Pre­ço de ou­ro ao vo­lan­te

Jornal de Economia & Financas - - Primeira Página - Pe­dro Pe­ter­son

Quem por exem­plo pe­de di­nhei­ro a um ban­co pa­ra com­prar uma vi­a­tu­ra tem en­con­tra­do di­fi­cul­da­des no re­em­bol­so por cau­sa da cri­se fi­nan­cei­ra. Pois, al­guns ban­cos dei­xa­ram de con­ce­der cré­di­to pa­ra aqui­si­ção de au­to­mó­vel. Mas há sem­pre quem a sor­te o acom­pa­nha. Só que o cré­di­to vem pe­la me­ta­de, ou se­ja, o pa­ga­men­to aca­ba por ser com­par­ti­ci­pa­do. Co­mo se não bas­tas­se, ain­da são apli­ca­das ta­xas de ju­ro que duplicam o pre­ço. Es­ta si­tu­a­ção tem de­sen­co­ra­ja­do po­ten­ci­ais com­pra­do­res, que fu­gin­do das exi­gên­ci­as ban­cá­ri­as, re­cor­rem a ou­tras for­mas di­rec­tas pa­ra ob­ten­ção de vi­a­tu­ras.

Lá fo­ram os tem­pos em que, pa­ra com­prar uma vi­a­tu­ra usa­da não era ne­ces­sá­rio tan­to exer­cí­cio co­mo se ve­ri­fi­ca nos di­as de ho­je. Pois bas­ta­va di­ri­gir-se a uma ca­sa de câm­bio ou do­brar uma es­qui­na pa­ra ad­qui­rir os dó­la­res nas kin­gui­las e pos­te­ri­or­men­te se­guir a um stand ou par­que au­to­mó­vel e com­prar a vi­a­tu­ra de­se­ja­da.

As vi­a­tu­ras usa­das eram na sua mai­o­ria Toyo­ta, pois de­vi­do à sua du­ra­bi­li­da­de se adap­ta­va às con­di­ções fi­nan­cei­ras e do mer­ca­do. Por exem­plo, pa­ra com­prar um Toyo­ta Star­let num Stand, o ci­da­dão bas­ta­va ad­qui­rir no mí­ni­mo usd2.500 e pa­ra um Co­rol­la 3.500, um Carina E, 4.500 e um Rav 4, usd 10 mil (Du­bai) e 12 mil (Eu­ro­pa).

Era tão sim­ples e fá­cil de mo­do que a prá­ti­ca de com­pra de vi­a­tu­ras usa­das (no ex­te­ri­or) e ven­da (no mer­ca­do na­ci­o­nal), vi­rou um ne­gó­cio prós­pe­ro pa­ra mui­ta gen­te. Aliás, mui­to boa gen­te da­va-se ao lu­xo de mu­dar de car­ro em ca­da dois anos.

A mai­or par­te dos car­ros usa­dos era pro­ve­ni­en­te do mer­ca­do eu­ro­peu co­mo Bél­gi­ca e Ale­ma­nha. Mais tar­de o ne­gó­cio alar­gou-se pa­ra os Emi­ra­dos Ára­bes Uni­dos, on­de ape­sar de as vi­a­tu­ras te­rem vo­lan­te à di­rei­ta e se­rem me­nos du­rá­veis, eram mais no­vos e com um cer­to con­for­to.

Os que fa­zi­am ne­gó­cio de car­ros usa­dos eram na sua mai­o­ria des­pa­chan­tes ofi­ci­ais, pois ti­nham mai­or fa­ci­li­da­de de vi­a­jar de­vi­do a cer­tas prer­ro­ga­ti­vas que go­za­vam. Aliás cri­a­ram mi­lha­res de em­pre­gos pa­ra jo­vens.

Por exem­plo, quem fos­se aos par­ques da Filda, no Ca­zen­ga e do Por­to Se­co, em Vi­a­na, po­dia en­con­trar mo­to­ris­tas, me­câ­ni­cos e elec­tri­cis­tas.

Ca­da um des­ses “pro­fis­si­o­nais” ti­nha uma cer­ta ta­re­fa. Os mo­to­ris­tas pres­ta­vam serviço às em­pre­sas que ad­qui­ri­am fro­tas de car­ros e mui­tos de­les não ti­nham con­du­to­res pa­ra ti­rar as vi­a­tu­ras do par­que pa­ra a em­pre­sa.

O mes­mo su­ce­dia com os des­pa­chan­tes ofi­ci­as que ad­qui­ri­am 10 ou 15 car­ros e so­li­ci­ta­vam os ser­vi­ços dos mo­to­ris­tas. E quan­do o car­ro apre­sen­ta­va pro­ble­mas em fun­ção do tem­po so­li­ci­ta­vam os ser­vi­ços dos elec­tri­cis­tas ou me­câ­ni­cos.

Por is­so, mui­ta gen­te fa­zia dos par­ques de automóveis o seu lo­cal de tra­ba­lho on­de di­a­ri­a­men­te le­va­vam pa­ra ca­sa kz 10 a 20 mil.

Foi as­sim du­ran­te mui­tos anos, tan­to mais que mui­tos con­se­gui­ram cons­truir as su­as re­si­dên­ci­as e dar for­ma­ção aos seus pro­ge­ni­to­res .

Mas, a si­tu­a­ção mu­dou em 2014, por for­ça do De­cre­to Pre­si­den­ci­al 62/14 que es­ta­be­le­ceu um li­mi­te pa­ra im­por­ta­ção de veí­cu­los usa­dos até 3 anos de ida­de pa­ra Li­gei­ros e 5 pa­ra Pe­sa­dos.

Com es­sa me­di­da os ci­da­dãos fo­ram for­ça­dos a de­sis­tir do ne­gó­cio, pois não pos­suíam re­cur­sos su­fi­ci­en­tes pa­ra dar con­ti­nui­da­de, dei­xan­do as­sim pa­ra traz um ras­to de de­sem­pre­ga­dos, pois um car­ro de ate´3 anos no mer­ca­do eu­ro­peu era co­mo qua­se no­vo.

Foi as­sim que em 2014, os ci­da­dãos ti­ve­ram que en­ve­re­dar pe­lo cré­di­to au­to­mó­vel de car­ros no­vos.

Os ban­cos co­mer­ci­ais fo­ram cha­ma­dos a con­ce­der es­te ti­po de cré­di­to, me­di­an­te con­di­ções pré-es­ta­be­le­ci­das e cu­jos sa­lá­ri­os fos­sem com­pa­tí­veis com o ti­po de vi­a­tu­ra pre­ten­di­da.

Por es­sa ra­zão, nem to­dos con­se­gui­ram re­a­li­zar o so­nho do car­ro pró­prio. Al­guns com sa­lá­ri­os mais bai­xos en­ve­re­da­ram pe­la com­pra dos Hyun­dais i10, Su­zu­ki Spark e Ce­le­rio, ou­tros com sa­lá­ri­os mais con­for­tá­veis apos­ta­ram nos KIAS Spor­ta­ge, Hyun­dai Ac­cent e Elan­tra.

Em fun­ção des­sas di­fi­cul­da­des, o Go­ver­no re­cu­ou na sua de­ci­são, e o De­cre­to Pre­si­den­ci­al 71/15 veio al­te­rar os pro­ce­di­men­tos, pas­san­do os Pe­sa­dos pa­ra 8 anos. E o De­cre­to 161/18 al­te­rou pa­ra 6 anos nos Li­gei­ros e 10 anos nos Pe­sa­dos.

Se­gun­do es­pe­ci­a­lis­tas, es­tas al­te­ra­ções ti­ve­ram co­mo mo­ti­va­ção fa­ci­li­tar o aces­so à aqui­si­ção de vi­a­tu­ras por par­te de par­ti­cu­la­res e em­pre­sas com me­nos re­cur­sos fi­nan­cei­ros.

Mas o im­pac­to não te­ve o re­sul­ta­do que se es­pe­ra­va. Pri­mei­ro por­que o re­cur­so às di­vi­sas não é fá­cil e por ou­tro, o cus­to pro­vo­ca­do pe­lo efei­to da des­va­lo­ri­za­ção, re­cur­so even­tu­al à com­pra de di­vi­sas no mer­ca­do pa­ra­le­lo e cus­to de ma­nu­ten­ção de veí­cu­los mui­to usa­dos, tor­nam in­viá­vel a sua aqui­si­ção.

Ago­ra, mui­tos ci­da­dãos es­tão à espera que o Go­ver­no fa­ça al­gu­ma coi­sa pa­ra fa­ci­li­tar a vi­da, quan­to à aqui­si­ção de uma vi­a­tu­ra.

Até por­que nos di­as que cor­rem, ter uma vi­a­tu­ra já não é uma ques­tão de lu­xo, mas de ne­ces­si­da­de cres­cen­te em fun­ção da exi­gui­da­de dos mei­os de trans­por­te pú­bli­co e do cres­ci­men­to das ci­da­des.

O NE­GÓ­CIO DE CAR­ROS USA­DOS CRI­OU MI­LHA­RES DE EM­PRE­GOS PA­RA MUI­TOS JO­VENS NOS PAR­QUES DA FILDA E DO POR­TO SE­CO

DR

O Por­to Se­co em Lu­an­da é o prin­ci­pal par­que de vi­a­tu­ras oriun­das do Res­to do Mun­do. Mai­or par­te dos veí­cu­los im­por­ta­dos é pro­ve­ni­en­te dos Emi­ra­dos Ára­bes Uni­dos e mer­ca­do asiá­ti­co

DR

As vi­a­tu­ras de mar­ca Toyo­ta Co­rol­la e Sa­tar­let eram as mais pre­fe­ri­das de­vi­do à fa­ci­li­da­de na aqui­si­çãos de pe­ças

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.