Sus­ten­ta­bi­li­zar a dí­vi­da

Jornal de Economia & Financas - - Opinião - An­dra­de Ambrósio Ges­tor e ana­lis­ta eco­nó­mi­co

É de su­bli­me im­por­tân­cia que se ga­ran­ta sus­ten­ta­bi­li­da­de à dí­vi­da pú­bli­ca, pois aju­da a me­lho­rar o sis­te­ma fis­cal, por conta do sur­gi­men­to de mais in­ves­ti­men­tos, quer es­tes se­jam es­tran­gei­ros, quer se­jam na­ci­o­nais. Ur­ge a pre­mên­cia de se ca­na­li­zar os cré­di­tos to­ma­dos àque­les sec­to­res re­ais da eco­no­mia. Es­tes, cu­ja in­fluên­cia no dia-a-dia dos agen­tes eco­nó­mi­cos se revelam bas­tan­te sig­ni­fi­ca­ti­vos. Es­tou, pre­ci­sa­men­te a fa­lar dos sec­to­res da Edu­ca­ção e Saú­de, da Ener­gia e Águas, da Agri­cul­tu­ra, da Pe­cuá­ria, do Agro­ne­gó­cio, bem como do sec­tor trans­for­ma­dor.

En­tre­tan­to, ve­nho no­tan­do si­nais de que o nos­so Exe­cu­ti­vo, ci­en­te des­tes per­ga­mi­nhos aci­ma des­cri­tos, sem mãos a me­dir, au­gu­ra que a im­ple­men­ta­ção dos pro­gra­mas ma­cro­e­co­nó­mi­cos e de de­sen­vol­vi­men­to so­ci­al, den­tre eles, o Pro­gra­ma de Di­ver­si­fi­ca­ção da Ex­por­ta­ção e Subs­ti­tui­ção da Im­por­ta­ção (PRO­DE­SI) ga­nhe uma tra­jec­tó­ria efi­ci­en­te. Que a dí­vi­da con­traí­da e a ser con­traí­da sir­vam, na ver­da­de, os in­te­res­ses na­ci­o­nais e que pro­por­ci­o­nem o co­me­ço de uma eta­pa di­fe­ren­te da do pas­sa­do, de au­men­to dos in­ves­ti­men­tos e emprego, do cres­ci­men­to da nos­sa eco­no­mia em números ca­pa­zes de anu­lar a pro­gres­são po­pu­la­ci­o­nal e as ta­xas glo­bais de ju­ros (de­cor­ren­tes da to­ma de cré­di­tos) e pros­pe­ri­da­de das fa­mí­li­as. No fun­do, é a eta­pa da N0­va An­go­la.

Não que­re­mos mais de­pen­der ape­nas do pe­tró­leo para nos ali­men­tar­mos e so­bre­vi­ver­mos. Que­re­mos mais di­ver­si­fi­ca­ção das ex­por­ta­ções e di­mi­nui­ção da im­por­ta­ção, as­sim como o au­men­to do ren­di­men­to das po­pu­la­ções e da sua qua­li­da­de de vi­da. A ver va­mos!

Im­por­ta su­bli­nhar que com a cri­se eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra que co­me­çou em me­a­dos de 2014, An­go­la tem vindo a evidenciar ta­xas de cres­ci­men­to eco­nó­mi­co na­da abonatória­s (só para ci­tar, es­ti­ma-se que em 2018 a ta­xa de cres­ci­men­to te­nha fi­ca­do en­tre os -1,1 a 0,4 pon­tos per­cen­tu­ais), cons­ti­tuin­do-se em mo­ti­vo es­tran­gu­la­dor e pro­pi­ci­a­dor de su­ces­si­vos dé­fi­ces sis­te­má­ti­cos, re­sul­tan­do em au­men­to dos ní­veis de en­di­vi­da­men­to do país. Lo­go, a dí­vi­da pú­bli­ca pas­sou de me­nos de 30 por cen­to do PIB em 2013 para mais de 70 em 2017. Não obs­tan­te a is­so, o Exe­cu­ti­vo, fa­ce à sua po­lí­ti­ca e pro­gra­mas ma­cro­e­co­nó­mi­cos e so­ci­ais, em­bo­ra não mui­to am­bi­ci­o­so, se mos­tra op­ti­mis­ta e pre­vê que, pe­lo me­nos, du­ran­te os pró­xi­mos qua­tro anos, a coi­sa mu­de de fi­gu­ri­no e que o cres­ci­men­to anu­al não mais se­rá ne­ga­ti­vo. As­sim sen­do, ad­vo­ga que de 2018 a 2022 a ta­xa mé­dia de cres­ci­men­to po­de­rá se si­tu­ar nas 3 ca­sas per­cen­tu­ais.

O cres­ci­men­to eco­nó­mi­co (PIB) só en­con­tra ra­zões su­fi­ci­en­tes de im­pac­tar po­si­ti­va­men­te a vi­da das fa­mí­li­as, quan­do é su­pe­ri­or à ta­xa mé­dia de cres­ci­men­to da po­pu­la­ção. A ca­na­li­za­ção das ver­bas para o sec­tor pro­du­ti­vo, vul­go re­al da eco­no­mia, de que lá aci­ma fi­ze­ra men­ção, de­ve­rá fun­ci­o­nar bem e con­co­mi­tan­te­men­te su­pe­rar as expectativ­as e dar fru­tos. Aqui, sub­ten­de-se de “fru­tos”, como sen­do, a ge­ra­ção de um cres­ci­men­to eco­nó­mi­co su­pe­ri­or ao cus­to to­tal dos cré­di­tos to­ma­dos, du­ran­te um da­do pe­río­do es­pe­cí­fi­co de estudo. Va­mos lá su­por que o cus­to glo­bal (da ta­xa de ju­ros) de uma sé­rie de cré­di­tos que o nos­so país to­ma­rá, du­ran­te o quinqué­nio 2018-2022, se­ja de dois mil mi­lhões de kwan­zas, igual ou in­fe­liz­men­te, me­nor ao cres­ci­men­to mé­dio da eco­no­mia du­ran­te o pe­río­do ho­mó­lo­go, res­pec­ti­va­men­te. Con­clu­são: es­tá-se pe­ran­te uma dí­vi­da in­sus­ten­tá­vel, uma vez que, de­la, o país não po­de­rá lu­crar, o cre­dor se­rá o úni­co be­ne­fi­ci­a­do e, na sequên­cia dis­so, vai po­der ga­ran­tir mais em­pre­gos. Daí, os cuidados a se ter em conta, com os en­di­vi­da­men­tos pú­bli­cos, sob pe­na de con­ti­nu­ar­mos cra­va­dos no mes­mo sí­tio por mui­tos e lon­gos anos, pon­do em che­que a ge­ra­ção vin­dou­ra e até a nos­sa so­be­ra­nia. É, por con­se­guin­te, a ho­ra de ca­da go­ver­nan­te pôr na sua “ca­chi­mó­nia”, a ideia, se­gun­do a qual, An­go­la não é a ter­ra que her­da­mos dos nos­sos an­te­pas­sa­dos, mas sim aque­la que nós pe­di­mos de em­prés­ti­mo aos nos­sos fi­lhos!

COM A CRI­SE ECO­NÓ­MI­CA E FI­NAN­CEI­RA QUE CO­ME­ÇOU EM ME­A­DOS DE 2014, AN­GO­LA TEM VINDO A EVIDENCIAR TA­XAS DE CRES­CI­MEN­TO ECO­NÓ­MI­CO NA­DA ABONATÓRIA­S

EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.