Mo­çam­bi­que com es­cas­sez de gás

Os con­su­mi­do­res afir­mam que es­se pro­ble­ma co­me­çou em Abril e per­du­ra até es­te mo­men­to com enor­mes tra­gos às fa­mí­li­as

Jornal de Economia & Financas - - África -

Re­la­tos de po­pu­la­res dão conta da es­cas­sez de gás de co­zi­nha nas ci­da­des mo­çam­bi­ca­nas de Ma­pu­to e Ma­to­la, a Sul do país, mas a Galp, que tem a mai­or quo­ta de dis­tri­bui­ção em Mo­çam­bi­que ne­gou esta semana qual­quer rup­tu­ra no for­ne­ci­men­to.

Le­o­nel Mu­cha­no, jor­na­lis­ta da Agên­cia de In­for­ma­ção de Mo­çam­bi­que (AIM) dis­se à Lusa que, desde se­gun­da-fei­ra não en­con­tra gás de co­zi­nha nas ci­da­des de Ma­pu­to e da Ma­to­la, por­que não há nos pos­tos de ven­da.

“Se aca­bar a botija de gás que es­tou a usar ago­ra, te­rei de re­cor­rer ao car­vão ve­ge­tal, para co­zi­nhar, por­que não há gás”, dis­se.

Um tra­ba­lha­dor de uma em­pre­sa em Ma­pu­to afir­mou que só con­se­guiu com­prar gás

de co­zi­nha por­que te­ve a sor­te de coin­ci­dir com um des­car­re­ga­men­to no pos­to de ven­da. “Mal é des­car­re­ga­do, o gás aca­ba, por­que há uma cor­ri­da cau­sa­da pe­la es­cas­sez dos últimos di­as”, de­cla­rou.

Ou­tros con­su­mi­do­res con­ta­ram que a fal­ta de gás de co­zi­nha vem a re­gis­tar-se desde Abril des­te ano.

Em con­fe­rên­cia de im­pren­sa re­cen­te­men­te, da­da em Ma­pu­to, o di­rec­tor de ope­ra­ções da Galp em Mo­çam­bi­que, em­pre­sa com a mai­or quo­ta de dis­tri­bui­ção da­que­le pro­du­to ne­gou as in­for­ma­ções que dão conta de uma es­cas­sez de gás, ad­mi­tin­do a pos­si­bi­li­da­de de um açam­bar­ca­men­to de­vi­do ao in­ver­no.

“Quan­do che­ga o in­ver­no em Mo­çam­bi­que, há um pi­co no con­su­mo de gás, que po­de le­var a um açam­bar­ca­men­to”, dis­se Mar­ti­nho Ta­va­res.

Para res­pon­der ao au­men­to da pro­cu­ra no in­ver­no, a Galp aumenta em 10 por cen­to a quan­ti­da­de de gás do­més­ti­co que co­lo­ca no mer­ca­do, prin­ci­pal­men­te nas ci­da­des de Ma­pu­to e Ma­to­la, que con­cen­tram o mai­or nú­me­ro de con­su­mi­do­res.

“Em Abril, dis­po­ni­bi­li­zá­mos 6.500 gar­ra­fas de gás por dia para Ma­pu­to e Ma­to­la e em maio au­men­tá­mos para 6.900 gar­ra­fas/dia até ao mo­men­to”, de­cla­rou Mar­ti­nho Ta­va­res.

A Galp, pros­se­guiu, es­tá a in­ves­tir no au­men­to da ca­pa­ci­da­de de ar­ma­ze­na­men­to de gás do­més­ti­co, para pas­sar das ac­tu­ais 250 to­ne­la­das para mil e 500 to­ne­la­das/ano.

Fon­te do Go­ver­no dis­se à Lusa que, o for­ne­ce­dor do gás im­por­ta­do pe­las em­pre­sas dis­tri­bui­do­ras em Mo­çam­bi­que tem re­gis­ta­do atrasos na en­tre­ga do pro­du­to, o que es­tá a pro­vo­car di­fi­cul­da­des na ven­da aos con­su­mi­do­res.

DR

Agên­cia do Go­ver­no de Ma­pu­to e a Galp ne­gam exis­tên­cia de rup­tu­ra no for­ne­ci­men­to do pro­du­to aos cli­en­tes

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.