Au­to­ri­da­de Con­fli­to e Ma­tu­ri­da­de

Jornal de Economia & Financas - - Gestão -

Para os es­cri­to­res clás­si­cos, a au­to­ri­da­de era vis­ta como um fe­nó­me­no le­gal, de ci­ma para bai­xo. Para fayol, au­to­ri­da­de é o po­der de dar or­dens e o di­rei­to de ser obe­de­ci­do. Para We­ber, au­to­ri­da­de sig­ni­fi­ca a pro­ba­bi­li­da­de de que um co­man­do ou or­dem es­pe­cí­fi­ca se­ja obe­de­ci­do. Já os com­por­ta­men­ta­lis­tas, como Bar­nard, de­fi­nem au­to­ri­da­de como um fe­nó­me­no psi­co­ló­gi­co ve­ri­fi­ca­do de bai­xo para ci­ma, mas, a par­tir de quem obe­de­ce. Nem to­das as or­dens são obe­de­ci­das. O in­di­ví­duo obe­de­ce não pe­lo po­der da au­to­ri­da­de, mas de­ci­de cons­ci­en­te­men­te en­tre a al­ter­na­ti­va de obe­de­cer ou não. Obe­de­ce, se lhe traz van­ta­gem, ou de­so­be­de­ce, se traz des­van­ta­gens, às quais quer evi­tar. A au­to­ri­da­de é vis­ta como um fe­nó­me­no, pe­lo qual o su­bor­di­na­do acei­ta de­ci­sões e or­dens do su­pe­ri­or sob cer­tas con­di­ções como: t 0 TVCPSEJOBE­P QPEF FOUFOEFS a or­dem. t /ÍP B KVMHB JODPNQBUÓW­FM DPN os seus ob­jec­ti­vos pes­so­ais. t /ÍP B KVMHB JODPNQBUÓW­FM DPN os ob­jec­ti­vos or­ga­ni­za­ci­o­nais t &TUÈ NFOUBM F GJTJDBNFOU­F BQUP a cum­pri-la Nes­sa vi­são, a au­to­ri­da­de não de­pen­de do su­pe­ri­or, mas sim da dis­po­si­ção do su­bor­di­na­do em acei­tá-la, pois a de­so­be­di­ên­cia re­pre­sen­ta a ne­ga­ção da au­to­ri­da­de. Os ad­mi­nis­tra­do­res exe­cu­tam as su­as ta­re­fas por meio de ou­tras pes­so­as. O prin­ci­pal fac­tor do pro­ces­so ad­mi­nis­tra­ti­vo é a au­to­ri­da­de, pe­la qual ou­tras pes­so­as são di­ri­gi­das e ori­en­ta­das. Ca­be aos ad­mi­nis­tra­do­res com­pre­en­der o con­cei­to com­por­ta­men­ta­lis­ta, se­gun­do o qual, um su­bor­di­na­do acei­ta a au­to­ri­da­de quan­do per­mi­te que o seu com­por­ta­men­to se­ja di­ri­gi­do pe­las de­ci­sões do seu su­pe­ri­or, sem exa­mi­nar o mé­ri­to de­la. Qual­quer even­to que se pre­ten­da le­var a au­to­ri­da­de além da “zo­na de acei­ta­ção”, não se­rá obe­de­ci­da.

DR

Conflitos ge­ram ins­ta­bi­li­da­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.