Tra­jec­tó­ria de Ma­nu­el Rui ga­ran­te “Íco­ne Na­ci­o­nal”

Es­cri­tor mar­ca uma tra­jec­tó­ria de su­ces­sos que lhe va­le­ram a pu­bli­ca­ção in­ter­na­ci­o­nal de al­gu­mas das su­as obras

Jornal de Economia & Financas - - Lazer - Car­los Car­do­so

Aúl­ti­ma edi­ção do “Glo­bos de Ou­ro An­go­la” dis­tin­guiu o es­cri­tor, po­e­ta, en­saís­ta e crítico li­te­rá­rio Ma­nu­el Rui Al­ves Mon­tei­ro como Íco­ne Na­ci­o­nal.

O tam­bém au­tor de uma das mais co­nhe­ci­das e in­ter­na­ci­o­na­li­za­das obras li­te­rá­ri­as an­go­la­nas “Quem me de­ra Ser On­da”, nas­ceu na pro­vín­cia do Hu­am­bo

no ano de 1941. Li­cen­ci­a­do em di­rei­to pe­la Uni­ver­si­da­de de Coim­bra ( Por­tu­gal), Rui Mon­tei­ro desde ce­do de­mons­trou veia poé­ti­ca, o que lhe va­leu o in­gres­so como mem­bro da re­dac­ção da re­vis­ta “Vér­ti­ce” e da di­rec­ção da Cen­te­lha Edi­to­ra, on­de pu­bli­cou “A On­da” em 1973. De re­gres­so à ter­ra na­tal em 1974, ocu­pou di­ver­sos car­gos po­lí­ti­cos, ten­do si­do Mi­nis­tro da In­for­ma­ção do Go­ver­no de Tran­si­ção. Foi igual­men­te o pri­mei­ro re­pre­sen­tan­te de An­go­la na Or­ga­ni­za­ção da Uni­da­de Afri­ca­na e nas Na­ções Uni­das.

Mem­bro fun­da­dor da União dos Ar­tis­tas e Com­po­si­to­res An­go­la­nos, União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos e da So­ci­e­da­de de Au­to­res An­go­la­nos, Ma­nu­el Rui as­si­na a au­to­ria do Hi­no Na­ci­o­nal, mu­si­ca­do por Rui Min­gas.

Se­gun­do a “Fil­las Pro­du­ções” em “Vi­da e Obra de Ma­nu­el Rui Al­ves Mon­tei­ro” , Ma­nu­el Rui é das vo­zes que atra­vés da li­te­ra­tu­ra, ten­ta con­tri­buir para a afir­ma­ção de uma cul­tu­ra de raiz ver­da­dei­ra­men­te an­go­la­na. A sua obra as­sen­ta, so­bre­tu­do, no uso de ex­pres­sões e vo­cá­bu­los sur­gi­dos da di­nâ­mi­ca da guer­ra. É uma li­te­ra­tu­ra mar­ca­da pe­los anos de lu­ta ar­ma­da, de rei­vin­di­ca­ção por uma in­de­pen­dên­cia, por uma voz pró­pria. Mar­ca a sua obra um por­tu­guês mes­cla­do com ex­pres­sões e vo­cá­bu­los tí­pi­cos, re­gi­o­nais e na­ci­o­nais que im­pri­mem à esta “no­va” li­te­ra­tu­ra, uma di­nâ­mi­ca mui­to pró­pria, que traz a esta na­ção a ex­pres­são co­lec­ti­va do po­vo que pre­ten­de as­sim, afir­mar uma iden­ti­da­de pró­pria.

De des­ta­car que o es­cri­tor é au­tor da pri­mei­ra obra an­go­la­na de li­te­ra­tu­ra in­fan­til “A Cai­xa” pu­bli­ca­da no ano de 1977.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.