A era da di­gi­ta­li­za­ção

Jornal de Economia & Financas - - Opinião -

O FAC­TOR HU­MA­NO É A FOR­ÇA QUE MO­VE A RE­VO­LU­ÇÃO CAU­SA­DA PE­LA INO­VA­ÇÃO TEC­NO­LÓ­GI­CA

No que diz res­pei­to ao Ca­pi­tal Hu­ma­no na Era Di­gi­tal, es­sa trans­for­ma­ção só é ple­na­men­te pos­sí­vel quan­do as em­pre­sas per­mi­tem que os seus co­la­bo­ra­do­res evo­lu­am jun­to aos pro­ces­sos cor­po­ra­ti­vos. Afi­nal, o fac­tor hu­ma­no é a for­ça que mo­ve a re­vo­lu­ção cau­sa­da pe­la ino­va­ção tec­no­ló­gi­ca.

O ca­pi­tal hu­ma­no “CH” pre­ci­sa man­ter-se em cons­tan­te pro­ces­so de apren­di­za­do. Faz-se ne­ces­sá­rio o sur­gi­men­to de no­vas e per­so­na­li­za­das for­mas de se fa­zer a ges­tão do co­nhe­ci­men­to. O di­gi­tal que in­tro­duz fer­ra­men­tas ana­lí­ti­cas, cog­ni­ti­vas e as re­des so­ci­ais tor­nou-se fun­da­men­tal pa­ra co­nec­tar pes­so­as e em­pre­sas. As em­pre­sas es­tão a mi­grar da­dos lo­cais pa­ra a nu­vem, e a ino­va­ção tec­no­ló­gi­ca apri­mo­ra ca­da vez mais os seus pro­ces­sos.

O ter­mo “trans­for­ma­ção di­gi­tal” vem to­man­do for­ça nos úl­ti­mos anos, e con­ti­nu­a­rá em al­ta. Is­so por­que ne­nhu­ma em­pre­sa con­se­gui­rá man­ter-se ver­da­dei­ra­men­te com­pe­ti­ti­va se não es­ti­ver dis­pos­ta a in­ves­tir nes­se pro­ces­so.

A Era Di­gi­tal vem cau­san­do gran­des trans­for­ma­ções no mer­ca­do de tra­ba­lho e re­de­fi­nin­do os pa­drões de li­de­ran­ça or­ga­ni­za­ci­o­nal pa­ra ob­ten­ção de re­sul­da­dos a ní­vel dos “RH”, os prin­ci­pais be­ne­fí­ci­os da no­va Era Di­gi­tal, es­tão as­so­ci­a­dos em cin­co (5) ca­te­go­ri­as:Pro­ces­sos mais in­te­li­gen­tes e efi­ci­en­tes; agi­li­da­de e pre­ci­são pa­ra as to­ma­das de de­ci­são; au­men­to da pro­du­ti­vi­da­de; re­du­ção de cus­tos e ex­pan­são de ne­gó­ci­os.

A tec­no­lo­gia é im­pla­cá­vel e as em­pre­sas que não es­ti­ve­rem in­se­ri­das no mun­do di­gi­tal po­dem per­der con­cor­rên­cia a lon­go pra­zo.As pes­soa são a for­ça pro­pul­so­ra que con­duz o su­ces­so das em­pre­sas, e o “RH” de­ve ser pro­pul­sor das pes­so­as e o mo­tor do de­sen­vol­vi­men­to. A ino­va­ção di­gi­tal é cons­tan­te, e as em­pre­sas pre­ci­sam não só adap­tar-se, bem co­mo li­dar com as trans­for­ma­ções.

Se a ino­va­ção di­gi­tal é ine­vi­tá­vel, e is­so é óp­ti­mo, tam­bém pre­ci­sa­mos com­pre­en­der que ela tra­rá im­pac­to às or­ga­ni­za­ções. É ne­ces­sá­rio uma mu­dan­ça de pos­tu­ra, de cul­tu­ra e de me­di­das prá­ti­cas pa­ra tor­ná-la viá­vel.

Es­ta tran­for­ma­ção só é ple­na­men­te pos­sí­vel quan­do as em­pre­sas per­mi­tem que o “CH” evo­lua jun­to aos pro­ces­sos cor­po­ra­ti­vos. Afi­nal, o fac­tor hu­ma­no é a for­ça que mo­ve a re­vo­lu­ção cau­sa­da pe­la ino­va­ção tec­no­ló­gi­ca.

As or­ga­ni­za­ções de­vem mu­dar in­ter­na­men­te pa­ra mu­dar ex­ter­na­men­te. É pre­ci­so cri­ar a cul­tu­ra di­gi­tal e fa­zer com que as pes­so­as se sin­tam con­for­tá­veis em usar a tec­no­lo­gia em su­as ac­ti­vi­da­des.

A trans­for­ma­ção di­gi­tal veio pa­ra mo­di­fi­car a ma­nei­ra co­mo “CH” ope­ra na era di­gi­tal. Es­se no­vo mo­de­lo de tra­ba­lho cla­ra­men­te im­pul­si­o­na­do pe­la tec­no­lo­gia, re­flec­te-se nas mu­dan­ças de men­ta­li­da­de do com­por­ta­men­to do “CH”, são ne­ces­sá­ri­as pa­ra ins­pi­rar li­de­ran­ça, mo­ti­va­ção e es­ti­mu­lar o em­pe­nho da for­ça de tra­ba­lho do sé­cu­lo XXI. A mu­dan­ça do com­por­ta­men­to do con­su­mi­dor fi­nal em re­que­rer com exi­gên­cia a ac­tu­al mo­der­ni­za­ção tec­no­ló­gi­ca.A di­ver­si­da­de tem gran­de re­le­vân­cia den­tro das em­pre­sas, nas­ce a ne­ces­si­da­de de re­es­tru­tu­ra­ção sob o pon­to de vis­ta do “Ca­pi­tal Hu­ma­no na Era di­gi­tal”.

A di­gi­ta­li­za­ção abriu no­vos ho­ri­zon­tes, mas tam­bém mu­dou mui­tos pa­ra­dig­mas dos mo­de­los de ne­gó­cio em pra­ti­ca­men­te to­das as in­dús­tri­as. Das pe­que­nas às gran­des em­pre­sas, a obri­ga­to­ri­e­da­de de uma re­de­fi­ni­ção dos mo­de­los eco­nó­mi­cos e de ges­tão re­ve­lou-se mes­mo no eco­sis­te­ma, um fac

tor de­ter­mi­nan­te pa­ra os bons re­sul­ta­dos.

A par­te di­fí­cil do ter­mo “Trans­for­ma­ção Di­gi­tal” não é o Di­gi­tal! é a Trans­for­ma­ção do Ca­pi­tal Hu­ma­no “CH”. Co­mo to­das as trans­for­ma­ções é um ca­mi­nho que se faz an­dan­do. Um ca­mi­nho com al­tos e bai­xos, de­vi­do à evo­lu­ção mu­tá­vel da tec­no­lo­gia, mas que no fi­nal per­mi­te pas­sar de “Pré-Di­gi­tal a Pós-Di­gi­tal”.

Se­gun­do es­tu­do fei­to pe­la em­pre­sa “Glo­bal Kno­wled­ge, Lda.” Em­pre­sa de TI & Con­sul­to­ria, a In­dús­tria 4.0, quar­ta re­vo­lu­ção in­dus­tri­al, fo­ca-se na to­tal di­gi­ta­li­za­ção dos ac­ti­vos fí­si­cos e “sis­te­mas ci­ber-fí­si­cos, In­ter­net das Coi­sas” os pro­ces­sos de pro­du­ção ten­dem a tor­nar-se ca­da vez mais efi­ci­en­tes, autô­no­mos e cus­to­mi­zá­veis, com ba­se na in­te­gra­ção do ecos­sis­te­ma di­gi­tal. Des­ta re­vo­lu­ção, fa­zem par­te tec­no­lo­gi­as com in­te­rac­ção hu­ma­na, aná­li­se Big Da­ta e al­go­rit­mos avan­ça­dos, es­ta re­a­li­da­de au­men­ta­da com o cloud com­pu­ting.

Os gran­des players de tec­no­lo­gia da in­for­ma­ção e te­le­co­mu­ni­ca­ções di­zem que o es­sen­ci­al é que a di­gi­ta­li­za­ção tem evo­luí­do a fa­vor do ho­mem e não con­tra. Es­tão iden­ti­fi­ca­dos que os pe­ri­gos da di­gi­ta­li­za­ção a ní­vel la­bo­ral são, en­tre ou­tros, a substituiç­ão de pes­so­as por má­qui­nas, pro­gra­mas ou apps, di­fi­cul­da­des de adap­ta­ção por ge­ra­ções, dis­po­ni­bi­li­da­de 24h dos co­la­bo­ra­do­res ou até à de­su­ma­ni­za­ção das re­la­ções.

Ca­be-nos fa­zer uso des­tas fer­ra­men­tas a nos­so fa­vor, cri­an­do ga­nhos com efi­ci­ên­cia. Si­mul­ta­ne­a­men­te, de­ve­re­mos es­tar aten­tos às adap­ta­ções ne­ces­sá­ri­as nas em­pre­sas a ní­vel do ca­pi­tal hu­ma­no, nun­ca es­que­cen­do a ino­va­ção que se tra­duz em “Pós-Di­gi­tal”.

Fra­se­an­do “Gary Ham­mel”, as me­lho­res ino­va­ções sur­gem da pro­cu­ra de ide­ais que são no­bres e in­tem­po­rais. As ino­va­ções que fa­zem a di­fe­ren­ça e en­ri­que­cem a vi­da.

EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Es­tê­vão Ar­sé­nio Dos Santos Do­cen­te Uni­ver­si­tá­rio e Con­sul­tor de TI e GRH

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.