Prin­cí­pio da pru­dên­cia nas or­ga­ni­za­ções

Jornal de Economia & Financas - - Gestão -

O prin­cí­pio da pru­dên­cia pres­su­põe o emprego de cer­to grau de pre­cau­ção no exer­cí­cio dos jul­ga­men­tos ne­ces­sá­ri­os às es­ti­ma­ti­vas em cer­tas con­di­ções de in­cer­te­za, no sen­ti­do de que ac­ti­vos e re­cei­tas não se­jam su­per es­ti­ma­dos e que pas­si­vos e des­pe­sas não se­jam su­bes­ti­ma­dos, atri­buin­do mai­or con­fi­a­bi­li­da­de ao pro­ces­so de men­su­ra­ção e apre­sen­ta­ção dos com­po­nen­tes pa­tri­mo­ni­ais.

Para me­lhor en­ten­der a sua apli­ca­bi­li­da­de, de­ve­mos lem­brar-nos de fac­tos que exi­gem es­ti­ma­ti­vas e que en­vol­vem in­cer­te­zas de grau va­riá­vel. Es­ses fac­tos ge­ral­men­te re­fe­rem-se a mu­ta­ções pos­te­ri­o­res ao fim do exer­cí­cio, como por exem­plo, a exis­tên­cia de uma ac­ção trabalhist­a con­tra a em­pre­sa - cu­jo des­fe­cho so­men­te ocor­re­rá após o fi­nal do exer­cí­cio fi­nan­cei­ro.

Nes­te ca­so, é ne­ces­sá­rio cons­ti­tuir uma pro­vi­são para per­das, aten­den­do ao Prin­cí­pio da pru­dên­cia, mes­mo sa­ben­do que o re­sul­ta­do po­de­rá ser fa­vo­rá­vel à em­pre­sa. O ris­co de fa­lên­cia de um cli­en­te da em­pre­sa é ou­tro ca­so no qual de­ve­mos apli­car o Prin­cí­pio da pru­dên­cia, mes­mo sa­ben­do que tal­vez não ha­ja per­da to­tal do cré­di­to a re­ce­ber do cli­en­te fa­li­do, ou ain­da, o cli­en­te po­de até re­ver­ter a sua si­tu­a­ção pré-fa­lên­cia, mas a pro­vi­são de­ve­rá le­var em conta o cri­té­rio que re­sul­te num me­nor Pa­tri­mó­nio Lí­qui­do, re­sul­tan­do, nes­te ca­so, nu­ma pro­vi­são 100 por cen­to do cré­di­to re­la­ti­vo ao cli­en­te.

Ob­ser­ve que na apli­ca­ção do Prin­cí­pio da Pru­dên­cia há sem­pre in­cer­te­zas, pois quan­do há cer­te­za em re­la­ção ao va­lor a ser pro­vi­si­o­na­do, o seu re­gis­to es­ta­rá a aten­der o prin­cí­pio da opor­tu­ni­da­de. En­tre­tan­to, a apli­ca­ção do Prin­cí­pio da Pru­dên­cia não de­ve le­var a ex­ces­sos, à si­tu­a­ções clas­si­fi­cá­veis como ma­ni­pu­la­ções dos re­sul­ta­dos, com a con­se­quen­te cri­a­ção de re­ser­vas ocul­tas. Pe­lo con­trá­rio, de­ve cons­ti­tuir ga­ran­tia de ine­xis­tên­cia de va­lo­res ar­ti­fi­ci­ais, de in­te­res­se de de­ter­mi­na­das pes­so­as, especialme­nte ad­mi­nis­tra­do­res e con­tro­la­do­res, as­pec­to mui­to im­por­tan­te nas En­ti­da­des in­te­gran­tes do mer­ca­do de ca­pi­tais. De­ve-se evi­tar, por­tan­to, a pre­va­lên­cia de juí­zos pu­ra­men­te pes­so­ais ou de ou­tros in­te­res­ses na apli­ca­ção da pru­dên­cia.

DR

A apli­ca­ção da pru­dên­cia não de­ve le­var a ex­ces­sos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.