“O sec­tor au­to foi dos mais atin­gi­dos pe­la cri­se”

Os pre­ços dos car­ros so­fre­ram al­te­ra­ção de­vi­do ao câm­bio flu­tu­an­te na al­tu­ra e tal afec­tou as com­pras

Jornal de Economia & Financas - - Primeira Página - Xa­vi­er An­tó­nio

Opre­si­den­te da As­so­ci­a­ção dos Con­ces­si­o­ná­ri­os de Equi­pa­men­tos de Trans­por­tes Ro­do­viá­ri­os e ou­tros (Acetro), Nu­no Borges, dis­se que o sec­tor au­to­mó­vel foi dos que mais sen­tiu as con­sequên­ci­as des­ta cri­se por­que as em­pre­sas e par­ti­cu­la­res ti­ve­ram que re­du­zir dras­ti­ca­men­te as su­as des­pe­sas e in­ves­ti­men­tos, e sen­do um pro­du­to de­pen­den­te de im­por­ta­ção so­freu com a es­cas­sez de di­vi­sas pa­ra o pa­ga­men­to a for­ne­ce­do­res.

OO mer­ca­do de au­tom­vel foi nos 10 anos prós­pe­ro em ter­mos de ven­da. Mas a si­tu­a­ção agra­vou nos úl­ti­mos anos com acri­se da eco­no­mia glo­bal, o que fez com que o sec­tor en­tras­se em pro­fun­da de­ca­dên­cia. O pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção dos Con­ces­si­o­ná­ri­os de Equi­pa­men­tos de Trans­por­tes Ro­do­viá­ri­os e ou­tros (Acetro), Nu­no Borges, fa­lou do ac­tu­al mo­men­to que a clas­se atra­ves­sa.

O país vi­ve uma pro­fun­da cri­se eco­nó­mi­ca des­de 2014 o que ge­rou uma re­trac­ção em to­dos os sec­to­res da eco­no­mia na­ci­o­nal. Até que pon­to o seg­men­to au­to­mó­vel foi afec­ta­do?

O sec­tor au­to­mó­vel foi dos que mais sen­tiu as con­sequên­ci­as des­ta cri­se, pri­mei­ro por­que as em­pre­sas e par­ti­cu­la­res ti­ve­ram que re­du­zir dras­ti­ca­men­te as sua des­pe­sas e in­ves­ti­men­tos e por ou­tro la­do, sen­do um pro­du­to de­pen­den­te de im­por­ta­ção, so­freu com a es­cas­sez de di­vi­sas pa­ra o pa­ga­men­to a for­ne­ce­do­res.

Da­dos do ano pas­sa­do in­di­cam que o mer­ca­do au­to­mó­vel afun­dou 90 por cen­to em qua­tro anos, e acu­mu­lou uma dí­vi­das de qua­se 300 mi­lhões de dó­la­res? Con­fir­ma es­tes da­dos?

Sim con­fir­mo, co­mo sen­do de me­a­dos de 2017. A si­tu­a­ção ac­tu­al é di­fe­ren­te: pers­pec­ti­va­mos que as ven­das em 2019 cai­am pa­ra 7 por cen­to de 2014, mas a dí­vi­da a for­ne­ce­do­res caiu pa­ra 50 ou 60 mi­lhões de dó­la­res, en­tre to­dos os nos­sos as­so­ci­a­dos.

Com es­te ce­ná­rio ne­gro no sec­tor, mui­tas em­pre­sas pa­ra­li­sa­ram a ac­ti­vi­da­de?

Ape­sar de enor­mes di­fi­cul­da­des, ou­ve um enor­me es­for­ço dos em­pre­sá­ri­os con­se­guin­do que até ao mo­men­to to­dos man­te­nham a sua ope­ra­ção. Cla­ro que es­se es­for­ço pas­sou por uma drás­ti­ca re­du­ção de cus­tos com gran­de im­pac­to na dis­pen­sa de tra­ba­lha­do­res.

An­go­la dei­xou há al­gum tem­po a im­por­ta­ção de vi­a­tu­ras usa­das. O que mu­dou até ago­ra no pon­to de vis­ta do bem es­tar so­ci­al dos ci­da­dãos?

Pe­lo De­cre­to Pre­si­den­ci­al 62/14 foi es­ta­be­le­ci­do um li­mi­te pa­ra im­por­ta­ção de veí­cu­los usa­dos até três anos de ida­de pa­ra Li­gei­ros e 5 anos pa­ra pe­sa­dos, ten­do o De­cre­to Pre­si­den­ci­al 71/15 al­te­ra­do nos Pe­sa­dos pa­ra 8 anos. O De­cre­to Pre­si­den­ci­al 161/18 veio al­te­rar pa­ra seis anos nos li­gei­ros e 10 anos nos pe­sa­dos. Es­tas al­te­ra­ções ti­ve­ram co­mo mo­ti­va­ção fa­ci­li­tar o aces­so à aqui­si­ção de vi­a­tu­ras por par­te de par­ti­cu­la­res e em­pre­sas com me­nos re­cur­sos fi­nan­cei­ros. Acon­te­ce que es­te im­pac­to não te­ve o re­sul­ta­do que even­tu­al­men­te se es­pe­ra­va. Por um la­do os re­cur­so a di­vi­sas não é fá­cil e por ou­tro o cus­to pro­vo­ca­do pe­lo efei­to da des­va­lo­ri­za­ção, re­cur­so even­tu­al à com­pra de di­vi­sas no mer­ca­do pa­ra­le­lo e cus­to de ma­nu­ten­ção de veí­cu­los mui­to usa­dos, tor­nam in­viá­vel a sua aqui­si­ção.

O CRÉ­DI­TO AU­TO­MÓ­VEL PRA­TI­CA­MEN­TE NÃO EXIS­TE. AS AC­TU­AIS TA­XAS DE JU­RO SÃO MUI­TO ELE­VA­DAS PA­RA QUE SE­JAM ACES­SÍ­VEIS AO CI­DA­DÃO CO­MUM

Nu­no Borges, da ACETRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.