Di­ver­si­fi­ca­ção adi­a­da

Jornal de Economia & Financas - - Opinião -

A PU­RA VER­DA­DE É QUE O PRO­CES­SO DE DI­VER­SI­FI­CA­ÇÃO DA ECO­NO­MIA AN­GO­LA­NA FOI CON­CE­BI­DO NU­MA VI­SÃO QUANTITATI­VA VI­RA­DA ES­SEN­CI­AL­MEN­TE PA­RA AS PO­LÍ­TI­CAS IN­DUS­TRI­AIS VER­TI­CAIS

Con­ti­nu­a­mos na mes­ma sen­da, do pas­sa­do pa­ra o fu­tu­ro e do fu­tu­ro pa­ra o pas­sa­do, à pro­cu­ra dos de­ter­mi­nan­tes que es­ti­ve­ram na ba­se do in­su­ces­so da di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia an­go­la­na, des­de o pe­río­do em que al­can­ça­mos a paz, co­mo con­di­ção “si­ne qua non” pa­ra a es­ta­bi­li­da­de po­lí­ti­ca do país.

Os di­ag­nós­ti­cos e es­tra­té­gi­as eco­nó­mi­cas usa­das pa­ra a va­ri­a­bi­li­da­de da ca­pa­ci­da­de ins­ta­la­da da eco­no­mia an­go­la­na,quer na pers­pec­ti­va de cur­to pra­zo (Key­ne­si­a­na),co­mo na óp­ti­ca de mé­dio e lon­go pra­zos (vi­são clás­si­ca), re­pre­sen­ta­ram um in­for­tú­nio aos de­si­de­ra­tos es­pe­ra­dos.

O de­ba­te so­bre a di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia não é de ago­ra, até já sur­gi­ram idei­as e fór­mu­las que acon­se­lha­vam a usar o mo­de­lo de pro­du­ção do pe­río­do co­lo­ni­al, que nos le­vou pa­ra o quar­to lugar na ex­por­ta­ção de ca­fé em 1973, es­que­ce­mos com­ple­ta­men­te que a re­fe­ri­da con­quis­ta foi im­pul­si­o­na­da com au­xí­lio do “tra­ba­lho es­cra­vo” (con­tra­ta­dos) e mal re­mu­ne­ra­do.

A pu­ra ver­da­de é que o pro­ces­so de di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia an­go­la­na foi con­ce­bi­do nu­ma vi­são quantitati­va vi­ra­da es­sen­ci­al­men­te pa­ra as po­lí­ti­cas in­dus­tri­ais ver­ti­cais, re­le­gan­do as po­lí­ti­cas ho­ri­zon­tais pa­ra se­gun­do pla­no.

A ine­fi­ci­en­te es­tra­té­gia de re­so­lu­ção dos pro­ble­mas eco­nó­mi­cos do la­do da ofer­ta da eco­no­mia (pro­du­ção de bens e ser­vi­ços), sem acom­pa­nha­men­to de re­for­mas eco­nó­mi­cas es­tru­tu­rais deu ori­gem, ao sur­gi­men­to de ini­ci­a­ti­vas pri­va­das pro­te­gi­das pe­lo Es­ta­do (be­ne­fi­ci­an­do de cré­di­tos ba­ra­tos e isen­ções fis­cais), mas sem ca­pa­ci­da­de com­pe­ti­ti­va e knowhow, ou se­ja, as em­pre­sas que be­ne­fi­ci­a­ram dos pa­co­tes pro­mo­ci­o­nais da di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia, não aju­da­ram a ala­van­car a pro­du­ti­vi­da­de da eco­no­mia não petrolífer­a.

Ide­a­li­zou-se na sociedade an­go­la­na, um mar­ke­ting de­fi­ci­tá­rio cu­jo ob­jec­ti­vo era de promover a ima­gem dos pro­du­tos de pro­du­ção na­ci­o­nal, in­de­pen­den­te­men­te da sua qua­li­da­de, atre­la­dos ao slo­gan “o na­ci­o­nal é bom e eu gos­to”.

Es­que­ceu-se com­ple­ta­men­te da di­nâ­mi­ca do mun­do glo­ba­li­za­do, na qual se en­con­tra in­se­ri­da a nos­sa eco­no­mia, e o fac­to do con­su­mi­dor an­go­la­no do

sé­cu­lo XXI so­frer in­fluên­ci­as nas su­as es­co­lhas mo­ti­va­das pe­las po­de­ro­sas cam­pa­nhas pu­bli­ci­tá­ri­as le­va­das a ca­bo pe­las mul­ti­na­ci­o­nais, o con­su­mi­dor ac­tu­al en­con­tra-se cap­tu­ra­do pe­la me­dia, não con­so­me o que quer, mas sim o que os ou­tros con­so­mem (efei­to ma­na­da).

As­sim sen­do, gran­de par­te dos ci­da­dãos das mai­o­res ci­da­des do país co­mo Lu­an­da e Ben­gue­la apre­sen­tam com­por­ta­men­to de con­su­mo pa­dro­ni­za­do à me­di­da do si­mu­la­cro so­ci­al im­pos­to pe­lo mun­do glo­ba­li­za­do, ca­nal atra­vés do qual ocor­re a dis­se­mi­na­ção da acul­tu­ra­ção so­ci­al, ten­do em con­ta a ca­rac­te­rís­ti­ca sim­bó­li­ca das mer­ca­do­ri­as tran­sa­ci­o­na­das.

En­con­tra­mo-nos num pe­río­dos em que o So­ció­lo­go Zyg­munt Bau­man de­sig­nou de sociedade lí­qui­da, afir­man­do que vi­ve­mos num tem­po mar­ca­do pe­la fle­xi­bi­li­da­de, a qual pro­vo­ca uma cer­ta fra­gi­li­da­de no que tan­ge as nos­sas re­la­ções so­bre as coi­sas ou pes­so­as, on­de a vi­da é ori­en­ta­da pa­ra o con­su­mo, e nes­ta no­va or­ga­ni­za­ção so­ci­al, os in­di­ví­du­os são si­mul­ta­ne­a­men­te pro­du­tos e mer­ca­do­ri­as, pois to­dos vi­vem no mes­mo es­pa­ço so­ci­al de­sig­na­do de mer­ca­do.

O con­su­mo tor­nou-se num meio de re­co­nhe­ci­men­to so­ci­al­que trans­cen­de a ra­ci­o­na­li­da­de eco­nó­mi­ca e in­va­li­da a vi­são do con­su­mo pa­trió­ti­co ali­cer­ça­do no slo­gan “o na­ci­o­nal é bom e eu gos­to”. A pro­cu­ra pe­los pro­du­tos com qua­li­da­de de equi­pa­ra­ção in­ter­na­ci­o­nal pas­sou a ser a exi­gên­cia do con­su­mi­dor an­go­la­no do XXI.

Es­se des­vio de per­cep­ção en­tre a exi­gên­cia dos con­su­mi­do­res na­ci­o­nais, a pro­mo­ção e pro­tec­ção de em­pre­sas que ofe­re­cem bens e ser­vi­ços com qua­li­da­de abai­xo da mé­dia, tem con­de­na­do re­pe­ti­da­men­te as em­pre­sas ao in­su­ces­so eco­nó­mi­co, não obs­tan­te te­rem be­ne­fi­ci­a­do do pa­co­te ver­ti­cal da di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia, e por aí, ex­pli­ca-se o ele­va­do ní­vel do cré­di­to mal­pa­ra­do que se re­gis­ta ac­tu­al­men­te.

O con­su­mi­dor é o ver­da­dei­ro juiz na eco­no­mia de mer­ca­do, é a ra­zão e o epi­cen­tro de to­da a ac­ti­vi­da­de eco­nó­mi­ca, que pre­meia e pu­ne as em­pre­sas em fun­ção da qua­li­da­de dos bens e ser­vi­ços ofer­ta­dos.

Por­tan­to, ur­ge a ne­ces­si­da­de de in­ser­ção de uma vi­são qua­li­ta­ti­va nas es­tra­té­gi­as gi­za­das pa­ra a di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia, vi­san­do ori­en­tar as ac­ções pa­ra a efi­ci­ên­cia das ac­ti­vi­da­des pro­du­ti­vas di­ver­si­fi­ca­das e por di­ver­si­fi­car, se­guin­do o cri­té­rio da pro­du­ti­vi­da­de eco­nó­mi­ca em ali­nha­men­to com as ne­ces­si­da­des do mer­ca­do e dos con­su­mi­do­res.

EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Sa­bi­no Ma­ria da Con­cei­ção Eco­no­mis­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.