“Te­mos de ter ca­pa­ci­da­de de cri­ar ri­que­za”

O mer­ca­do vai ter que se adap­tar ao pre­ço re­al dos com­bus­tí­veis. Fa­ce às li­mi­ta­ções or­ça­men­tais, não é pos­sí­vel con­ti­nu­ar a sub­si­di­ar os com­bus­tí­veis que, aliás, não be­ne­fi­ci­am as ca­ma­das mais ne­ces­si­ta­das da po­pu­la­ção.

Jornal de Economia & Financas - - Primeira Página - Ar­man­do Es­tre­la

O eco­no­mis­ta e ges­tor, La­go de Car­va­lho, acon­se­lhou para que te­nha­mos de nos ir adap­tan­do a vi­ver me­nos dos re­cur­sos pe­tro­lí­fe­ros e mais da ca­pa­ci­da­de da eco­no­mia de cri­ar ri­que­za. “O nos­so país é, mes­mo as­sim, um dos mais be­ne­fi­ci­a­dos e, por is­so, te­mos só que apren­der a ge­rir me­lhor os nos­sos re­cur­sos. Para o ges­tor, en­tre o iní­cio de no­vas ex­plo­ra­ções e o arranque de no­vas pro­du­ções (de pe­tró­leo) há um pe­río­do de 6 a 7 anos. O de­clí­nio da pro­du­ção vai con­ti­nu­ar, até ter­mos no­vas des­co­ber­tas .

Mui­to não dis­se nes­ta cur­ta en­tre­vis­ta, mas, do pou­co que fa­lou, o eco­no­mis­ta e ges­tor Arnaldo La­go de Car­va­lho, po­dem-se per­ce­ber al­gu­mas vi­as que a eco­no­mia an­go­la­na de­ve tri­lhar, para que o pe­tró­leo se­ja es­que­ci­do de uma vez, en­quan­to ain­da “jor­ra”. La­go de Car­va­lho dis­se que a re­cu­pe­ra­ção da pro­du­ção pe­tro­lí­fe­ra de­pen­de dos pro­gra­mas de ex­plo­ra­ção das ope­ra­do­ras, mas acres­cen­ta que “o de­clí­nio da pro­du­ção vai con­ti­nu­ar, até ter­mos no­vas des­co­ber­tas”. Ao Eco­no­mia

& Fi­nan­ças, o ges­tor su­bli­nhou que “quan­do o pe­tró­leo es­ta­va a 120 dó­la­res, não fomos dis­ci­pli­na­dos o su­fi­ci­en­te para en­ca­mi­nhar re­cur­sos para as ac­ti­vi­da­des pri­va­das ge­ra­do­ras de ri­que­za (...) e ho­je, com mui­to me­nos re­cur­sos, es­ta­mos a ten­tar fazer aqui­lo que não fi­ze­mos an­tes”. Ago­ra, se va­mos con­se­guir ou não, Arnaldo La­go de Car­va­lho con­clui que “não po­de­mos con­ti­nu­ar a de­ci­dir pro­jec­tos por im­pul­so”.

O grá­fi­co de pro­du­ção de pe­tró­leo an­go­la­no mos­tra uma que­da con­tí­nua para os pró­xi­mos 15 anos. Que pers­pec­ti­vas para An­go­la, sen­do es­se re­cur­so a es­pe­ran­ça de to­dos?

A re­cu­pe­ra­ção da pro­du­ção de­pen­de dos pro­gra­mas de ex­plo­ra­ção das ope­ra­do­ras. En­tre o iní­cio de no­vas ex­plo­ra­ções e o arranque de no­vas pro­du­ções há um pe­río­do de 6 a 7 anos. O de­clí­nio da pro­du­ção vai con­ti­nu­ar, até ter­mos no­vas des­co­ber­tas .

Que al­ter­na­ti­vas po­dem ser acon­se­lha­das ho­je, para o país in­ver­ter es­se qua­dro, ten­do em aten­ção que gran­de par­te das con­ces­sões ain­da por ex­plo­rar não au­fe­rem con­fi­an­ça, me­lhor, não têm pe­tró­leo para as ne­ces­si­da­des da ac­tu­al tec­no­lo­gia de pro­du­ção?

Te­mos al­gu­mas des­co­ber­tas mar­gi­nais que po­dem ser li­ga­das a ins­ta­la­ções já em pro­du­ção. Des­co­nhe­ço qual o po­ten­ci­al des­sas des­co­ber­tas, mas po­de­rão evi­tar a que­da acen­tu­a­da da pro­du­ção. A no­va le­gis­la­ção que regula a li­ga­ção des­sas no­vas des­co­ber­tas a cam­pos exis­ten­tes é um gran­de avan­ço do re­gi­me de ex­plo­ra­ção em An­go­la. Se é ou não su­fi­ci­en­te, só o fu­tu­ro di­rá.

Com o des­cen­den­te à vis­ta, o que po­de ocor­rer se An­go­la não en­con­trar ou­tros re­cur­sos na­tu­rais ou ou­tras fon­tes que de­vem sus­ten­tar o OGE?

Te­mos que nos ir adap­tan­do a vi­ver me­nos dos re­cur­sos pe­tro­lí­fe­ros e mais da ca­pa­ci­da­de da eco­no­mia de cri­ar ri­que­za. O nos­so país é, mes­mo as­sim, um dos mais be­ne­fi­ci­a­dos e, por is­so, te­mos só que apren­der a ge­rir me­lhor os nos­sos re­cur­sos.

Em vis­ta te­mos o au­men­to ne­ces­sá­rio dos pre­ços dos com­bus­tí­veis, por for­ça dos acor­dos para um mer­ca­do re­gi­o­nal co­mum. Tem al­gu­ma pers­pec­ti­va de como vai re­a­gir o mer­ca­do an­go­la­no?

O mer­ca­do vai ter que se adap­tar ao pre­ço re­al dos com­bus­tí­veis. Fa­ce as li­mi­ta­ções or­ça­men­tais, não é pos­sí­vel con­ti­nu­ar a sub­si­di­ar os com­bus­tí­veis que, aliás, não be­ne­fi­ci­am as ca­ma­das mais ne­ces­si­ta­das da po­pu­la­ção. Is­so vai im­pli­car ajus­ta­men­to de pre­ços de ou­tros bens e ser­vi­ços, mas, ao mes­mo tem­po, vai re­du­zir o con­su­mo e o con­tra­ban­do de com­bus­tí­veis, o que em si é bom, por­que po­de re­du­zir as im­por­ta­ções des­ses mesmos com­bus­tí­veis.

Pro­fes­sor, por­que con­ti­nu­ar a sub­ven­ci­o­nar os com­bus­tí­veis? Que sec­to­res gos­ta­ria de ver pro­te­gi­dos?

As sub­ven­ções aos com­bus­tí­veis de­vem ir de­sa­pa­re­cen­do. Se ti­vés­se­mos fei­to o que es­tá le­gis­la­do, já po­día­mos es­tar sem sub­sí­di­os. Al­guns sec­to­res de ac­ti­vi­da­de pre­ci­sam de apoio, mas há mui­tas for­mas de o fazer. A agri­cul­tu­ra não de­via pa­gar im­pos­tos e is­so equi­va­le­ria a um pre­ço bonificado dos com­bus­tí­veis para a agri­cul­tu­ra e se­ria mui­to mais fá­cil de im­ple­men­tar e con­tro­lar. As pes­cas se­rá um ou­tro sec­tor, mas aí se­rá pre­ci­so ver como me­lhor fazer com me­nor cus­to e mai­or con­tro­lo. A in­dús­tria que pre­ci­se de ge­ra­do­res para fun­ci­o­nar, de­via tam­bém ser bo­ni­fi­ca­da com um cré­di­to no cál­cu­lo de ren­di­men­to tri­bu­tá­vel, o que po­dia in­cen­ti­var o arranque ou ma­nu­ten­ção de no­vas in­dús­tri­as.

O que o país de­via ter fei­to até aqui com o pe­tró­leo e não fez?

Quan­do o pe­tró­leo es­ta­va a 120 dó­la­res, não fomos dis­ci­pli­na­dos o su­fi­ci­en­te para en­ca­mi­nhar re­cur­sos para as ac­ti­vi­da­des pri­va­das ge­ra­do­ras de ri­que­za. Fomos en­di­vi­dar-nos ain­da mais, ma­ta­mos mui­tas das pequenas em­pre­sas nas­cen­tes, que não pu­de­ram con­cor­rer com as em­pre­sas es­tran­gei­ras a quem fo­ram da­das to­das as con­di­ções e com is­so ma­ta­mos a nos­sa ca­pa­ci­da­de de cri­ar uma eco­no­mia na­ci­o­nal que pu­des­se subs­ti­tuir os pe­tró­le­os. Ho­je, com mui­to me­nos re­cur­sos, es­ta­mos a ten­tar fazer aqui­lo que não fi­ze­mos an­tes.

Se o pe­tró­leo se­car em 2033, que his­tó­ria va­mos con­tar e que jus­ti­fi­ca­ti­vos te­re­mos, se não fo­rem en­con­tra­dos ou­tros me­ca­nis­mos para sus­ten­tar as ge­ra­ções vin­dou­ras?

Até 2033 te­mos tem­po para fazer mui­to tra­ba­lho e con­se­guir ter um país que po­de vi­ver sem pe­tró­leo. Se va­mos con­se­guir ou não, de­pen­de de nós. Não po­de­mos con­ti­nu­ar a de­ci­dir pro­jec­tos por im­pul­so e que não mos­tram qual­quer ren­ta­bi­li­da­de, o que é o mes­mo que di­zer pro­jec­tos que não cri­am ri­que­za. Te­mos que pa­rar os pro­jec­tos em cur­so que são in­sus­ten­tá­veis (a no­va Mar­gi­nal da Co­rim­ba é um de­les) e de­di­car os fun­dos que te­mos no país para bons pro­jec­tos.

A AGRI­CUL­TU­RA NÃO DE­VIA PA­GAR IM­POS­TOS E IS­SO EQUI­VA­LE­RIA A UM PRE­ÇO BONIFICADO DOS COM­BUS­TÍ­VEIS PARA O SEC­TOR E SE­RIA MUI­TO MAIS FÁ­CIL DE IM­PLE­MEN­TAR E CON­TRO­LAR... QUAN­DO O PE­TRÓ­LEO ES­TA­VA A 120 DÓ­LA­RES, NÃO FOMOS DIS­CI­PLI­NA­DOS O SU­FI­CI­EN­TE PARA EN­CA­MI­NHAR RE­CUR­SOS PARA AS AC­TI­VI­DA­DES PRI­VA­DAS GE­RA­DO­RAS DE RI­QUE­ZA. FOMOS EN­DI­VI­DAR-NOS AIN­DA MAIS...

Eco­no­mis­ta La­go de Car­va­lho ao JE

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.