5

Jornal de Economia & Financas - - Destaque -

Apro­ble­má­ti­ca da im­por­ta­ção de vi­a­tu­ras pa­ra ven­da no mer­ca­do na­ci­o­nal tem sus­ci­ta­do inú­me­ros de­ba­tes em vá­ri­os cír­cu­los da sociedade. A re­du­ção é acen­tu­a­da, se com­pa­ra­da com anos an­te­ri­o­res. Na ba­se da mes­ma es­tá a gri­tan­te es­cas­sez da mo­e­da es­tran­gei­ra.

O JE foi à rua, pa­ra afe­rir a si­tu­a­ção, ten­do a bus­ca se fo­ca­do nos agen­tes au­to­ri­za­dos, mas não con­ces­si­o­ná­ri­os. O ce­ná­rio en­con­tra­do nos lo­cais em que pas­sa­mos é de­so­la­dor. Gran­de par­te des­ses pos­tos de ven­da, que já fo­ram de al­ta con­cor­rên­cia, es­tão en­cer­ra­dos.

O pri­mei­ro pon­to de “atra­ca­gem” foi o Stand Au­to­mó­vel Tar­get, no dis­tri­to ur­ba­no do Ma­cu­lus­so, em Lu­an­da. No in­te­ri­or, uma va­ri­e­da­de de mar­cas e mo­de­los re­ga­lam os olhos de quem por lá se pro­põe pas­sar. Um as­pec­to que cha­ma a aten­ção, é a pre­do­mi­nân­cia de vi­a­tu­ras de gran­de por­te e lu­xu­o­sas. Há car­ros pa­ra to­dos os gos­tos e bol­sos, com pron­ta en­tre­ga, de ori­gem ja­po­ne­sa, co­re­a­na e fran­ce­sa.

Pa­ra o ca­so, o Stand Au­to­mó­vel Tar­get as­su­me a as­sis­tên­cia pós-ven­da e a pri­mei­ra re­vi­são de for­ma grá­tis. No lo­cal, abor­da­mos o ge­ren­te de ven­das Re­da So­lei­man, pa­ra quem o mer­ca­do co­me­ça já a dar mos­tras de es­ta­bi­li­za­ção, ape­sar de ain­da vi­ver al­gu­mas di­fi­cul­da­des. So­lei­man foi pe­remp­tó­rio em afir­mar que, comparativ­amente aos úl­ti­mos anos, ho­je o qua­dro é bem mais ani­ma­dor, sen­do que as gran­des di­fi­cul­da­des re­si­dem na im­por­ta­ção da mer­ca­do­ria, em fun­ção dos atra­sos que se re­gis­tam na trans­fe­rên­cia de di­vi­sas pa­ra os for­ne­ce­do­res e as va­ri­a­ções no câm­bio, que

mui­tas ve­zes re­sul­tam em per­das no ren­di­men­to.

Por ou­tro la­do, a fon­te elo­gia o fac­to de as li­nhas de cré­di­to (LC) es­ta­rem mais se­gu­ras, uma vez que o con­tro­lo so­bre a uti­li­za­ção dos re­cur­sos pa­ra os fins a que são des­ti­na­dos é bas­tan­te ri­go­ro­so.

Em re­la­ção aos cli­en­tes, a fon­te adi­an­ta que, em fun­ção da que­bra do po­der de com­pra dos ci­da­dãos e do au­men­to de pre­ços das vi­a­tu­ras, o nú­me­ro di­mi­nuiu con­si­de­ra­vel­men­te. “Ven­dia an­ti­ga­men­te car­ros de um mi­lhão e tre­zen­tos e ha­via cli­en­tes. Ho­je, di­fi­cil­men­te en­con­tras um car­ro, ain­da que pe­que­no, com va­lor abai­xo de cin­co mi­lhões de kwan­zas.”

Ou­tro fac­tor que in­vi­a­bi­li­za a com­pra de vi­a­tu­ras é a di­fi­cul­da­de no aces­so ao cré­di­to ban­cá­rio. A com­pra di­rec­ta com pa­ga­men­to a pres­ta­ções é uma op­ção vá­li­da, po­rém, in­viá­vel no mo­men­to, por con­ta da ta­xa cam­bi­al flu­tu­an­te. Na ver­da­de, até o pra­zo de li­qui­da­ção, o pre­ço da vi­a­tu­ra so­fre al­te­ra­ções que po­dem não ser

MI­LHÕES DE KWAN­ZAS

Cor­res­pon­de ao va­lor mí­ni­mo de co­mer­ci­a­li­za­ção de uma vi­a­tu­ra de pe­que­no por­te Hyun­dai- i10 em es­ta­do no­vo no mer­ca­do na­ci­o­nal

COMPARATIV­AMENTE AOS ÚL­TI­MOS ANOS, HO­JE O QUA­DRO É BEM MAIS ANI­MA­DOR

acei­tes pe­lo cli­en­te. Uma ou­tra ra­zão tem a ver com a fal­ta de ho­nes­ti­da­de de quem com­pra. O Stand tem cli­en­tes sin­gu­la­res e co­lec­ti­vos de­ve­do­res há 5 anos. “Es­sa si­tu­a­ção pro­vo­ca-nos imen­sos trans­tor­nos, em fun­ção dos com­pro­mis­sos que te­mos com o ex­te­ri­or. Nós te­mos pra­zos pa­ra pa­gar os for­ne­ce­do­res”, en­fa­ti­zou.

No pas­sa­do, o es­ta­do se as­su­mia co­mo o mai­or e mais pos­san­te com­pra­dor, qua­dro que se al­te­rou com a en­tra­da do no­vo Go­ver­no.

De acor­do com So­lei­man, a mar­gem de lu­cro da em­pre­sa es­tá en­tre os 3,00 e 8,00 por cen­to do va­lor co­mer­ci­a­li­za­do e a es­tra­té­gia as­sen­ta na ven­da de mar­cas com for­te po­si­ci­o­na­men­to no mer­ca­do, co­mo são exem­plos as mar­cas Hyun­dai, Kia, Su­zu­ki e Re­nault, sem­pre com pre­ços abai­xo das em­pre­sas con­ces­si­o­ná­ri­as.

Se­gun­do apu­ra­mos, a op­ção ac­tu­al dos cli­en­tes re­cai pa­ra car­ros de pe­que­no por­te, com des­ta­que pa­ra o Hyun­dai Gran­de i10.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.