPAL três des­sas girafas, que ti­nham si­do en­tre­gues a pri­va­dos, ale­ga­da­men­te de­vi­do à “van­da­li­za­ção” das con­du­tas adu­to­ras por par­te dos ga­rim­pei­ros do lí­qui­do. As girafas têm auxiliado na dis­tri­bui­ção de água po­tá­vel à ci­da­de, uma vez que não há ca­pa­ci­da­de su­fi­ci­en­te da re­de em fazer che­gar água a to­dos os do­mi­cí­li­os. A EPAL, se­gun­do a fon­te, irá tam­bém tra­ba­lhar num re­gu­la­men­to do con­tro­lo do pre­ço da água, a fim de evi­tar a es­pe­cu­la­ção. O pre­ço de re­ven­da es­tá na or­dem dos kz 1.500 por me­tro cú­bi­co, con­tra ape­nas kz 258 por me­tro cú­bi­co pra­ti­ca­dos pe­la EPAL, nos ter­mos do De­cre­to Exe­cu­ti­vo 230/18, de 12 de Ju­nho, sobre o No­vo Pla­no Ta­ri­fá­rio de Água Po­tá­vel. As­sim, a EPAL e o Go­ver­no de Lu­an­da tra­ba­lha­rão com ou­tras en­ti­da­des na de­fi­ni­ção das me­lho­res for­mas para se pôr co­bro às prá­ti­cas es­pe­cu­la­ti­vas por par­te dos re­ven­de­do­res de água. Em Lu­an­da, a EPAL tem uma ca­pa­ci­da­de ins­ta­la­da de pou­co mais de 500 mil me­tros cú­bi­cos de água/dia, quan­do as ne­ces­si­da­des es­tão aci­ma de um mi­lhão e 200 mil me­tros cú­bi­cos. “Es­se as­si­na­lá­vel dé­fi­ce po­de­rá ser mi­ti­ga­do com a exe­cu­ção de no­vos pro­jec­tos que se pers­pec­ti­va ini­ci­a­rem ain­da no de­cor­rer des­te ano”, dis­se a fon­te.

EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Uma cen­tral de cap­ta­ção de água

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.