Bri­lho eco­nó­mi­co da Qui­ça­ma

Jornal de Economia & Financas - - Opinião -

O po­ten­ci­al eco­nó­mi­co do mu­ni­cí­pio da Qui­ça­ma fi­cou evi­den­ci­a­do pe­lo vi­ce-pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Bor­ni­to de Sou­sa, que fi­cou e per­noi­tou na­que­la cir­cuns­cri­ção ad­mi­nis­tra­ti­va de Lu­an­da, ao re­co­nhe­cer que, lá há de tu­do pa­ra dar sal­tos mais al­tos ru­mo ao de­sen­vol­vi­men­to lo­cal e não só. Se es­tá ou não es­co­lhi­do ou se cons­ta da lis­ta dos mu­ni­cí­pi­os que vão re­ce­ber as elei­ções au­tár­qui­cas em 2021, a ver­da­de é que Bor­ni­to de Sou­sa pro­me­teu tra­ba­lhar pa­ra a me­lho­ria das con­di­ções de vi­da dos ha­bi­tan­tes da­que­la re­gião. A sua gra­fia con­ti­nua a con­fun­dir mui­tos, se ago­ra se es­cre­ve Quis­sa­ma ou Qui­ça­ma, pa­re­ce não im­por­tar mui­to, mas é um mu­ni­cí­pio da pro­vín­cia de Lu­an­da, trans­fe­ri­do do Ben­go no se­gui­men­to da re­for­ma ad­mi­nis­tra­ti­va das du­as pro­vín­ci­as em 2011, por for­ma do de­cre­to lei 29/11, de 1 de Se­tem­bro e tem co­mo se­de a vi­la da Mu­xi­ma.

En­tre as pre­o­cu­pa­ções lo­cais es­tão o abas­te­ci­men­to de água e ener­gia eléc­tri­ca aos po­pu­la­res, que en­fren­tam di­a­ri­a­men­te di­fi­cul­da­des de vá­ria or­dem, e que po­dem ser re­sol­vi­das a cur­to pra­zo, con­for­me pro­me­teu o Vi­ce-pre­si­den­te, que cru­zou aque­la lo­ca­li­da­de quar­ta-fei­ra úl­ti­ma, on­de po­de sen­tir a “for­te” von­ta­de das pes­so­as de par­ti­ci­par no de­sen­vol­vi­men­to das su­as co­mu­ni­da­des. Lá, ao la­do do San­tuá­rio da Mu­xi­ma, a mé­dio pra­zo, de­ve ser pos­sí­vel, se as pro­mes­sas não cai­rem no es­que­ci­men­to, no­tar-se me­lho­ri­as sig­ni­fi­ca­ti­vas, com li­ga­ções até com a Ga­be­la, no Cu­an­za Sul e à co­mu­na de Qui­xin­gan­go, atra­vés do Don­do, no Cu­an­za Nor­te.

O so­ba­do lo­cal apon­ta a de­li­mi­ta­ção do ter­re­no com o Par­que Na­ci­o­nal da Qui­ça­ma, co­mo um en­tra­ve pa­ra a prá­ti­ca da agri­cul­tu­ra e da au­to­cons­tru­ção de re­si­dên­ci­as, tor­nan­do os mu­ní­ci­pes “re­féns” de so­nhos por re­a­li­zar. Pa­ra eles, é pre­ci­so que o de­sen­vol­vi­men­to chega rá­pi­do, co­me­çan­do por dar in­clu­si­ve sub­sí­di­os adi­ci­o­nais aos pro­fes­so­res e fun­ci­o­ná­ri­os da saú­de que tra­ba­lham nas zo­nas ru­rais mais afas­ta­das. A Qui­ça­ma pos­sui uma cen­tral tér­mi­ca, com­pos­ta por dois ge­ra­do­res que for­ne­cem ener­gia à Vi­la da Mu­xi­ma, com ca­pa­ci­da­de de 1.250 KVA, com ca­pa­ci­da­de pa­ra mais de oi­to mil ca­sas. Is­so por si só é um si­nal po­si­ti­vo, aco­pla­do a uma cen­tral de cap­ta­ção e um re­ser­va­tó­rio de água, que ser­ve de fac­to­res su­fi­ci­en­tes pa­ra ala­van­car o de­sen­vol­vi­men­to lo­cal.

Não te­mos dú­vi­das que a Qui­ça­ma tem bi­lho, há, mais do que tu­do is­so, von­ta­de de in­ves­ti­men­to. Nos pró­xi­mo anos po­de ga­nhar vá­ri­os in­ves­ti­men­tos ho­te­lei­ros e tu­rís­ti­cos, com des­ta­que pa­ra um ho­tel de cin­co es­tre­las e vá­ri­os re­sorts. A fron­tei­ra com o Ca­bo Ledo, que es­tá a 20 qui­ló­me­tros da Mu­xi­ma, é uma mi­na de ou­ro por ex­plo­rar nos pró­xi­mos anos.

Com 12 mil e 046 qui­ló­me­tros qua­dra­dos e cer­ca de 30 mil ha­bi­tan­tes, é li­mi­ta­do a Nor­te pe­los mu­ni­cí­pi­os de Vi­a­na e Ico­lo e Ben­go, a Les­te pe­los mu­ni­cí­pi­os de Cam­bam­be, Li­bo­lo e Qui­ba­la, a Sul pe­los mu­ni­cí­pi­os de Qui­len­da e Por­to Am­boim e a Oes­te pe­lo Oce­a­no Atlân­ti­co, e tem ter­ras e be­le­zas na­tu­rais ines­ti­má­veis. Há pe­lo me­nos in­for­ma­ções que dão con­ta que com 150 mi­lhões de dó­la­res é pos­sí­vel a cons­tru­ção de 190 qui­ló­me­tros de es­tra­da pa­ra in­ter­li­gar a se­de do mu­ni­cí­pio às co­mu­nas de Dem­ba Chio, Mum­bon­do e Ki­xin­ge e tor­nar aqui­lo num lo­cal pa­ra atrac­ção de in­ves­ti­men­tos. Pa­ra is­so, o Es­ta­do de­ve olhar de for­ma optimista, es­tra­té­gi­ca e sé­ria pa­ra os ga­nhos que po­dem advir de tais in­ves­ti­men­tos, ser­vin­do até mes­mo pa­ra al­ter­na­ti­va de vi­da pa­ra de­sa­fo­gar a ca­pi­tal, Lu­an­da.

O ES­TA­DO DE­VE OLHAR DE FOR­MA OPTIMISTA, ES­TRA­TÉ­GI­CA E SÉ­RIA PA­RA OS GA­NHOS QUE PO­DEM ADVIR DE TAIS IN­VES­TI­MEN­TOS, SER­VIN­DO ATÉ MES­MO DE AL­TER­NA­TI­VA PA­RA DE­SA­FO­GAR A CA­PI­TAL

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.