O pe­so do “Brent” no OGE

Pre­vi­sões ma­cro­e­co­nó­mi­cas para 2019 as­si­na­lam a re­to­ma do cres­ci­men­to do PIB a uma ta­xa de 0,3% em ter­mos re­ais su­por­ta­do pe­lo cres­ci­men­to ne­ga­ti­vo do PIB pe­tro­lí­fe­ro de 2,8% in­cluin­do a pro­du­ção de LNG

Jornal de Economia & Financas - - Destaque - Ar­man­do Es­tre­la

Nu­ma al­tu­ra em que fal­tam-nos da­dos ac­tu­a­li­za­dos sobre o nú­me­ro de po­ços de pe­tró­leo que An­go­la pos­sui em ac­ti­vi­da­de, o mais cer­to é que o país de­ve pro­du­zir es­te ano, di­a­ri­a­men­te, mais de 1,4 mi­lhões de bar­ris de pe­tró­leo que, nas con­tas vul­ga­res de quem não per­ce­be na­da sobre o as­sun­to e com ba­se no va­lor de 55 dó­la­res o bar­ril do OGE 2019 re­vis­to, em apro­va­ção pe­la As­sem­bleia Na­ci­o­nal, equi­va­lem a 77 mi­lhões de dó­la­res por dia, 2.310 mi­lhões/mês e 27.720 mi­lhões/ano (9,070 biliões de kwan­zas ao câm­bio do BNA).

Na ver­da­de, as con­tas na área dos pe­tró­le­os não são fei­tas ao rit­mo da pro­gra­ma­ção que se tem em ca­sa na pro­du­ção de uma re­fei­ção, quan­do o pres­su­pos­to é me­dir a sua in­ci­dên­cia nas con­tas do Es­ta­do. No sec­tor dos pe­tró­le­os, ca­da va­riá­vel tem um pre­ço, bas­tan­te ele­va­do, se­ja ele jus­to ou não, no qual de­duz-se, ne­ces­sa­ri­a­men­te, in­ves­ti­men­to, tec­no­lo­gia, re­cur­sos hu­ma­nos, im­pos­tos e lu­cros, en­tre ou­tras con­di­ci­o­nan­tes, como cus­tos ope­ra­ci­o­nais.

Por for­ça dis­so, o pe­so do pe­tró­leo no Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do (OGE) para 2019, em re­vi­são, foi fi­xa­do em 11,5 por cen­to, dos quais 6,7 cor­res­pon­dem aos di­rei­tos da con­ces­si­o­ná­ria. O PIB pe­tro­lí­fe­ro re­vis­to, in­cluin­do LNG, é de apro­xi­ma­da­men­te 7,741 biliões de kwan­zas,

com o pre­ço do bar­ril de pe­tró­leo a 55 dó­la­res.

Con­cluin­do, o OGE 2019 es­tá a ser re­vis­to por cul­pa do pe­tró­leo, ain­da que es­pe­ci­a­lis­tas do sec­tor as­su­mam já que, fi­nal­men­te, no or­ça­men­to re­vis­to o país as­su­miu os números re­ais de pro­du­ção. “O OGE es­tá mais re­a­lis­ta e se exis­tir di­fe­ren­ça na quan­ti­da­de pro­du­zi­da, não se­rá su­pe­ri­or a 200 mil bar­ris de pe­tró­leo por dia (bpd)”, dis­se ao pro­gra­ma Tá­xi Ama­re­lo da LAC o co­men­ta­ris­ta Pa­trí­cio Ki­gon­go.

Para os ana­lis­tas, se no iní­cio o Exe­cu­ti­vo ti­ves­se to­ma­do um OGE com ba­se nos da­dos re­ais de pro­du­ção e do pre­ço do bar­ril de pe­tró­leo ajus­ta­do aos si­nais an­te­ri­o­res do mer­ca­do, se­ria po­si­ti­vo de­mais e o país não te­ria al­gum alar­mis­mo, por cau­sa de uma re­vi­são or­ça­men­tal já a meio do ano. Con­tu­do, como o OGE ago­ra es­tá mui­to re­a­lis­ta em ter­mos de pre­ço e de pro­du­ção, o Es­ta­do fi­ca sal­va­guar­da­do de ex­ter­na­li­da­des, de­fen­dem os es­pe­ci­a­lis­tas.

De qual­quer for­ma, e em li­nhas ge­rais, quan­do se fa­la de OGE e da re­du­ção do pre­ço do bar­ril de pe­tró­leo, is­to não sig­ni­fi­ca que o Es­ta­do dei­xa de ar­re­ca­dar mais com o pe­tró­leo. As re­cei­tas sem­pre vão en­trar e o que di­fe­ren­cia é a for­ma como se po­de ge­rir o fun­do com o montante ex­ce­den­te.

Por exem­plo, no pre­sen­te ca­so em que o Es­ta­do co­lo­ca o bar­ril a 55 dó­la­res e o pre­ço co­nhe­cer uma estabilida­de nos 70 dó­la­res, o país fi­ca com um di­fe­ren­ci­al de 15 dó­la­res por bar­ril no fun­do. Lo­go, po­de-se per­ce­ber que o Es­ta­do não dei­xa de ar­re­ca­dar.

Po­rém, nes­sas pro­jec­ções o pro­ble­ma re­si­de no fac­to de o Es­ta­do co­lo­car um pre­ço de 68 dó­la­res e o bar­ril atin­gir, ao lon­go do ano, uma mé­dia de 60 dó­la­res. Lo­go, es­sa di­fe­ren­ça pro­vo­ca uma la­cu­na de 8 dó­la­res que, ir­re­me­di­a­vel­men­te, cria um dé­fi­ce or­ça­men­tal mui­to ele­va­do.

Por is­so, ava­lia Pa­trí­cio Ki­gon­go, “o di­ag­nós­ti­co fei­to ao OGE 2019 foi po­si­ti­vo e só pe­ca por ser con­su­ma­do, já que não ha­via ne­ces­si­da­de de se che­gar ao pon­to on­de se es­tá ago­ra, de se fazer uma re­vi­são, pois, se já se ti­ves­se ti­do em conta to­dos os fac­to­res an­te­ri­o­res, ga­nha­va-se tem­po”.

Im­pos­tos em 2018

Nas con­tas da So­nan­gol, cu­ja pro­du­ção es­te­ve em 2018 em 1,478 mi­lhões de bar­ris por dia, a con­ces­si­o­ná­ria pa­gou de im­pos­tos 1.572 mil mi­lhões de dó­la­res, sen­do 1.003 mil mi­lhões em im­pos­tos pe­tro­lí­fe­ros e os de­mais 36,3 por cen­to em im­pos­tos ge­rais.

Dos im­pos­tos pe­tro­lí­fe­ros que caí­ram nas con­tas do Es­ta­do, 655.858.000 dó­la­res são da con­ces­si­o­ná­ria e o re­ma­nes­cen­te da So­nan­gol. Re­la­ti­va­men­te aos im­pos­tos ge­rais pa­gos, 408,926 mi­lhões de dó­la­res cor­res­pon­dem ao “mid-downs­tre­am”, 102,863 ao “ups­tre­am” e 58,087 mi­lhões ao “non co­re”.

Em 2018, a So­nan­gol con­se­guiu pro­vei­tos ope­ra­ci­o­nais de 17,763 mil mi­lhões de dó­la­res, que re­pre­sen­tam um cres­ci­men­to de 2,00 por cen­to. Nes­se ano, a con­ces­si­o­ná­ria ex­por­tou 125,998 mi­lhões de bar­ris de pe­tró­leo bru­to (mais 6,00 por cen­to em re­la­ção ao ano de 2017) e a So­nan­gol 72,028 mi­lhões de bar­ris (me­nos 9,00 por cen­to em com­pa­ra­ção com 2017), que ren­de­ram um pou­co mais de 8.908 mi­lhões de dó­la­res (con­ces­si­o­ná­ria) e 5.093 mi­lhões (So­nan­gol).

COMO O OGE AGO­RA ES­TÁ MUI­TO RE­A­LIS­TA, O ES­TA­DO FI­CA SAL­VA­GUAR­DA­DO DE EX­TER­NA­LI­DA­DES

DR

O “com­bus­tí­vel da vi­da” pois pa­re­ce que tu­do gra­vi­ta em tor­no da ma­gia dos de­ri­va­dos do pe­tró­leo e as­sim mos­tra a fi­la de ca­miões para a dis­tri­bui­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.